conecte-se conosco


Tecnologia

Bonecos e robôs te assustam? Estudo tenta explicar o porquê

Publicado

Olhar Digital

Robô
Web Summit
Sophia, robô humanoide capaz de reproduzir 62 expressões faciais e ‘aprender’ através de interações com humanos


Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Duisburg-Essen, na Alemanha, tenta explicar um fenômeno que desafia os especialistas em robótica há anos: o “Uncanny Valley”, ou “ Vale da Estranheza ”.

Já há algum tempo os cientistas sabem que quanto mais humano um robô se parece, mais empatia sentimos por ele. Entretanto, quando a aparência atinge um ponto “quase” humano, passamos a sentir uma forte rejeição. Se colocarmos esta correlação em um gráfico, vemos que a empatia sobe até despencar subitamente, gerando o “vale” no gráfico que dá o nome ao fenômeno.

gráfico (uncanny valley)
Wikimedia Commons (traduzido)
Gráfico compara o conforto perto de objetos (robôs, fantoches etc) de acordo com seu grau de realismo


Segundo o site Mashable, os pesquisadores alemães submeteram 21 voluntários a testes de ressonânica magnética funcional (fMRI) enquanto estes realizavam testes cognitivos. No primeiro, os voluntários viram uma série de figuras e tinham de classificá-las em o quanto “agradáveis” ou humanas elas pareciam. No segundo, as figuras foram apresentadas aos pares, e os voluntários tinham que indicar de qual delas gostariam de ganhar um presente.

Veja Também:  Instagram tira likes? App testa ocultar número de curtidas no Brasil

Leia mais:  Os robôs serão melhores do que os humanos

Como previsto, as figuras humanas ou apenas humanóides foram as preferidas no teste, enquanto as “quase humanas” foram rejeitadas. Analisando os resultados das ressonâncias, os pesquisadores descobriram áreas próximas ao córtex visual responsáveis por “decodificar” as faces e características das imagens. A junção temporo-parietal seria a responsável por classificar o quão agradável é a figura, enquanto o córtex pre-frontal dorsomedial e o giro fusiforme faziam a distinção entre humano e não humano.

Leia mais:  Toyota apresenta robô que não erra cestas de 3 pontos no basquete. Veja vídeo

Uma conclusão à qual os cientistas chegaram foi a de que a decisão entre o que é agradável e o que é estranho é subjetiva, e não havia um tipo de robô que fosse agradável ou assustador para todos os partitpantes. Um dado importante, à medida em que agentes virtuais e inteligência artificial fazem cada vez mais parte de nossas vidas.

Fonte: IG Tecnologia
publicidade

Tecnologia

Seu smartphone te dá dores de cabeça? A culpa pode ser da tela OLED

Publicado

Olhar Digital

jovem com smartphone na mão arrow-options
Divulgação/Google
Simulação de níveis de brilho dos novos smartphones pode causar dores de cabeça, alerta oftalmologista

Se você adquirir um novo smartphone, há uma boa chance de que sua tela seja  OLED . Esse tipo de tecnologia é bastante usada na maioria dos novos iPhones (exceto o XR), no LG G8, em carros chefe da Samsung e nos modelos intermediários de empresas como a Motorola.

Elas oferecem muitas vantagens em relação às telas de LCD, como melhor contraste, cores mais vivas e telas mais finas. Mesmo assim, alguns usuários reclamam de dor de cabeça ao utilizá-las.

Veja mais: Adeus, vício: 7 ferramentas para controlar o tempo de uso do celular

A principal causa deste problema se dá ao fato de que, em alguns níveis de brilho, as telas OLED piscam, o que causa um desconforto no usuário que pode levar a dores de cabeça se ele ficar muito tempo exposto a isso. As telas com tecnologia OLED são compostas por pequenos ponto luminosos, os LEDs, com cada um emitindo luz com uma das cores primárias: vermelho, verde ou azul.

Ter muitas fontes diferentes de luz em uma tela, em vez de uma única luz de fundo que a ilumina por inteiro, significa que quando a tela está com brilho total há melhor contraste, e as partes pretas de uma imagem são bem mais escuras.

Para entender melhor como os benefícios dessa tecnologia, pense em como os fãs ficaram irritados com a última luta contra os caminhantes brancos em “A Longa Noite”, episódio da oitava temporada de  Game of Thrones .

jovem segura celular arrow-options
shutterstock
Jovens estão mais propensos a sofrerem dores de cabeça em função da tela do smartphones

A tela ficou escura quase o episódio inteiro, o que dificultou ver o que estava acontecendo. Mas uma boa tela OLED deixaria o episódio bem mais visível, porque o contraste seria muito maior quando comparado a uma tela LCD.

Veja Também:  Google Maps passa a mostrar pontos de aluguel de bicicletas

É justamente esse detalhe que torna os smartphones com tela OLED tão atraentes: com contraste elevado e pretos mais profundos, você obtém uma imagem melhor e mais realista . Mesmo com esses benefícios, a tecnologia está sendo responsável por deixar alguns usuários mais sensíveis com dores de cabeça.

Leia: Youtuber cria sua própria versão do novo iPhone: “Demorou cerca de 258 horas”

As telas OLED não possuem diferentes níveis de brilho. Quando alguém deseja diminuir o brilho em um telefone com OLED, a tela usa um método chamado de modulação por largura de pulso, que liga e desliga rapidamente os LEDs criar a ilusão de uma imagem mais escura.

Os telefones LCD não fazem isso. Em vez disso, eles usam um filtro que controla a quantidade de luz que pode passar pelo painel. Alguma luz, inevitavelmente, passará pelas áreas mais escuras da tela, tornando o preto mais acinzentado e deixando a imagem um tanto “lavada”. Mas também evita que a cintilação cause cansaço visual e dores de cabeça em algumas pessoas.

Veja Também:  Como melhorar o conteúdo no Instagram depois do “fim” das curtidas

O Dr. Rai Maturi, oftalmologista e membro da Academia Americana de Oftalmologia, diz que a questão pode ser mais pronunciada entre os jovens do que nos velhos. Muitas pessoas mais velhas têm visão pior do que os jovens, ele diz, então, “as pessoas mais jovens podem discernir cintilação em uma frequência mais alta do que as pessoas mais velhas”. Maturi ainda afirmou que algumas pesquisas devem ser realizadas para determinar o papel que as telas piscantes de smartphones tem nas dores de cabeça de alguns usuários.

Dá para melhorar

Como uma forma de diminuir isso, os usuários podem aplicar um filtro para deixar a tela mais escura, mesmo que ela esteja no brilho máximo. Nos iPhone X, XS e XR, será necessário abrir as “Configurações” e navegar até “Geral > Acessibilidade > Acomodações de Exibição > Reduzir ponto branco”. O usuário deverá reduzir o ponto branco para 95% ou abaixo e verificar se o nível de brilho do telefone está acima de 50%. Isso deve ajudar a amenizar qualquer oscilação.

No caso do Android , o sistema não possui uma opção nativa para isso, mas o usuário pode baixar um aplicativo de terceiros para que seja colocado um “filtro” escuro sobre a tela. Para que a configuração seja feita de forma correta, deve-se certificar que o brilho esteja no máximo para que os ajustes tenham resultado.

Como um celular é hackeado? Conheça as técnicas e saiba se proteger

Se nenhuma dessas configurações der resultado e as dores de cabeça e incômodos continuarem, pode ser necessário procurar um especialista para que a causa e os tratamentos necessários sejam definidos.

Via:  One Zero

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Instagram sem likes: aspirantes na rede perdem, mas bem-estar aumenta

Publicado

Alcançar a fama de um “instragramer”, o influenciador que tem no Instagram sua principal vitrine, vai ficar mais difícil com a retirada do  número de curtidas que cada foto recebe na rede social. A avaliação é de Júnior César, da Brasilera Digital Agenciamento de Influenciadores Digitais.

Viih Tube arrow-options
Divulgação
Viih Tube tem 10 milhões de seguidores no Instagram

A agência é responsável pela carreira de jovens rostos conhecidos na internet como Camila Loures, 24, que tem 6 milhões de seguidores no aplicativo de fotos, Viih Tube, 18, com 10 milhões de seguidores só no Instagram e Gregory Kessey, 19, seguido por 2,3 milhões de usuários da plataforma.

“Para novos influenciadores, que têm no Instagram a sua principal rede , ficou um pouco mais complicado provar o engajamento. Quem está começando vai ter que dobrar o trabalho”, avalia César.

Segundo ele, quem já está consolidado não terá a vida muito alterada. “Basta manter o ‘analytics’ (relatórios de presença e comportamento de visitantes em uma página da internet) atualizado. Isso já era feito, por exemplo, com os Instagram Stories, que também não mostram o número de visitantes publicamente”, explica.

Veja Também:  Seu smartphone te dá dores de cabeça? A culpa pode ser da tela OLED

Se por um lado, a decisão pode afetar os planos de alguns usuários da rede social , por outro será benéfica para diminuir a ansiedade de outros, na avaliação da psicóloga Karen Scavacini, do Instituto Vita Alere, que atua na prevenção e posvenção (quando se perdeu alguém) do suicídio.  “O número de influenciadores que monetizam com a rede social é bem menor do que de usuários que podem ser beneficiados”, argumenta Karen.

Ela avalia que redes sociais como o Instagram podem gerar ansiedade e alteração no sono. “Muitos jovens acordam à noite para conferir quantas curtidas receberam. Por isso, a medida provavelmente vai ajudar na saúde mental dos usuários da rede, estimulando um jeito mais saudável de se relacionar com ela”, pondera.

Karen explica, inclusive, a relação entre as redes sociais e o suicídio. “O suicídio sempre é multifatorial. A gente precisa montar um quebra-cabeças complexo para entendê-lo, mas dependendo de como um usuário se relaciona com a rede, ela pode sim, ser mais uma peça desse quebra-cabeças”, alerta.

Veja Também:  Como melhorar o conteúdo no Instagram depois do “fim” das curtidas

Júnior César também vê fatores positivos na nova regra. “A preocupação agora vai ser mais com o conteúdo e menos com os números . Tinha muita gente na rede investindo em uma estética exacerbada e esquecendo o mundo real. Isso pode mudar e quem quiser se destacar deve apostar na criatividade”, aconselha.       

Sobre a mudança, o Instagram informa que se trata de um teste que começou no Canadá. “Não queremos que as pessoas sintam que estão em uma competição dentro do Instagram e nossa expectativa é entender se uma mudança desse tipo poderia ajudar as pessoas a focar menos nas curtidas e mais em contar suas histórias”, afirma a rede social por nota.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

É golpe! Promessa de tratamento odontológico gratuito via WhatsApp é falsa

Publicado

mensagem whatsapp arrow-options
Reprodução
Captura de tela de golpe que tenta enganar brasileiros com tratamento gratuito odontológico

A promessa de um tratamento odontológico gratuito enganou pelo menos 162 mil usuários do WhatsApp no Brasil que receberam, acessaram ou compartilharam o link malicioso desde o mês de maio deste ano.

Por dia, são registrados, pelo menos, 2500 novos acessos ao golpe . As informações são do dfndr lab, site que checa se um link é verdadeiro ou não, e identifica golpes como phishings. 

Atenção: Mantenha o celular seguro! Aprenda como se proteger de golpes no WhatsApp

A fraude simula um programa social do governo falso intitulado “Brasil Sorridente”. Ao tocar no link do golpe, o usuário é incentivado a informar seu estado, cidade e tipo de tratamento que deseja realizar.

Depois, ele precisa fornecer dados pessoais – como nome completo, telefone e e-mail – além de compartilhar o link do ataque com mais cinco contatos do WhatsApp. O usuário é induzido, em seguida, a conceder permissão para receber futuras notificações com outros golpes e ainda é direcionado para páginas falsas e visualizar anúncios fraudulentos

Veja Também:  Como melhorar o conteúdo no Instagram depois do “fim” das curtidas

“Golpes que se aproveitam de programas reais do governo como temática são bastante comuns e, infelizmente, são os que mais fazem vítimas, já que tem bastante apelo da população”, avalia o diretor do dfndr lab, Emilio Simoni.

Saiba mais: Como criar emojis animados para o WhatsApp

mensagem whatsapp golpe brasil sorridente arrow-options
Reprodução
Mensagens enviadas por whatsapp em tentativa de golpe do Brasil Sorridente

Simoni explica o funcionamento do golpe. “Neste ataque em especial, o hacker direciona o usuário para páginas com publicidades suspeitas e, a cada nova visualização, o cibercriminoso ganha mais dinheiro”, diz o especialista.

“A grande lucratividade do golpe para o hacker acaba explicando o porquê ele continua ativo desde o mês de maio”, acrescentou Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab.

Para não cair em ataques como esse, o especialista afirma que o usuário deve tomar algumas medidas como sempre checar se o link é verdadeiro ou não, o que pode ser feito pelo site do dfndr lab e ficar atento a promessas muito vantajosas ou preços muito abaixo do valor original, pois é grande a probabilidade de ser um golpe .

Veja Também:  Google Maps passa a mostrar pontos de aluguel de bicicletas

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana