conecte-se conosco


Nacional

Bolsonaro tem razão ao dizer que Brasil não tem universidade entre as melhores?

Publicado


Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR – 15.5.19

Bolsonaro declarou que Brasil não tem universidade entre as 250 melhores. Ele tem razão?

Durante sua passagem por Dallas, nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que nenhuma universidade brasileira está ‘entre as 250 melhores do mundo’ , ao
justificar os cortes na educação anunciados recentemente pelo MEC. A declaração do presidente, no entanto, não é totalmente verdadeira.

Como Bolsonaro não explicou qual ranking foi utilizado para embasar sua afirmação, verificamos os principais e a conclusão foi que a lista divulgada em janeiro deste ano pela
revista inglesa Times Higher Education (THE) realmente sustenta a declaração do presidente sobre as universidades , mas outras mostram que ele está equivocado.

De acordo com o ranking do CWUR World University Rankings 2018-2019 , a Universidade de São Paulo (USP) aparece na 77ª colocação entre as melhores do mundo, sendo a única do País entre as 250. A Universidade de Harvard aparece com o melhor desempenho nesta lista.

Já conforme o site World University Rankings , a USP é considerada a 118º melhor do mundo. Além dela, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também fica entre as 250
primeiras. O Intitulo tecnológico de Massachusetts foi o melhor avaliado neste ranking.

Veja Também:  Tribunal autoriza que Gleisi Hoffmann atue como advogada de Lula

Se considerarmos apenas o ranking de desempenho de instituições de países emergentes da THE , a USP é a 15ª melhor;  Unicamp a 40ª; Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS) a 119ª; Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) a 127ª; e Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) a 166ª.

Ainda com base no ranking que possivelmente Bolsonaro utilizou para minimizar os cortes do MEC, a USP está entre a 251ª e a 300ª posição no geral e é a primeira universidade
brasileira a aparecer. Entre universidades da América Latina, de acordo com a última lista da THE , divulgada em 2018, a Unicamp lidera e a USP aparece na segunda colocação.

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Chuva e máxima de 16ºC são esperadas para esta terça-feira, em São Paulo

Publicado

source
são paulo arrow-options
Bruno Rocha/Fotoarena/Agência O Globo

São Paulo terá semana fria e chuvosa

São Paulo terá mais um dia chuvoso e frio nesta terça-feira (20), de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE). 

O dia amanhece nublado e com mínima de 13ºC. A previsão do tempo indica máxima de 16º e pancadas de chuva durante todo o dia. O CGE também alerta para chuvas de forte intensidade. O índice de umidade do ar se mantém alto, entre 75 e 90%. 


Fonte: IG Nacional
Veja Também:  Boris Johnson pode deixar britânicos sem comida e remédios
Continue lendo

Nacional

Associação diz que escolha de PGR não pode ‘servir a propósitos pessoais’

Publicado

source
Jair Bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR – 17.8.19

Presidente Jair Bolsonaro é o responsável por escolher o novo PGR

A Associação Nacional dos Procuradores da República ( ANPR ) divulgou nota nesta segunda-feira (19) criticando a possibilidade de escolha de um procurador-geral da República (PGR)
alinhado ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu filho Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e por fora da lista tríplice votada internamente pela categoria.

Leia também: Procuradores temem que favorito a assumir PGR se torne um “engavetador-geral”

Em tom de dura crítica, a diretoria da ANPR escreveu que o PGR “exerce, por óbvio, uma função de Estado e não de governo, não podendo ser indicado, por exemplo, em razão de
‘alinhamento’ com os projetos e ideias defendidos por aqueles que compõem quaisquer dos Poderes da República. Tampouco pode-se cogitar que a escolha do PGR possa servir a
propósitos pessoais. Qualquer tentativa de interferência indevida tem impacto negativo no combate ao crime, à corrupção, e na garantia dos direitos fundamentais”.

A nota diz ainda que o surgimento de vários candidatos que não disputaram a lista tríplice impede à categoria e à sociedade saber seus projetos e suas ideias para a instituição.

Veja Também:  Nome de Bonifácio de Andrada para PGR tem boa avaliação na Lava Jato

Leia também: Favorito à PGR foi condenado pelo TCU por aposentadoria irregular

“Nas últimas semanas, o noticiário nacional veicula que diversos membros do MPF, que não participaram do debate público e não receberam votação para estar na lista tríplice,
estariam buscando a nomeação por meio de conversas reservadas ocorridas na Presidência da República. Não sabemos, nós e a população brasileira, quais são seus planos, ideias e
compromissos para comandar a instituição”, escreveu a ANPR.

Na nota, a instituição ressalta que a lista tríplice garante o respaldo perante os pares e a independência do Ministério Público Federal. “A lista tríplice, formada por votos de
82,5% da categoria em processo democrático e transparente, é mecanismo que garante um PGR independente, agregador e comprometido exclusivamente com a Constituição da República. Percebe-se que não há motivos transparentes para recusar, ao mesmo tempo, as três lideranças institucionais apresentadas na lista tríplice”, diz a ANPR.

Leia também: Dodge diz que projeto de abuso de autoridade pode se tornar ‘veneno’

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Egípcio acusado de terrorismo presta esclarecimentos ao FBI em São Paulo

Publicado

source
Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim arrow-options
Arquivo pessoal

Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim, egípcio acusado de terrorismo, foi interrogado pelo FBI em São Paulo

Acusado de ligação com terroristas da Al Qaeda e procurado pelo FBI, o egípcio Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim é alvo de um procedimento investigatório do Ministério Público Federal de São Paulo. A investigação corre em sigilo e faz parte de uma cooperação internacional com os Estados Unidos. As autoridades brasileiras já tinham conhecimento do
caso, que foi aberto antes de o FBI divulgar a foto de Ibrahim no Twitter numa lista de procurados da polícia americana sob suspeita de terrorismo na semana passada.

Leia também: Policial que matou jovem dando início a “Black Lives Matter” é demitido

O egípcio , sua mulher brasileira e até mesmo sua sogra prestam esclarecimentos nesta segunda-feira (19) a agentes do FBI, acompanhados de procuradores do MPF. Ibrahim se casou com uma brasileira em junho do ano passado num cartório no bairro do Pari, na capital paulista. Ela está grávida de quatro meses.

Veja Também:  Boris Johnson pode deixar britânicos sem comida e remédios

Em entrevista na última quinta-feira (15), Ibrahim negou as acusações e alegou que é vítima de perseguição política no Egito. Afirmou ainda que apoiava o movimento político
ligado ao ex-presidente Mohamed Mursi, que acabou deposto do poder pelos militares em 2013. Na sexta, o  egípcio foi ouvido pela PF no aeroporto de Guarulhos e reiterou que não
ligação com grupos terroristas.

“Não sou terrorista. Eu resolvi refazer a minha vida e já estou no Brasil há dois anos casado e trabalhando. Tenho muito medo de ser extraditado porque os dissidentes do governo
do meu país são torturados e mortos”, afirmou à imprensa.

Segundo pessoas próximas ao egípcio, Ibrahim já está sendo monitorado pela PF há cerca de seis meses, quando foi abordado numa Mesquita de Guarulhos por agentes e teve que
prestar esclarecimentos pela primeira vez.

Segundo fontes ligadas às investigações, o governo brasileiro ainda aguarda mais elementos do FBI para decidir sobre a situação de Ibrahim .

O FBI suspeitaria de uma empresa de turismo aberta por Ibrahim na Turquia, para onde fugiu inicialmente. Lá, ele transportava turistas para Capadócia e Instanbul, entre outros
destinos turísticos. O FBI acredita que ele também levaria suspeitos que iam pra Síria, Afeganistão e outros países onde há operação de células terroristas.

Veja Também:  Nome de Bonifácio de Andrada para PGR tem boa avaliação na Lava Jato

Além disso, os agentes americanos também teriam encontrado movimentações suspeitas nas contas bancárias de Ibrahim. A defesa alega que a família de Mohamed  tinha uma situação
financeira confortável no Egito antes de os militares tomarem o poder em 2013. Seriam donos de uma empresa de tecelagem. O egípcio era professor de árabe numa universidade no
Cairo.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana