conecte-se conosco


Carros

Caoa desiste de comprar fábrica da Ford, diz governador de São Paulo

Publicado

source
fábrica da Ford arrow-options
Divulgação

Fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP), que será totalmente desativada em março próximo

A novela da compra da fábrica da Ford pela Caoa chega ao fim. O governador de São Paulo, João Doria, confirma que o Grupo Caoa não tem mais interesse na unidade de produção paulista, que deixou de operar em outubro de 2019. Ainda segundo Dória, apesar da desistência da Caoa, existem dois fabricantes chineses que estão em negociação com a marca americana.

LEIA MAIS: Grupo Caoa não é o único interessado na fábrica da Ford em SBC, diz presidente

Durante evento na capital paulista, Dória também comentou que “Caoa acabou não consolidando a compra da fábrica da Ford exatamente porque o grande investidor chinês queria um espaço maior para produção automobilística”.

A fábrica da Ford, em São Bernardo do Campo (SP) empregava 2.350 funcionários no início de 2019, sendo que mil desses são da área administrativa que passarão a trabalhar em outro escritório, em São Paulo, uma vez que o prédio da unidade de produção será totalmente desativado em março.

Veja Também:  Polo e Virtus ficam mais completos na linha 2020; veja detalhes

Caoa tem planos de nova fábrica

Caoa arrow-options
Divulgação

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o CAOA, gerencia operações de Hyundai, Chery e Subaru no Brasil

A Caoa não comprará mais a fábrica da Ford, mas negocia com três marcas chinesas, embora não se saiba quais são eles. O fundador e chairman do Grupo Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade, disse que tem planos de abrir uma nova fábrica em parceria com chineses.

LEIA MAIS: Ford encerra produção de caminhões na fábrica de São Bernardo do Campo

Hoje em dia, a Caoa é importador das marcas Hyundai e Subaru, além de ser um dos maiores revendedores Ford e ter sociedade com a chinesa Chery, marca que produz no Brasil os modelos Tiggo 2, Tiggo 5X e Tiggo 7, além do sedã Arrizo 5.

Fonte: IG Carros
publicidade

Carros

Honda CB 500X e CB 500F 2020 já podem ser compradas em pré-venda

Publicado

source
Honda CB 500F arrow-options
Divulgação

Honda CB 500X e 500F 2020 (foto) agregam mais desempenho e atributos esportivos com novidades na mecânica

A Honda divulga o início da pré-venda das novas Honda CB 500X e CB 500F 2020. Apresentadas no Salão do Automóvel de 2019, a primeira sai por R$ R$ 28.900, enquanto a segunda, por R$ 26.900. Ambas estreiam novo design, com ângulos mais definidos e agressivos, além de melhorias mecânicas.

LEIA MAIS: Honda confirma o desenvolvimento de nova plataforma para motos de 200 cc

Honda CB 500 arrow-options
Divulgação

Na traseira, observa-se as linhas esportivas na rabeta, que conta com luz de LED

A grande novidade nas Honda CB 500X e CB 500F 2020 é, sem dúvida, a roda dianteira, que agora é de 19 polegadas. Ela chega para oferecer melhor manejo em cenários de off-road leve e, por mais que seja de liga de alumínio e não raiada, oferece um conforto maior em relação ao modelo anterior de 17 polegadas. A CB 500F, especificamente, recebeu um design mais agressivo.

Veja Também:  Mercedes-Benz apresenta conceito inspirado no filme Avatar

LEIA MAIS: Honda Biz 125 chega à linha 2020 com novas rodas de liga-leve, cores e grafismos

Mais equipamentos novos

Honda CB 500 arrow-options
Divulgação

CB 500 X conta com pormenores diferenciados ante a 500F, apesar de partilharem muitos componentes

Além disso, as novas motos da Honda receberam um assento mais estreito, curso maior nas suspensões dianteira e traseira, iluminação total em LED (faróis, lanternas e piscas), nova suspensão traseira, embreagem assistida e deslizante, além do novo escapamento com saída dupla. O painel de instrumentos, por sua vez, também é totalmente novo. Conta com tela digital em LCD e indicador de marcha, além dos habituais hodômetros parcial e total e indicadores de velocidade e rotação.

LEIA MAIS: Royal Enfield Classic ganha novo motor de 350 cc e deverá ficar mais em conta

O motor das Honda CB 500X e CB 500F é o mesmo bicilíndrico de 471 cc com refrigeração líquida, entretanto, ele recebeu ajustes para entregar mais desempenho. No total, tem capacidade de gerar 50,4 cv e 4,55 kgfm. Quanto ao câmbio das nakeds esportivas , suas seis marchas prometem um funcionamento mais suave, sem bloqueio da roda em reduções mais agressivas. A capacidade do tanque de combustível é de 17,7 litros (na 500X) e de 16,7 litros (na 500F).

Veja Também:  Veja 5 esportivos que gostaríamos de ter, mas o juízo não permite

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Carros

Harley-Davidson apresenta scooter elétrico com bateria removível

Publicado

source

Motor Show

Harley arrow-options
Divulgação

Scooter elétrica da Harley-Davidson é uma aposta da marca em sua empreitada por novos segmentos nas duas rodas

Gigante no mundo das duas rodas, a Harley-Davidson apresentou um de seus próximos lançamentos comerciais: uma scooter elétrica com bateria removível. As informações são do site Motorpasionmoto.com.

LEIA MAIS: Honda confirma o desenvolvimento de nova plataforma para motos de 200 cc

Harley arrow-options
Divulgação

Desenho que faz parte do arquivo de patente da nova scooter elétrica da Harley-Davidson mostra a alça na bateria da motocicleta

O site compara os desenhos do arquivo de patente da motocicleta elétrica da Harley-Davidson , que se tornaram públicos, a um protótipo apresentado pela empresa há algumas semanas, durante os X-Games em Aspen (EUA).

LEIA MAIS: Royal Enfield Classic ganha novo motor de 350 cc e deverá ficar mais em conta

Na ocasião, o protótipo apresentava um motor elétrico preso à bateria por cabos. Nos desenhos do arquivo de patente da scooter elétrica da  Harley-Davidson , a bateria conta com uma alça que o site especula seja para facilitar a remoção e poder ser carregada em casa.

Veja Também:  A história da Suzuki T500

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Carros

Citroën C4 Cactus combina maturidade com personalidade forte

Publicado

source
Citroën C4 Cactus arrow-options
Guilherme Menezes/iG

Citroën C4 Cactus é a aposta da PSA para voltar a batalhar entre as grandes. O que deu ao carro para garantir a sua aposta?

Com preços entre R$ 69.990 e R$ 101.090, o Citroën C4 Cactus está no caminho certo para reerguer a PSA e aumentar as chances de se impor diante das grandes no segmento dos SUVs compactos. Nos anos 90, quando a marca firmou as suas atividades no mercado brasileiro — após a abertura das importações — e nos anos 2000, tecnologias inéditas foram tanto o motivo de grande admiração, quanto de afastar a clientela. E, nessa nova fase da empresa, os projetistas entenderam que o Brasil não é país para qualquer um. A partir disso e da tendência crescente dos SUVs, o desafio está lançado para o modelo.

LEIA MAIS: Citroën confirma que prepara substituto do SUV compacto C4 Cactus

O Citroën C4 Cactus  avaliado é da versão de topo Shine Pack 1.6 THP, na cor Preto Perla Nera, com teto, retrovisores e outros detalhes em branco. Com luzes diurnas de LED, Isofix, seis airbags, direção elétrica, ar-condicionado automático, sensor de chuva, central multimídia sensível ao toque com conectividade para celulares, controles eletrônicos de estabilidade e tração, seletor de terreno “Neve”, “Areia”, “Lama” e “Normal”, sistema de partida em rampa e monitoramento de pressão dos pneus, bancos de couro, alerta de colisão, sistema de frenagem automática, detector de fadiga, controle de cruzeiro adaptativo e leitor de faixa, vem equipado o bastante para a média do mercado.


O conjunto mecânico é praticamente o mesmo do irmão Peugeot 2008. A versão mais em conta deixa as concessionárias com motor 1.6 aspirado, de 16 válvulas, com 122 cv e 16,4 kgfm. O câmbio pode ser manual, ou automático de seis marchas da japonesa Aisin. A partir da versão Shine (que engloba o modelo do nosso teste), o motor é o conhecido 1.6 THP Flex, que também equipa o sedã C4 Lounge e, em outras variações, modelos da Mini e da BMW. Ele entrega 173 cv e 24,5 kgfm a 1.400 rpm, capazes de levar o SUV compacto de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos e chegar aos 215 km/h. Vale lembrar que, em um futuro próximo, o C4 Cactus deverá sair de linha na Europa para aguardar um novo modelo híbrido.

Caiu na real, mas não perdeu a essência

A PSA viu que, no Brasil, não basta uma marca ser inovadora, pois ela tem que atender às demandas do mercado que se configura como emergente. Isso significa que, no mesmo patamar, estão as más condições das vias, eventuais serviços de manutenção ruins e por aí vai. Diante disso, o foco dos projetistas foi de conferir um caráter mais sóbrio ao carro, ao mesmo tempo que moderno (um tanto futurista até) e com personalidade.

LEIA MAIS: VW T-Cross 1.0 enfrenta Citroën C4 Cactus 1.6 THP. Qual vence?


O carro conta com faróis afilados, posicionados acima de um conjunto óptico maior, situado no pára-choque. O rack de teto e as molduras nas laterais dão ares de aventureiro, enquanto que, na traseira, destaca-se o par de lanternas maiores. As escolhas por esses equipamentos têm sido relativamente comuns entre as fabricantes, que não querem abandonar a pretensão urbana dos SUVs da atualidade.


E essa pretensão urbana, que hibridiza com o lado mais aventureiro, é perceptível assim que se entra no carro. O ponto H (altura dos assentos) é mais alto que dos hatches, mas oferece boa acomodação, ergonomia e também aquela visão mais de cima. O acabamento é moderno e não abandona a personalidade da marca nos detalhes, como a faixa de tecido no painel, do lado do passageiro. Por outro lado, falta um pouco de espaço para três passageiros no banco de trás.












Migrando para os itens de conectividade, a central multimídia tem tela com boa resolução, mas poderia ser mais prática de seu usada no dia a dia.  Por exemplo, se você está usando o Waze e quer regular o ar-condicionado, a tela sai totalmente da aba anterior. E para retornar, você precisa clicar novamente em todos as funções necessárias até estar de volta ao aplicativo. Seria muito mais fácil se houvesse a possibilidade de acessar cada recurso separadamente, ou pelo menos sem que fosse necessário tantos toques e comandos.


O cluster digital, apesar de bem apresentado, poderia ser mais preciso ao revelar as rotações do motor, que aumentam ou decrescem de 500 em 500 rpm. De todo o modo, fornece informações como consumo médio, consumo instantâneo, autonomia restante, entre outros, o que é informativo ao condutor.


LEIA MAIS: Ford EcoSport ou Nissan Kicks: qual desvaloriza mais?


Ao volante, o SUV mostra a sua vocação. Além do bom isolamento acústico, o C4 Cactus THP contorna curvas rápido e equilibrado como um hatch, com um pouco menos de agilidade e respostas ao volante que um C3 (para usar um exemplo sem sair da marca), sem deixar de lado atributos de um SUV compacto no que diz respeito a altura do solo e ao conforto. Um pouco por esses dois últimos aspectos, o volante tende a ficar leve quando o controle de tração é desligado e o turbo se enche, com o pedal no assoalho. Logo, não subestime o acelerador enquanto estiver na zona de turbolag , pois logo em seguida ele acorda. 


Um ponto que poderia ser melhor é o seu modo Sport. Com funcionamento conservador, as rotações do motor até que se mantêm isoladas do lag, mas não é o bastante para compensar a resposta lenta do câmbio. Precisaria ter um sistema mais rápido, ou algo como uma mudança no mapa de câmbio ao ativar o modo “S”.


O Eco, por sua vez, é muito bom para a proposta. Vai aumentando marcha sem parar, sem “matar” a fluidez e o fôlego do motor, ao mesmo tempo que garante uma melhor economia de combustível. Nos modos off-road , utiliza bem os controles de tração e estabilidade para evitar patinar tanto, mas não espere que seja possível uma condução tão esportiva nessas situações.


Conclusão


A fama da PSA se pautou fortemente tanto nos problemas decorrentes de tecnologias inovadoras que vieram entre os anos 90 e 2000, quanto na falta de cuidado com a durabilidade e o uso dos conjuntos mecânicos e eletrônicos à realidade brasileira. Por outro lado, o C4 Cactus não é como os seus antepassados.


Mesmo que nada na vida seja absolutamente perfeito, seu projeto é bem maduro, muitos de seus componentes foram aprovados por diversos engenheiros, de várias montadoras, o que se reflete na qualidade do carro. É bastante improvável que virá a dar algum problema fora do comum — como se observou em alguns componentes do passado — com o passar dos anos e bons kms de uso. A PSA tem o que precisa para estar de volta no mercado, e o Citroën C4 Cactus deve se colocar na linha de frente. Basta uma quebra de paradigmas do mercado.


Ficha técnica:


Citroën C4 Cactus Shine Pack 1.6 THP
Preço: a partir de R$ 101.090
Motor: 1.6, quatro cilindros, flex
Potência: 173 cv (E) / 166 cv (G) a 6.000 rpm
Torque: 24,5 kgfm a 1.400 rpm
Transmissão: Automático, seis marchas, tração dianteira
Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)
Freios: Discos ventilados (dianteiros) / tambores (traseiros)
Pneus: 205/55 R17
Dimensões: 4,17 m (comprimento) / 1,71 m (largura) / 1,56 m (altura), 2,60 m (entre-eixos)
Tanque: 55 litros
Porta-malas: 320 litros
Consumo gasolina: 12,5 km/l (cidade) / 13,5 km/l (estrada)
0 a 100 km/h: 7,3 segundos
Velocidade máxima: 215 km/h

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana