conecte-se conosco


Nacional

‘Confio no Flávio’, diz Onyx Lorenzoni sobre quebra de sigilo do senador

Publicado


Onyx Lorenzoni
Alan Santos/PR – 30.4.19
‘Confio no Flávio’, diz Onyx Lorenzoni sobre quebra de sigilo do senador filho do presidente

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), disse nesta quinta-feira (16) que a  quebra dos sigilos bancário e fiscal
de pessoas ligadas ao antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro
(PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) não é um assunto que repercute no governo Bolsonaro.

“Particularmente eu confio no Flávio. E esse não é um assunto do governo. Não é um assunto de governo”, disse Onyx Lorenzoni
, que participou nesta tarde do 91°Encontro Nacional da Indústria de Construção, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Ele também atenuou os impactos das manifestações ocorridas nesta quarta-feira (15) em mais de 200 cidades do Brasil contra o corte promovido pelo governo federal nas verbas da Educação
. Segundo ele, os protestos foram orquestrados por opositores políticos do governo Bolsonaro
.

“Eu não achei grande (a manifestação). Achei importante, mas não achei grande. Grande foi dois milhões e meio (de pessoas) no dia 13 de março de 2016 na Avenida Paulista”, ponderou.

Veja Também:  Damares defende Eduardo na embaixada: “Uma das pessoas mais capacitadas do País”

O ministro creditou os problemas da educação a governos anteriores e prometeu “tirar a ideologia de dentro da educação brasileira”. “Numa democracia, as manifestações são normais. O PT e a CUT aparelharam as universidades brasileiras nos últimos 30 anos. As distorções que as universidades brasileiras têm hoje são fruto disso, então esperávamos que fosse assim”, disse.

“A gente recebe e recolhe (as demandas). Vamos continuar trabalhando para modificar a educação no Brasil. Temos um trabalho hercúleo que é tirar a ideologia de dentro da educação brasileira, ajudar a preparar melhor os professores e poder replicar no Brasil experiências extraordinárias de escolas públicas do Piauí, Ceará e de outros estados que têm padrão europeu. O foco tem que ser em educação básica. Nós temos no século 21 no Brasil em 2019 a mesma taxa de analfabetos que o Canadá tinha na década de 1950 e temos 30% de analfabetos”, continuou.

Durante o evento, Lorenzoni também prometeu manter e ampliar programas habitacionais implantados em governos passados. “O programa habitacional vai ser mantido. Temos duas grandes prioridades: as obras de infraestrutura e a manutenção e ampliação de programas de habitação popular”, afirmou.

“Nós temos uma média anual de 400 mil habitações entregues que nós vamos manter este ano. O ministro Canuto prepara junto com o ministério da economia uma reestruturação do Minha Casa, Minha Vida exatamente para permitir que no ano que vem a gente, em vez de 400 mil, quem sabe construa 500 mil casas no Brasil. É uma meta”, acrescentou.

Veja Também:  Militares e civis fecham acordo para dividir poder no Sudão

Segundo ele, a Casa Civil
prepara um pente fino em obras de rodovias e ferrovias espalhadas pelo país. A medida é anunciada desde a época da transição.

“Estamos trabalhando com a Caixa para solucionar isso, porque às vezes as prefeituras não têm contrapartida. Estamos fazendo um pente fino para retomada de mais de 500 obras no Brasil”, revelou.

Sobre a reforma da Previdência, Lorenzoni disse que a pasta vem trabalhando em campanhas de esclarecimento para a população. “Estamos ampliando as campanhas de esclarecimento, há muita desinformação”, disse.

Mais de uma vez, Lorenzoni aproveitou a sua fala para criticar os governos do PT
a uma plateia composta por cerca de 500 pessoas, a maioria representantes de empresas de construção e de associações e federações que reúnem a categoria.

Onyx Lorenzoni
se esquivou de perguntas e não quis comentar o descontentamento da base aliada do governo no Congresso com a articulação política feita pelo Planalto. Ele concedeu entrevista coletiva por cerca de cinco minutos e saiu sem responder mais perguntas dos jornalistas.

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Mega-Sena acumula de novo e sorteio de sábado vai pagar R$ 22 milhões

Publicado

mega-sena arrow-options
iG São Paulo
Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis


O concurso 2.170 da Mega-Sena não teve acertadores nos seis números sorteados nesta quarta-feira (17):  10, 21, 24, 36, 38 e 51.

O prêmio da Mega-Sena ficou acumulado para o sorteio do concurso 2.171, que ocorre no sábado (20). A estimativa é que o prêmio seja chega a R$ 22 milhões. 

A Quina (5 números acertados) teve 79 apostas ganhadoras , com R$ 29,97 mil para cada uma delas.

A Quadra, (4 acertos), registrou 3.749 apostas ganhadoras, cabendo a cada uma delas R$ 695,90.

Fonte: IG Nacional
Veja Também:  Damares defende Eduardo na embaixada: “Uma das pessoas mais capacitadas do País”
Continue lendo

Nacional

Proposta de impeachment de Trump é rejeitada pela Câmara nos EUA

Publicado

Trump arrow-options
Reprodução/The White House
Donald Trump se livrou de processo de impeachment


A Câmara de Representantes dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira (17) uma proposta para iniciar um processo de impeachment de Trump, em meio à indignação pelos comentários racistas do presidente emitidos no final de semana . A Casa legislativa, dominada pelos democratas com 235 cadeiras, rejeitou a proposta por 332 votos contra 95, o que revelou a divisão dentro do partido sobre o tema. Foi a primeira votação sobre a questão desde que os democratas assumiram o controle da Câmara em janeiro. 

Leia também: Após atacar democratas, Trump diz que ‘não tem um único osso racista’ no corpo

Noventa e cinco deputados democratas — pouco mais de 40% da bancada do partido — votaram contra a resolução de i mpeachment de Trump , um número maior do que o registrado em resoluções anteriores em 2017 (quando 58 democratas votaram contra) e 2018 (66 votos contrários).

A decisão do democrata texano Al Green de submeter sua resolução à votação criou um dilema tanto para defensores do impeachment quanto para democratas moderados, já que agora há um registro de seus votos. A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi , havia evitado que o partido submetesse tentativas de impeachment do presidente à votação desde que os democratas reconquistaram o controle da casa. Antes da votação, Green ignorou pedidos para que abandonasse a resolução, afirmando que um pedido de impeachment era a consequência natural da votação que condenou as publicações racistas do presidente no Twitter.

Veja Também:  Na contramão de Bolsonaro, ministro anuncia mil novos radares em rodovias

Leia também: Estados Unidos endurecem regras para entrada de imigrantes

“Eu não deveria me conter, devemos ir adiante o mais rápido possível e devemos fazer isso porque ontem (terça-feira) condenamos o presidente. Hoje (quarta-feira) temos a chance de puni-lo”, afirmou Green. “Como resultado do que fizemos ontem, o presidente não foi atingido, não terá que pagar multas e não perderá seu emprego. Mas dessa vez temos a oportunidade de puni-lo”.

A resolução de Green foi apresentada uma semana antes do depoimento do procurador especial Robert Mueller diante da Câmara, um evento que muitos defensores do impeachment acreditam que será capaz de mudar a opinião pública sobre o tema. O deputado, no entanto, decidiu seguir adiante por acreditar que o Congresso deveria “enviar uma poderosa mensagem a Trump , de que o país não tolerará preconceito, racismo, ódio, xenofobia e islamofobia”, e afirmou que seu pedido não tinha qualquer conexão com as investigações comandadas por Mueller.

Leia também: Congressistas democratas condenam tuítes de Trump e pedem impeachment

“Não se atrasa a Justiça. A audiência de Mueller não tem nada a ver com o impeachment de Trump fazendo agora. Mueller será questionado sobre obstrução, e essa votação é sobre o racismo que tomou conta da política”, afirmou o congressista.

Veja Também:  Damares defende Eduardo na embaixada: “Uma das pessoas mais capacitadas do País”

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Bolsonaro pede a Evo Morales para trocar mão esquerda pela direita em foto

Publicado

Cúpula do Mercosul arrow-options
Alan Santos/Agência O Globo
Bolsonaro se incomoda por Evo Morales levantar a mão esquerda


O presidente da Bolívia, Evo Morales, ganhou atenção especial de Jair Bolsonaro durante a 54ª Cúpula do Mercosul, nesta quarta-feira (17) em Santa Fé, na Argentina. Os afagos começaram ainda durante o discurso na reunião com chefes de Estado, quando o brasileiro disse que estava com “saudades” do boliviano e mencionou que não se viam desde a posse em Brasília, em janeiro. Depois, em entrevista coletiva a jornalistas, Bolsonaro mencionou que “até o Evo Morales” se mostrou disposto a buscar uma solução para a Venezuela.

Leia também: Bolsonaro pede eleição de presidentes comprometidos com ‘democracia e liberdade’

O momento mais curioso, entretanto, ocorreu quando os líderes posaram para a foto oficial da Cúpula do Mercosul. Todos levantaram a mão direita, mas Evo Morales , por sua vez, acenou com a esquerda. Bolsonaro pediu para que ele trocasse a mão. O boliviano manteve a posição. A cena provocou risos discretos dos presidentes Mauricio Macri (Argentina), Mario Abdo Benítez (Paraguai), Tabaré Vázquez (Uruguai) e Sebatián Piñera (Chile).

Veja Também:  ‘Vou pro posto 6’, diz Mourão sobre possibilidade de não ser vice em 2022

“É muito importante buscar solução para a Venezuela e evitar, com o esforço de todos, que apareça uma nova Venezuela aqui na América do Sul. Até o Evo Morales também fez uma nota há pouco se posicionando de maneira até contundente, no meu entender”, disse Bolsonaro.

Leia também: Bolsonaro diz que assume Mercosul para eliminar “viés ideológico” do bloco

O posicionamento ao qual o brasileiro se referiu não foi divulgado à imprensa. No discurso na cúpula, Morales não mencionou a Venezuela. Ele também não é signatário do documento divulgado pelo Mercosul , demonstrando a preocupação com o regime de Nicolás Maduro .

Ao ser questionado se a postura de Morales citada por ele o surpreendeu, Bolsonaro disse que o presidente boliviano havia emitido sinais positivos, na visão dele, quando decidiu extraditar o ex-militante de esquerda italiano Cesare Battisti, em janeiro.

Leia também: Em clima de renovação, Cúpula do Mercosul começa na Argentina

“Não me surpreendeu porque ele já deu indicativo quando liberou o Battisti para a Itália. Por que Battisti foi pra Bolívia? Achava que era o país mais afinado com a ideologia petista num momento em que ele poderia até, sendo pego lá, ficar como ficou no Brasil por muito tempo”, justicou, completando que o ato foi de “muita firmeza” de Evo Morales .

Veja Também:  Exército proíbe militares de informar patentes em redes sociais pessoais

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana