conecte-se conosco


Mato Grosso

Alunos indígenas sonham ingressar em uma universidade para ajudar comunidade

Publicado

Ingressar em uma universidade para fazer um curso superior é o sonho de qualquer jovem que acaba de concluir o Ensino Médio. E não poderia ser diferente para os alunos indígenas das escolas da rede estadual, que estão na expectativa de ingressar em uma universidade pública por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019.

Na Escola Estadual Indígena Central Ikpeng, localizada no município de Feliz Natal (536 km de Cuiabá), no Parque Indígena do Xingú, seis alunos e ex-alunos estão fazendo as provas do Enem. Entre eles, a jovem Yawate Ikpeng, que está confiante em conquistar uma vaga para o curso de Medicina na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

“Meu grande sonho e objetivo é ingressar numa faculdade de medicina, para que, futuramente, possa ajudar nosso povo dentro da aldeia”, disse.

Orome Ikpeng é outro aluno da escola que está fazendo o Enem. Ele pretende conquistar uma vaga para o curso de Agronomia na UFMT ou na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

Veja Também:  Processos julgados em outubro superam R$ 1 milhão em multas

“Nosso objetivo maior é conquistar conhecimentos para que possamos usá-los em benefício de nosso povo”, ressaltou o jovem.

Os demais alunos da Escola Central Ikpeng pretendem conquistar vagas em diversas outras áreas, como Odontologia, Enfermagem, Engenharia Ambiental e Pedagogia.

Alunos da EE Indígena Central Leonardo Villas Boas, localizada no município de Gaúcha do Norte (a 595 quilômetros de Cuiabá), no Parque Indígena do Xingú, também estão buscando vagas na UFMT e na Unemat. Entre os cursos estão Administração, Agronomia e Medicina.

“Quero fazer o curso de Administração. Estudei e me preparei para conquistar esse sonho. Quero ser orgulho para o meu povo”, disse Jerônimo Waurá, que concluiu o ensino médio no ano passado.

Em Mato Grosso, a rede estadual conta com 71 escolas indígenas e atende 12.600 alunos em vários municípios.

O Coordenador da Educação Escolar Indígena da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Sebastião Ferreira de Souza, destaca a importância de o Governo oportunizar e possibilitar a esses jovens, que estão nas aldeias, o acesso ao ensino médio para que, posteriormente, busquem vagas em universidades públicas e realizem o sonho de fazer um curso superior.

Veja Também:  Ouvidorias atendem quase 15 mil demandas de janeiro a outubro

“Esses alunos estão tentando realizar os seus sonhos, que é fazer uma faculdade e ter uma profissão como qualquer outro jovem. E nós trabalhamos para garantir isso a eles, independentemente de onde estejam”, afirmou.

Fonte: GOV MT
publicidade

Mato Grosso

Diretores de escolas relatam desafios do ensino especial

Publicado

Nesta terça-feira (12.11) é comemorado o Dia do Diretor Escolar. O sucesso da política de diversidade educacional não seria possível sem este profissional, que encara diversos desafios todos os dias. No caso dos gestores das escolas especializadas, os obstáculos podem ser ainda maiores, mas, nada que não possa ser resolvido.

Fátima Rosana Faria, da Escola Estadual Especial Livre Aprender de Cuiabá, leva em conta tanto o lado profissional como o lado humano para atender alunos com as mais diferentes deficiências.

A diretora explica que precisou conhecer aluno por aluno para entender melhor o desafio de ser gestora. A escola tem hoje 160 alunos especiais matriculados cuja idade vai de 7 a 41 anos com todo tipo de deficiência.

“Para atender a essa diversidade, você precisa trabalhar com profissionais que conhecem todas as deficiências em todos os níveis. O desafio é me colocar como parte dessa liderança de educação inclusiva. E tive que aprender muito também”, ressalta a diretora, que começou o desafio no ano passado..

Veja Também:  PM fecha boate por oferecer drogas e bebidas alcoólicas a adolescentes; dono foi preso

Ela assinala que todo pai, ao ver o filho nascer, deseja uma caminhada e a independência desse filho. “Esse desejo vem ainda no ventre da mãe e sofre uma mudança brusca, com um novo desafio é o acompanhamento por essa família. E o papel dessa família aqui na escola é integral”, explica.

Os alunos especiais são buscadas na prota de casa, com ônibus adaptados e com ar-condicionado. Na escola, cada um tem uma alimentação especial, com cardápio individualizado.

“A EEE Livre Aprender tem uma assessoria pedagógica especializada e uma Secretaria de Educação compromissada com a educação especial. O resultado é que hoje temos alunos alfabetizados e já solicitamos o segundo segmento para Educação de Jovens e Adultos (EJA) e assim vamos vencendo etapas por etapas”, comemora.   

Especial

Para a diretora há 12 anos do Centro Estadual de Atendimento e Apoio ao Deficiente Auditivo Professora Arlete Pereira Migueletti (Ceaada), Gláucia Inês Paes de Barros, o objetivo da gestora é realizar atendimento às perspectivas da comunidade escolar.

“É desafiador acompanhar o constante processo das inovações tecnológicas, que buscam facilitar o processo de ensino-aprendizagem. Buscamos sempre contornar essas dificuldades com criatividade e comprometimento de todos os nossos profissionais por mim dirigidos, em parceria com alunos e toda a comunidade, o que me faz sentir uma pessoa especial por fazer parte de uma equipe especial que trabalha com a Educação Especial”, ressalta.

Veja Também:  Ouvidorias atendem quase 15 mil demandas de janeiro a outubro

A Escola tem 82 alunos matriculados na educação infantil, ensino fundamental e educação de jovens e adultos (EJA). Para estudar no Ceaada, é preciso ser surdo ou ter deficiência auditiva.

Expectativas

Em outra escola estadual especial, a Raio de Sol, os desafios não são diferentes. A diretora Leila Bacani Custódio Barbosa destaca que trabalha para promover uma educação de qualidade aos alunos especiais buscando atender às suas expectativas e seus responsáveis. “Tudo isso graças a uma administração pública, transparente e democrática. A ajuda dos pais é fundamental para termos um trabalho cada vez maior”, assegura.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Gari é humilhada por estar maquiada enquanto varria as ruas

Publicado

Gari é humilhada por estar maquiada enquanto varria as ruas

Uma gari de Porto Velho, Rondônia, foi humilhada enquanto varria as ruas da cidade. Em depoimento em uma rede social, Paulina Carvalho, de 25 anos,  conta que sofreu “preconceito” por estar maquiada. De acordo com a moça, uma mulher parou o carro e questionou por que ela usava maquiagem, já que ficaria suja de qualquer forma, por estar limpando as ruas.

Paulina contou que estava trabalhando na rua à noite, quando um carro de luxo parou e uma mulher questionou a razão de ela estar arrumada. “A mulher me olhou de cima a baixo e falou “Nossa para que se emperequetar tanto assim? Você vai varrer o chão e vai estar com a cara cheia de poeira e não vai dar para ver nem pó no seu rosto’”, disse.

“Não é por trabalhar varrendo rua, lidando diretamente com lixo que deixaria de ser mulher”, disse Paulina. “Minha educação é humilde, vem de berço. Eu poderia tratá-la da mesma forma. Mas pela idade dela respeitei. A gente oferece o que tem, eu ofereci minha gentileza”, disse.

Veja Também:  Aluna da EE Bento Muniz conquista primeiro lugar em concurso de redação do Bombeiros

A gari contou que na hora da agressão verbal ficou assustada, mas que respondeu a mulher. “Minha senhora, o fato de trabalhar de brincos, maquiada e bem cheirosa, não interfere na minha profissão. O importante é que estou de bem com a vida e não sou nenhuma mal resolvida que se incomoda com a vida alheia. Sou gari e com muito orgulho”, respondeu.

A postagem com a história acabou fazendo sucesso nas redes sociais e a gari recebeu várias mensagens de apoio. “Continue se arrumando, você é linda”, disse uma seguidora. “Tenha orgulho do seu trabalho. Girl Power”, declarou outra.

Continue lendo

Mato Grosso

Tradicional Festival da Jabuticaba começa nesta sexta (15) em Juscimeira

Publicado

A abertura da 32ª edição do Festival da Jabuticaba é nesta sexta-feira, 15 de novembro, a partir das 8 horas da manhã.  O evento segue até durar a safra dos quase mil pés da fruta. A entrada é R$ 10 (comer a vontade no pomar) e o balde ( 5 Kg) por R$ 20, para levar para casa.

Para este ano, os realizadores do tradicional evento prepararam muitas novidades e melhorias na infraestrutura do espaço para receber os visitantes dos quatro cantos de Mato Grosso e de outros estados.

Além das receitas tradicionais do bolo de jabuticaba, geléia, licor e almoço, neste ano tem outras novidades como: casca cristalizada, farinha de jabuticaba, vinagre, concentrado, picolé, sorvete, dentre outros.

O Sítio Colina Verde está localizado na estrada Cachoeira do Prata, distante 2 km do Centro de Juscimeira.

Veja Também:  Estratégia de controle de desmatamento em MT é referência para colombianos
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana