conecte-se conosco


Nacional

É possível recuperar boa parte da vegetação nativa do Brasil, diz estudo

Publicado

source

Planeta

Mata arrow-options
Divulgação

Análise foi feita a partir de dados do MapBios

O Brasil perdeu 71 milhões de hectares de vegetação nativa nos últimos 30 anos (área maior que a ocupada pela Amazônia) em decorrência de fatores como desmatamento e queimadas, apontam dados do MapBiomas . Como esse desmatamento ocorreu sem planejamento ambiental e agrícola, boa parte de tais áreas ficou abandonada, mal utilizada ou entrou em processo de erosão, ficando imprópria para produção de alimentos ou qualquer outra atividade econômica.

Leia também: Governo foi avisado que grupo planejava incêndio na Amazônia antes do ocorrido

A restauração florestal pode diminuir parte desse prejuízo ao possibilitar a recuperação estratégica de 12 milhões de hectares de vegetação nativa em todo o Brasil até 2030, conforme estabelecido no Plano Nacional de Restauração Ecológica. Dessa forma, seria possível sequestrar 1,39 megatonelada (Mt) de dióxido de carbono (CO 2 ) da atmosfera, interligar fragmentos naturais na paisagem e ainda aumentar em 200% a conservação da biodiversidade.

As estimativas constam no sumário para tomadores de decisão do relatório temático “Restauração de Paisagens e Ecossistemas”, lançado na sexta-feira (23/08) no Museu do Meio Ambiente do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

    O documento é resultado de uma parceria entre a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, apoiada pelo programa Biota-Fapesp , e o Instituto Internacional de Sustentabilidade (ISS), e foi elaborado por um grupo de 45 pesquisadores, de 25 instituições do país.

    Grandes oportunidades

    “O sumário mostra que as questões ambientais [conservação e restauração ecológica] e a produção agrícola são interdependentes e podem caminhar juntas, sem prejuízo para nenhum dos lados. Pelo contrário, ela só traz benefícios diretos, como a disponibilização de polinizadores para as culturas agrícolas , a conservação da água e do solo e, principalmente, a possibilidade de certificação ambiental da produção, permitindo agregar valor”, disse à Agência Fapesp Ricardo Ribeiro Rodrigues, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP) e um dos autores do documento.

    O sumário destaca que o Brasil tem grandes oportunidades para impulsionar a restauração e a recuperação da vegetação e, com isso, aumentar a geração de benefícios socioeconômicos e ambientais, minimizar a competição de florestas com áreas agrícolas e contribuir para combater as mudanças climáticas.

    No entanto, para que as oportunidades se tornem realidade, o país não pode retroceder em suas políticas ambientais de redução do desmatamento, conservação da biodiversidade e impulsionamento da recuperação e da restauração da vegetação nativa em larga escala, ponderam os autores.

    Perdas irreparáveis

    O fim da obrigatoriedade da Reserva Legal, as reduções das alternativas de conversão de multas e a extinção dos fóruns de colaboração e coordenação entre atores governamentais e da sociedade seriam perdas irreparáveis para uma política de adequação ambiental, afirmam.

    Os autores também ponderam que o Brasil tem assumido o papel de líder em negociações ambientais internacionais e qualquer ruptura desse caminho, além de afastar oportunidades, vai afugentar mercados internacionais consumidores de produtos agrícolas. Isso porque, cada vez mais, esses agentes se pautam pela produção e pelo consumo sustentáveis, incluindo políticas de não consumo de produtos provenientes de áreas desmatadas.

    “O Brasil não deveria ter nenhuma dificuldade de colocar seus produtos agrícolas no mercado internacional, pois o diferencial poderia ser uma agricultura sustentável praticada em ambientes de elevada diversidade natural. Isso é um ativo que nenhum outro país tem”, avaliou Rodrigues.

    Veja Também:  São Paulo terá feriado chuvoso e frio nesta sexta

    Metas ambientais

    De acordo com o documento, a intensificação sustentável da pecuária brasileira é um processo-chave para aumentar a produtividade do setor e liberar as áreas agrícolas de menor produtividade para o cumprimento de leis e metas ambientais.

    O aumento da produtividade média da pecuária brasileira de 4,4 para 9 arrobas por hectare por ano permitiria não só a atingir a meta brasileira de recuperar 12 milhões de hectares de vegetação nativa até 2030, como também zerar o desmatamento ilegal e liberar 30 milhões de hectares para a agricultura .

    “Três quartos da área agrícola brasileira são ocupados hoje pela pecuária, com baixíssima produtividade média. Se tivéssemos uma boa política agrícola, voltada à tecnificação da pecuária, seria possível aumentar a produtividade da atividade e, assim, liberar pelo menos 32 milhões de hectares de pastagem para outras culturas, mantendo a mesma quantidade de cabeças de gado atual”, disse Rodrigues.

    O aumento da produtividade das pastagens nos próximos 30 anos seria suficiente, considerando o Brasil como um todo, para garantir o cumprimento de leis e metas ambientais, como pode ser confirmado nos resultados regionais, afirmam os pesquisadores.

    Baixa produtividade

    Na Amazônia , por exemplo, para atender a todas as metas de produção agrícola e florestal, de desmatamento ilegal zero e de recuperação da vegetação nativa – visando legalizar ambientalmente as propriedades rurais e ainda potencializar os serviços ecossistêmicos –, seria preciso ampliar a produtividade das pastagens do nível atual de 46% para 63-75% do seu potencial sustentável, em 15 anos.

    Na Mata Atlântica , esse mesmo processo necessita de um aumento dos atuais 24% para 30-34% do seu potencial. Tal incremento é possível apenas aplicando o conhecimento básico de manejo de pastagens. No Cerrado, bastaria sair dos 35% vigentes para 65% do seu potencial sustentável até 2050 para harmonizar expansão agrícola sustentável, restauração em áreas prioritárias e desmatamento ilegal zero.

    “Não há nenhuma justificativa para o desmatamento que está acontecendo na Amazônia e no Cerrado agora, porque estamos gerando ainda mais pecuária de baixa produtividade”, afirmou Rodrigues.

    Segundo o documento, o aumento da produtividade nas áreas já agrícolas e a adoção de modelos econômicos alternativos nas áreas com menor potencial agrícola – como aquelas com restrições à produção mecanizada, as ocupadas por vegetação nativa, florestas nativas com aproveitamento econômico sustentável e sistemas agroflorestais biodiversos – também são essenciais para alavancar os benefícios financeiros diretos e indiretos em curto prazo.

    Viabilidade financeira

    Somando a exploração econômica das áreas marginais restauradas com fins comerciais, como sistemas agroflorestais biodiversos, e o ganho proporcionado pelo uso dessas áreas para compensação de Reserva Legal de propriedades rurais com débito ambiental, torna-se financeiramente viável a reconversão de áreas agrícolas marginais para vegetação nativa.

    Em Paragominas (PA), em apenas quatro anos, propriedades de pecuária irregulares ambientalmente e de baixa produtividade regularizaram suas exigências ambientais legais e aumentaram a produtividade da agropecuária em quatro vezes e ainda passaram a explorar a Reserva Legal de forma sustentável, plantando madeira e frutíferas nativas, diversificando a produção, exemplifica o sumário.

    “Há vários outros exemplos de projetos de pecuária sustentável no país , em que são tecnificadas as melhores áreas para a pastagem e as áreas marginais, que são as Áreas de Preservação Permanente [APPs] para proteção da água, do solo e da biodiversidade. As áreas agrícolas de menor aptidão agrícola, que cabem no conceito de reserva legal, são ocupadas com florestas econômicas biodiversas, para a recuperação ambiental e produtiva da propriedade”, disse Rodrigues.

    Veja Também:  Na contramão e em alta velocidade, homem atropela motociclista e foge; assista

    Restauração planejada

    De acordo com Carlos Joly, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), membro da coordenação da BPBES e do Biota-Fapesp, o Brasil tem a oportunidade de desenvolver um programa de recuperação da vegetação nativa ímpar no mundo para áreas florestadas da Mata Atlântica e Amazônia. Isso porque o país pode contar com uma grande diversidade de espécies em projetos de restauração.

    “Há projetos grandes e bem-sucedidos de restauração em andamento em países como a China, mas a diversidade de espécies usadas é baixa, pois a variedade que possuem é muito menor do que a encontrada na Mata Atlântica e na Amazônia, por exemplo”, comparou.

    A alta diversidade de espécies encontrada nesses biomas brasileiros permite que a restauração seja muito mais funcional, explicou Joly. “Além das vantagens comuns, como a melhoria da estabilidade do solo e o aumento na retenção de água – e, consequentemente, maior recarga de aquíferos –, um programa de restauração com alta diversidade de espécies permite incluir plantas que podem ser fontes de alimentos ou que são importantes para manutenção de polinizadores, como abelhas”, disse.

    Um dos gargalos para implantar grandes projetos de restauração em biomas como a Amazônia é a disponibilidade de mudas, apontam os pesquisadores. Mas esse problema seria dirimido à medida que aumentasse a demanda, ponderam.

    Vontade política

    “Se realmente existir vontade política de implementar programas de restauração em larga escala, o mercado de produção de mudas imediatamente se aqueceria, porque há conhecimento suficiente”, afirmou Joly.

    “Hoje é difícil encontrar uma alta diversidade de mudas de espécies nativas para restauração porque a demanda é muito baixa. Mas ao estabelecer um programa de restauração, é possível reativar toda uma cadeia, que vai desde a coleta de sementes, passando pelo plantio até o acompanhamento das mudas no campo”, afirmou.

    A restauração, se bem planejada e implementada na paisagem, pode aumentar em mais de 200% a conservação da biodiversidade, indica o sumário.

    Na Mata Atlântica, por exemplo, a recuperação do débito de Reserva Legal (de 5 milhões de hectares) pode evitar até 26% de extinção de espécies (2.864 espécies de plantas e animais) e sequestrar 1 bilhão de toneladas de CO 2 equivalente. A relação custo-efetividade desse cenário é oito vezes maior se comparada a um contexto sem priorização espacial, o que aumenta em 257% a extinção evitada de espécies e em 105% o sequestro de carbono, além de reduzir os custos em 57%.

    Redução de custo

    A condução da regeneração natural em áreas com condições ambientais e socioeconômicas favoráveis no bioma pode reduzir em até 77% o custo de implementação da restauração nos próximos 20 anos.

    Leia também: PF vai investigar grupo que teria planejado incêndios na Amazônia

    “Hoje, por meio de ferramentas de modelagem, é possível avaliar o custo-benefício da restauração com diferentes funções, como para ter a maior diversidade possível de espécies de árvores ou maior eficiência em termos de custo da área e da mão de obra empregada”, disse Joly.

    “Ao cruzar esses objetivos, os sistemas de modelagem permitem mapear e selecionar áreas com maiores chances de atingir os objetivos de baixo custo, com a maior diversidade de espécies e efetividade de restauração. Com isso é possível aumentar a escala de restauração”, explicou.

    Fonte: IG Nacional
    publicidade

    Nacional

    Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

    Publicado

    source

    Agência Brasil

    As apreensões de cocaína pela Receita Federal bateram recorde neste ano e somaram 47,1 toneladas de janeiro a outubro. O resultado supera em quase 50% as 31,5 toneladas apreendidas em todo o ano de 2018.

    Leia também: Polícia afirma que cocaína em voo da FAB foi encontrada por acaso

    Polícia Federal arrow-options
    Divulgação

    Polícia Federal

    O porto que mais registrou apreensões neste ano foi o de Santos (SP), com 18,9 toneladas. Em seguida vêm os portos de Paranaguá (PR), com 13,5 toneladas; de Natal , com 4,4 toneladas, e de Itajaí (SC), com 3,7 toneladas. Segundo a Receita, a maior parte da droga foi identificada em cargas que seriam exportadas para a Europa e a África.

    Leia também: Polícia apreende 2,5 toneladas de drogas em Araçariguama (SP)

     De acordo com a Subsecretaria de Administração Aduaneira da Receita Federal, o aumento no volume recolhido decorre do aperfeiçoamento das técnicas de controle aduaneiro, com o uso intensivo de gestão de riscos, em que os agentes priorizam a fiscalização em cargas com mais risco de apreensões. A alta também se deve às ações de inteligência, quando o Fisco consegue identificar o transporte da droga com antecedência, e à integração com outros órgãos, como a Polícia Federal.

    Veja Também:  Witzel diz que violência no Rio está no patamar de ‘Nova York, Paris e Madrid’

    A Receita também aponta, como fatores que elevaram as apreensões de drogas, os investimentos em tecnologia, a capacitação dos servidores, a utilização de scanners e de cães farejadores e o próprio aumento das operações de fiscalização nas alfândegas.

    Leia também: PF faz operação contra tráfico internacional de drogas no Aeroporto de Guarulhos

    Nos últimos quatro anos, a apreensão de cocaína registrou uma elevação considerável. O volume subiu de 2,5 toneladas em 2015, para 15,2 toneladas em 2016, 18,1 toneladas em 2017 e 31,5 toneladas no ano passado.

    Fonte: IG Nacional
    Continue lendo

    Nacional

    Mãe é presa suspeita de matar filho de 6 anos enforcado no quintal de casa

    Publicado

    source

    Esta semana, um caso que aconteceu em Santa Helena de Goiás ganhou repercussão. Isso porque, uma mulher foi presa acusada de matar o filho de seis anos enforcado no quintal de casa. De acordo com a primeira edição do “Jornal Anhanguera”, transmitido pela afiliada da Globo em Goiás, após matar o filho, a própria mãe ligou para a polícia contando o que tinha acontecido.

    Leia também: Mãe tira foto de filhos sem perceber cobra venenosa a centímetros das crianças

    Cena do crime arrow-options
    Reprodução/TV Anhanguera

    Em um “estado de fúria”, uma mãe teria matado o filho enforcado


    Leia também: Mãe homenageia filho nas redes minutos antes de companheiro matar bebê

    Ao chegar ao local, a Polícia Civil encontrou a mulher sentada vendo as roupas do filho, que ela teria tirado antes de enforcá-lo, pegando fogo. O corpo do menino foi analisado e, além dos hematomas no pescoço, ele possuía escoriações em todo o corpo.

    Leia também: ‘Quero resposta’, diz mãe sobre os 45 dias da morte da menina Ágatha

    Veja Também:  Na contramão e em alta velocidade, homem atropela motociclista e foge; assista

    A mulher é mãe de outra criança de apenas 19 dias e, quando a polícia chegou a casa dela, ela estava amentando esse bebê enquanto as roupas do filho morto queimavam. Ao ser questionada pelo policial, a mulher disse que em um “estado de fúria” acabou enforcando o próprio filho. O Conselho Tutelar também está acompanhando o caso e o bebê recém-nascido foi levado para um abrigo.

    Fonte: IG Nacional
    Continue lendo

    Nacional

    Vídeo mostra momento em que PM morre ao reagir a assalto em ônibus; assista

    Publicado

    source
    PM arrow-options
    Reprodução

    Polícia busca por informações sobre os assaltantes que mataram o sargento

    Um vídeo divulgado nesta quinta-feira (14) mostra o momento em que o PM Alexandre da Silva Teixeira , de 45 anos, entrou em luta corporal com os bandidos que assaltaram um ônibus da linha 383 (Realengo x Praça da República), na noite de segunda no Rio de Janeiro.

    Leia também: Weintraub diz que Proclamação da República foi “primeiro golpe de estado”

    Na ocasião, o sargento da PM tentou imobilizar os criminosos, quando foi baleado, na altura da Mangueira, na Zona Norte do Rio. No vídeo, é possível ver os dois assaltantes na parte de trás do veículo, quando o policial, que estava à paisana, reage. Ele tenta pegar a arma de um dos criminosos, quando é alvo dos tiros.

    Veja Também:  Óleo derramado no Nordeste pode chegar às praias do Rio e preocupa autoridades

    Depois dos tiros, o motorista do ônibus tentou socorrer o sargento na UPA do Engenho de Dentro, mas ele não resistiu aos ferimentos. Até o momento, não informações sobre o paradeiro dos bandidos.

    Alexandre estava há 22 anos na PM e deixou companheira e um filho. Com a morte dele já chega a 56 o número de agentes da segurança pública assassinados no Rio somente em 2019. São 52 PMs, um policial civil, um guarda municipal, um militar da Aeronáutica e um militar do Corpo de Bombeiros.

    Leia também: “Se Bolsonaro obstruir a Justiça, é dever do STF agir”, diz jurista

    Fonte: IG Nacional
    Continue lendo

    Links Úteis

    Rondonópolis

    Policial

    Política MT

    Entretenimento

    Mais Lidas da Semana