conecte-se conosco


Entretenimento

Crítica internacional se empolga e vê referências cinematográficas em “Bacurau”

Publicado

Exibido em sessão de gala na última quarta-feira (15) em Cannes, mais prestigiado e famoso festival de cinema no mundo, “Bacurau”teve recepção tremendamente positiva por parte da crítica internacional.


Bacurau
Divulgação

Cena do filme Bacurau, que estreou nesta semana no Festival de Cannes

Os veículos dos EUA, costumeiramente reticentes ao exercício de gênero por cineastas estrangeiros (vide a relação conflituosa com o indiano M. Night Shyamalan) recebeu “Bacurau” com reservas, mas de maneira geral a produção caiu no gosto da crítica.

Leia também: Com fantasia e terror gore, “Bacurau” causa sensação em Cannes

O longa, descrito como um western ambientado no Nordeste com elementos de fantasia e terror gore, é o segundo de Kleber Mendonça Filho na competição oficial em Cannes. O primeiro foi “Aquarius” em 2016. Ex-crítico, o amor de Mendonça Filho pelo cinema já era notório mesmo antes dele estrear no ofício de cineasta, mas este filme talvez seja o que melhor mimetize essa condição.

Quem expressa isso é a crítica internacional que salpicou referências cinematográficas que vão de Akira Kurosawa a Eli Roth. Abaixo, a coluna selecionou algumas das muitas referências, entre filmes e cineastas, atribuídas a “Bacurau” pela crítica presente em Cannes .

  • David Lynch
  • “Por um Punhado de Dólares” (1964)
  • “Os Sete Samurais” (1954) 
  • “O Albergue” (2006)
  • “Tieta do Agreste” (1996)
  • “Assalto ao 13º DP” (1974)
  • Clint Eastwood
  • Dario Argento
Veja Também:  Gianecchini mostra bastidores de cena polêmica de “A Dona do Pedaço”

Leia também: “John Wick 3” amplia universo da franquia e apresenta cenas de ação alucinantes

Assista abaixo ao teaser do filme que ainda não tem previsão de estreia no Brasil

Fonte: IG Gente
publicidade

Entretenimento

Mentor da Vaza Jato, Glenn Greenwald recebe prêmio de jornalismo no Brasil

Publicado

source

Foi anunciada na última quarta-feira (21) que Glenn Greenwald, jornalista do The Intercept Brasil , reberá o Prêmio Especial Vladimir Herzog neste ano. A honraria chega após o jornalista divulgar diálogos entre os procuradores da Lava Jato com Sergio Moro, atual ministro da Justiça que à época era o Juiz responsável pela maior investigação contra corrupção do País.

Leia também: “Se tivesse poder, botaria o Glenn Greenwald na cadeia”, diz Jorge Kajuru

Glenn Greenwald arrow-options
Divulgação

Glenn Greenwald


Leia também: Como previsto, palestra de Glenn Greenwald na Flip é afetada por protesto

Apelidada de Vaza Jato por internautas, os diálogos de Glenn Greenwald resultaram em uma alta repercussão na imprensa e na abertura de um inquérito para contestar a veracidade das mensagens de Sergio Moro que, se dadas como verdadeiras, mostrariam que o Juiz responsável pela Lava Jato estava agindo de maneira irregular. Conduta essa antiética.

Leia também: “Não é jornalista, é militante”, diz Bolsonaro sobre Glenn Greenwald

Além de Glenn Grennwald também será homenageada no Prêmio Vladimir Herzog de jornalismo, que acontece no dia 24 de outubro, Patrícia Campos Mello, da Folha .

Fonte: IG Gente
Veja Também:  Nova temporada do “De Férias com o Ex” trará ex-BBB e influenciador digital
Continue lendo

Entretenimento

Organizadores de mostra veem censura em exclusão de filmes anti-Bolsonaro

Publicado

source

Após serem comunicados de que três filmes da Mostra do Filme Marginal seriam retirados da programação no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF), no Rio de Janeiro, os organizadores do evento resolveram cancelar o evento na instituição. Ele será mantido no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica.

Leia também: Bolsonaro critica “Bruna Surfistinha” e quer Ancine em Brasília

Cena do curta-metragem arrow-options
Reprodução/FestTaguá

Cena do curta-metragem “Mente Aberta”

Leia também: Após ataque de Bolsonaro, equipe de filme condena censura a produções LGBT

Conforme antecipado pela coluna de Ancelmo Gois, os três filmes censurados são “Mente aberta”, “Rebento” e “Nosso sagrado”. Nos dois primeiros, há referências ao presidente Jair Bolsonaro.

“Mente aberta”, de Getúlio Ribeiro, cineasta de Nova Iguaçu, trata de “um sujeito que se autodenomina um ‘cidadão de bem’, tem uma relação opressora com a família e tenta nos convencer de que é a vitima”.

Nele, Getúlio usa três declarações do Jair Bolsonaro  , não editadas, e de diferente momentos da carreira dele. “Não existe homofobia no Brasil”, “Nenhum pai gostaria de chegar em casa e ver seu filho brincando de boneca” e “eu sou a favor da tortura, você sabe disso. E o povo brasileiro também”.

Veja Também:  Barack e Michelle Obama estrelam série da Netflix

O filme foi aprovado na mostra, mas na terça-feira (20) o diretor foi convocado para uma reunião no CCJF, em que a exclusão foi comunicada.

Leia também: Cineasta critica Bolsonaro e diz que sem Ancine não haverá filmes nacionais

“Após o envio da programação, a instituição nos comunicou sobre a impossibilidade de exibição de três filmes selecionados. Não concordamos com o entendimento da instituição e nos posicionamos contrário a postura da mesma”, explicaram os organizadores da mostra em comunicado, acrescentando que viram a decisão como censura.

“O filme já passou em outros festivais e isso nunca aconteceu comigo. Vi coisa muito mais radical que não foi censurada. É um filme de oito minutos, que passaria, a galera ia ver e ficaria por isso”. Os diretores dos outros curtas preferiram não se manifestar.

Procurado, o Centro Cultural da Justiça Federal respondeu com um comunicado em que diz que “a restrição das temáticas propostas ao CCJF dá-se estritamente pelo dever constitucional de imparcialidade a que está submetido o Poder Judiciário Federal”.

Veja Também:  Mais segredos à vista! Netflix divulga trailer da nova temporada de “Elite”

O comunicado diz ainda: “O Centro Cultural Justiça Federal (CCJF) tem, dentre seus critérios estabelecidos para sediar eventos culturais e artísticos, o de não promover produções de cunho corporativo, religioso ou político-partidário, independentemente de que pessoa, instituição ou conceito ideológico esteja sendo defendido ou criticado.”

Fonte: IG Gente
Continue lendo

Entretenimento

José Paulo Martins assume Secretaria Especial de Cultura

Publicado

source

Experiente, técnico e mediador em momentos de crise. É assim que profissionais da área da culltura descrevem o atual secretário de fomento e incentivo à Cultura, José Paulo Martins, que assumirá a secretaria especial de Cultura após a demissão de Henrique Pires, conforme adiantou Ancelmo Gois. Ele assume o cargo em meio à crise na pasta deflagrada pelo Governo Bolsonaro que suspender um edital para TVs públicas por conter obras LGBTs.

Leia também: Desconfortável com interferências de Bolsonaro na Cultura, secretário se demite

José Paulo Martins arrow-options
Reprodução/Facebook

José Paulo Martins


De perfil discreto, José Paulo Martins já atuou em áreas de gestão do setor cultural e tem trânsito e diálogo com entidades e profissionais da indústria da cultura. Segundo pessoas próximas ao secretário ouvidas pelo GLOBO , Martins já serviu de anteparo em outras crises na relação do setor com o Governo.

Currículo variado

Após décadas na iniciativa privada, José Paulo Soares Martins migrou para a administração pública em 2016, quando foi convidado pelo então ministro da Cultura, Marcelo Calero, para a Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic). A pasta é responsável pela aplicação da Lei Rouanet  (agora chamada pelo Governo de Lei de Incentivo à Cultura) e pela gestão do Fundo Nacional de Cultura.

Veja Também:  Climão? Kate Middleton voa em classe econômica após Meghan usar jato privado

Leia também: Com fim do Ministério da Cultura, criação de secretaria divide classe artística

Martins já foi diretor de organizações empresariais e culturais como o Instituto Gerdau, a Fundação Iberê Camargo, e a Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Discreto nas redes sociais, ele não publica posições políticas e ideológicas — ao contrário de outros titulares dos ministérios do Governo Bolsonaro , entre eles seu chefe direto, o ministro da Cidadania Osmar Terra.

Defesa da Lei Rouanet

Ele também faz parte da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), colegiado formado por integrantes governo e da sociedade civil que acompanha, em reuniões mensais, as decisões sobre a aprovação de projetos culturais que pleiteiam incentivo fiscal por meio da Lei Rouanet.

Em entrevista ao R7,  publicada em 2018, o secretário defendeu a Lei Rouanet das críticas recorrentes feitas por parcela da sociedade e defendeu o mecanismo: “É um dos instrumentos mais transparentes”. Procurado pelo GLOBO para uma entrevista, Martins pediu que a reportagem encaminhasse o pedido à assessoria de imprensa do Ministério da Cidadania, que informou que a solicitação está “sob análise”.

Veja Também:  Nova temporada do “De Férias com o Ex” trará ex-BBB e influenciador digital

Fonte: IG Gente
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana