conecte-se conosco


Esportes

Coluna – Bolinha (quase) dourada

Publicado

source

Uma das modalidades que mais avançou no Brasil durante o ciclo dos Jogos de Tóquio é o tênis de mesa. No segmento olímpico, importante fazer o destaque, são cinco atletas entre os cem melhores do mundo no masculino (sendo um deles, Hugo Calderano, no top 10) e uma jogadora (Bruna Takahashi) no top 50 do ranking feminino. Em janeiro de 2016, eram só dois brasileiros (Calderano e Gustavo Tsuboi) no grupo dos 100 principais mesatenistas do planeta.

Vamos nos ater ao paralímpico, onde a evolução também foi significativa. Antes, dois rápidos destaques. No tênis de mesa adaptado, são 10 classes físico-motoras, sendo de 1 a 5 voltadas para cadeirantes e de 6 a 10 para andantes (que podem ter deficiência na locomoção, mas sem necessitar da cadeira de rodas para jogar). E vale a lembrança, no paradesporto, quanto maior o número da classe, menor o grau de comprometimento.

12/09/2016 - Brasil, RJ, Rio de Janeiro, Riocentro - Jogos Paralimpicos Rio 2016 - Tênis de Mesa - Classe 7 – Final – Israel Pereira Stroh – Medalha de Prata. ©Alexandre Urch/MPIX/CPB

Israel Stroh em ação nos Jogos Paralimpicos Rio 2016 – Alexandre Urch/MPIX/CPB

Comecemos pela perspectiva com a qual o ciclo de Tóquio iniciou. Antes da edição dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, o Brasil tinha uma medalha na modalidade no evento: a prata de Luiz Algacir da Silva e Welder Knaf na disputa por equipes da classe 3 masculina em Pequim 2008. Apenas em 2016 vieram quatro pódios, a prata na classe 7 masculina, com Israel Stroh, e três bronzes, com Bruna Alexandre (classe 10 feminina), com a equipe masculina da classe 1-2 (formada por Iranildo Espíndola, Guilherme Costa e Aloísio Lima) e com a feminina das classes 9 e 10 (composta por Bruna Alexandre, Jennyfer Parinos e Danielle Rauen).

Veja Também:  Copa Santiago: Juventude surpreende Santos

De lá para cá os brasileiros conquistaram outros resultados significativos. No ano seguinte aos Jogos o trio Bruna, Jennyfer e Danielle fez história mais uma vez ao ser campeão do Mundial por equipes, na Eslováquia. Em 2018, na Eslovênia, Cátia Oliveira levou a prata no Mundial individual na classe 2 (a primeira medalha da história do país no torneio). Feito dedicado ao pai, que faleceu no dia da final. Ao longo do ciclo, a paulista venceu três vezes a chinesa Liu Jing, dona de seis ouros paralímpicos (três individuais e três por equipes), e recentemente deu o troco na sul-coreana Su-Yeon Seo, seu algoz no Mundial.

  Comitê Paralímpico Brasileiro  TreinoTenisMesa__31    Paulo Salmin

Treino do campeão parapan-americano Paulo Salmin – Ale Cabral /CPB

A consequência é que hoje há oito brasileiros no top 10 de suas classes (dois a mais que em janeiro de 2016). Se Aloísio Lima caiu de 10º para 17º na classe 1 masculina, três mesatenistas passaram a figurar nesse grupo seleto em suas categorias. Casos de Jennyfer Parinos, 10ª da classe 9 feminina (era 11ª em 2016), do campeão parapan-americano Paulo Salmin, 10º da classe 7 masculina (era 15º) e de Israel Stroh, que pulou de 12º para 5º, também na classe 7, tendo superado o espanhol Jordi Morales, campeão mundial nessa categoria. Figuram ainda entre os 10 melhores Welder Knaf (7º na classe 3), Cátia Oliveira (4ª na classe 2), Joyce Oliveira (9ª na classe 4), Danielle Rauen (8ª na classe 9) e Bruna Alexandre (4ª na classe 10).

Veja Também:  Pré-Olímpico: seleção sub-23 estreia contra o Peru no domingo

Em relação à Bruna deve ser aberto um parêntese, ela também compete entre esportistas sem deficiência. Em 2019 chegou às quartas de final da chave individual dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, perdendo somente para a chinesa naturalizada norte-americana Lily Zhang, que viria a ser campeã. A catarinense está na briga para, quem sabe, ser a primeira brasileira a competir tanto na Olimpíada como na Paralimpíada, repetindo o que fez a polonesa Natalia Partyka, líder do ranking mundial da classe 10 feminina e que competiu nos dois eventos em 2008 e 2012.

Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2016. - JOGOS PARALÍMPICOS RIO 2016 -  Tênis de Mesa -  Brasil x Austrália, disputa de bronze por equipe no Pavilhão 3 do RioCentro. Medalha de Bronze para o Brasil. Bruna Alexandre -

Bruna Alexandre (centro) também compete entre atletas sem deficiência – Fernando Maia/Comitê Paralímpico Brasileiro/Direitos Reservados

Uma das novidades no caminho para Tóquio, na comparação com o ciclo do Rio, é que, agora, a seleção treina junta em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico. Antes, o time de cadeirantes se reunia em Brasília e o de andantes se concentrava em Piracicaba, no interior paulista. O acesso à estrutura do CT e o número mais reduzido de atletas com os quais a seleção trabalha diretamente são entendidos como uma parte da explicação para os resultados. A outra, claro, é o empenho dos próprios atletas, que chegam mais maduros (a maioria a caminho, pelo menos, da segunda Paralimpíada), acostumados a decisões e a encarar, e vencer, os principais rivais.

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
publicidade

Esportes

Com golaço, Palmeiras derrota Alianza Lima na Copa Santiago

Publicado

source

O Palmeiras derrotou o Alianza Lima (Peru) por 1 a 0 nesta sexta em jogo válido pela terceira rodada do grupo B da 32ª edição da Copa Santiago de Futebol Juvenil, competição realizada na cidade de Santiago, no interior do Rio Grande do Sul.

O gol da vitória do Palmeiras saiu aos 9 minutos do primeiro tempo. Juninho recebe passe em profundidade de Lucas Eduardo, se livra de dois marcadores e, com um belo de cobertura, vence o goleiro Sandi. Um golaço.

Com este resultado, a equipe paulista chegou aos 7 pontos, assumindo a vice-liderança da chave, atrás apenas do Juventude, líder com 9 pontos.

Transmissão neste sábado

No próximo sábado (18), a TV Brasil transmite o clássico Grêmio e Internacional, a partir das 21h (horário de Brasília).

 

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Veja Também:  Velejador Jorge Zarif é pego em antidoping a seis meses de Tóquio 2020
Continue lendo

Esportes

Copa Santiago: Santos supera Nacional do Uruguai

Publicado

source

O Santos derrotou o Nacional (Uruguai) por 2 a 1 na noite desta sexta (17) em partida válida pela terceira rodada do grupo B da 32ª edição da Copa Santiago de Futebol Juvenil, competição realizada na cidade de Santiago, no interior do Rio Grande do Sul.

A equipe paulista saiu na frente com gols de Matheus e de Yalle ainda no primeiro tempo.

Mas aos 37 minutos da etapa final Nicolas Nieves fez o gol de honra do Nacional, que pressionou a equipe paulista nos minutos finais. Porém, a pressão não foi suficiente e o Santos segurou a vitória.

Transmissão da TV Brasil

Ainda nesta sexta (17) a TV Brasil transmite mais um jogo da competição a partir das 21h (horário de Brasília), Palmeiras x Alianza Lima (Peru).

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Veja Também:  Copa São Paulo: Internacional, Athletico e Corinthians avançam
Continue lendo

Esportes

Coluna – Damiris não abre mão de nada

Publicado

source

Ultimamente, Damiris só não vai estar em uma determinada quadra de basquete se a física não permitir. No caso, porque ela já vai estar em outro lugar, jogando. Mais uma vez ela emendou a temporada norte-americana na sul-coreana, encaixando aparições pela seleção brasileira no meio do caminho. Férias, no momento, estão fora de questão. E o calendário não vai afrouxar tão cedo. Pela frente há Pré-Olímpico mundial, em fevereiro, e, se tudo der certo, a Olimpíada de Tóquio, entre julho e agosto. Ela aguarda pela recompensa em forma de medalha.

“Iniciei o ano buscando apresentar um bom trabalho. Tenho me dedicado muito e espero contribuir efetivamente para chegar ao pódio, seja aqui na Coreia, na WNBA (liga des basquete feminino dos EUA) e, principalmente, na seleção brasileira. Chegando ao Japão, podem esperar uma equipe unida, preparada e focada em buscar o resultado final, que é conquistar uma medalha”, diz a jogadora.

Neste exato período, a maior parte das atletas da seleção está treinando no Rio de Janeiro em preparação para o Pré-Olímpico, que acontece em Bourges, na França, a partir do dia 6. Damiris não está presente. Só vai encontrar o grupo na Europa. De maio a setembro, esteve dedicada ao Minnesota Lynx, na WNBA, e de outubro até abril o compromisso é com BNK Sum, da WKBL (liga de basquete da Coreia do Sul). No meio disso tudo, a seleção oferece outro tipo de desafio. Por mais que pareça um pouco demais, ela se sente totalmente pronta.

“Meu planejamento de curto a médio prazo é meu clube e a seleção, e ambos estão cientes do meu calendário anual. As temporadas entre o clube e a seleção são planejadas para que eu esteja bem tanto fisicamente quanto emocionalmente”, afirma.

Uma outra forma de enxergar a situação é notar que a atleta está ativa o tempo todo porque é importante em diversos níveis. Depois de duas temporadas de menor protagonismo no Atlanta Dream, Damiris retornou ao Minnesota Lynx (time pelo qual estreou na liga norte-americana em 2014) no último ano para ser titular em todas as partidas que disputou, sendo peça importante na caminhada até os playoffs. A ala-pivô, aliás, é a única brasileira na WNBA atualmente. Em paralelo à performance em quadra nos Estados Unidos, ela participou do draft da WKBL, em que 95 jogadoras estrangeiras “concorriam” a uma das seis vagas na liga. Damiris foi a escolha número 1, sinal evidente de prestígio.

Veja Também:  Copa São Paulo: Internacional, Athletico e Corinthians avançam

No Brasil, ela se faz ainda mais importante. Nas duas últimas competições em que esteve presente (Copa América e Pré-olímpico das Américas), Damiris foi a líder da seleção em minutos jogados, arremessos e pontos. Também se colocou entre os principais nomes entre todas as equipes, não apenas a seleção brasileira. Curiosamente, ela não participou do momento recente mais sublime da equipe, a conquista do ouro no Pan de Lima, justamente porque estava bem no meio da temporada americana e não obteve a liberação. Porém, compensou em outros momentos. Quando os torneios chegaram às fases decisivas, ela brilhou. Na disputa do bronze na Copa América, diante das donas da casa porto-riquenhas, Damiris saiu de quadra com 28 pontos, 9 rebotes e 8 assistências, um espetacular quase-triplo-duplo. Posteriormente, no jogo decisivo contra a Argentina, que também era dona da casa no Pré-Olímpico das Américas, foram mais 26 pontos e 13 rebotes.

Os números mostram que Damiris é (e não é de hoje) o principal nome da seleção. Mas ela não vai se autointitular assim. Perguntada sobre como encara a responsabilidade maior por ser a principal jogadora, ela responde: “Venho me preparando ao longo dos anos para assumir mais responsabilidades e, se acontecer, será de forma natural. Estarei pronta para corresponder”.

Se acontecer.

É difícil traçar exatamente de onde vêm os pés no chão da ala-pivô, mas uma boa aposta seria a inspiração maior de Damiris: a lenda Janeth Arcain. As duas se encontraram bem no comecinho da trajetória da camisa 12 da seleção, quando Damiris participou do projeto de Janeth em Santo André, no ABC paulista. Desde então, criaram laços quase familiares, a ponto de Damiris chamar a ex-craque de tia.

Veja Também:  Copa Santiago: Juventude surpreende Santos

“Quando vi a Damiris pela primeira vez, me vi quando jovem, uma menina calada, cheia de sonhos e com um potencial enorme. Sabia que, com apoio, ela podia chegar longe. Fizemos um planejamento e ela buscou seu espaço no basquete com muita dedicação e superação. Gradativamente, ao longo dos anos, sempre busquei passar minha experiência para ela, analisamos jogos juntas, conversamos sobre adversários, planejamos treinos. Fico muito feliz por ela me ter como referência. E ela sabe que pode contar comigo sempre”, declara Janeth.

Janeth enxerga Damiris como uma peça importantíssima na atual seleção, pela versatilidade de jogar no perímetro ou mais próxima à cesta. A ex-camisa 9 conhece como poucos o caminho para brilhar em competições internacionais pelo Brasil, tendo um título mundial e duas medalhas olímpicas no currículo. Simultaneamente, também deve compreender o peso que uma conquista pela seleção tem no impacto que uma jogadora de basquete, no Brasil, exerce no imaginário nacional. Damiris ainda busca esse momento que a eternizaria como uma das maiores na história do país. Mas não é uma busca desesperada, sem propósitos.

“Tenho me dedicado a contribuir coletivamente para chegarmos ao lugar mais alto do pódio, e se lá na frente receber esta honra individual, serei ainda mais realizada, pois estamos falando de reconhecimento”, diz.

Damiris não pula fora de nenhuma disputa. Mas, ao que parece, o que acontece dentro da quadra é o que vem primeiro. A percepção alheia está longe de ser a maior preocupação.

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana