conecte-se conosco


Mato Grosso

Escritórios de Representação dos Estados se unem para dar mais celeridade em ações

Publicado

Chefes dos Escritórios de Representação dos Estados em Brasília se reuniram nesta quarta-feira (15.05) pela primeira vez, na Capital Federal, para tratar de assuntos em comum entre os entes da federação. O objetivo do encontro foi buscar alinhamento em processos e ações entre os Governos para garantir mais celeridade e competitividade.

Denominado Fórum dos Representantes dos Estados, outras reuniões serão realizadas, sempre com o entendimento de deliberar sobre questões comuns, segundo o chefe do Escritório de Representação de Mato Grosso (Ermat), Carlos Fávaro. O intuito é organizar encontros antes e depois dos Fóruns de governadores, a cada mês.

“Os governadores de todos os Estados viram a necessidade de fortalecer os Escritórios de Representação, uma vez que podemos buscar uma aproximação entre os Governos Federal e Estaduais e as bancadas federais, tanto para alinhar assuntos de interesse mútuo, como para acessar recursos de forma conjunta. Uma mesma reivindicação feita por vários Estados ganha mais força e competitividade”, pontuou Fávaro.

Uma das pautas foi a liberação de recursos pelo Ministério de Meio Ambiente para a aquisição de equipamentos de combate a incêndios florestais para os Estados que compõem a Amazônia Legal. O acesso aos recursos no montante de R$ 35 milhões para cada Estado, oriundos do Fundo da Amazônia Legal, foi conseguido durante o Fórum de Governadores da região e os escritórios de representação tratarão das necessidades em conjunto, realizando os certames e atuando em conjunto para o combate aos incêndios. 

Veja Também:  MTI celebra termo com a Sefaz para criação de célula de manutenção do Fiplan

“Podemos, sabendo das demandas de cada um, realizar licitações em conjunto, através do Consórcio dos Estados da Amazônia Legal. Por exemplo, ao invés de um Estado comprar apenas um caminhão de combate a incêndios, um consórcio pode comprar junto cinco equipamentos. Essa iniciativa torna o processo licitatório mais célere e mais competitivo, pois quanto maior a quantidade, as ofertas serão melhores”, explicou o representante de Mato Grosso.

Essa união dos Estados, de acordo com ele, garante ainda o alinhamento com as bancadas federais. O ponto de partida, serão orientações a respeito da Medida Provisória nº 868/2018, que atualiza o Marco Regulatório do Saneamento Básico, para emendas em conjunto de deputados e senadores, que atendam às unidades federativas. A comissão mista de senadores e deputados aprovou a medida, no último dia 7 de maio, que deve seguir para aprovações nos Plenários da Câmara Federal e do Senado.

“Esse espírito de cooperação entre os Estados reforça as reivindicações comuns, garantindo resultados e o acesso a recursos de forma célere e com maior competitividade. Todas as deliberações dos escritórios de representação terão orientação na Carta dos Governadores, entregue à Presidência da República, na semana passada”, finalizou Fávaro.

Veja Também:  Sesp e Sema deflagram operação ‘Abafa Amazônia’ na Região Norte

Outra pauta discutida pelos representantes foram os encaminhamentos para a regularização definitiva do Fundo da Educação Básica (Fundeb), com recursos crescentes em escala gradativa. O chefe de Mato Grosso afirmou que os escritórios trabalharão o assunto no dia-a-dia, para resolver a questão.

Fonte: GOV MT
publicidade

Mato Grosso

CGE orienta que órgãos estaduais e empresas reservem vagas para reeducandos

Publicado

A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) reforça aos órgãos estaduais a orientação de que os editais de licitação e, consequentemente, os contratos administrativos devem reservar vagas de trabalho para reeducandos e egressos do Sistema Prisional, quando houver criação de cargos para execução de obras e prestação de serviços.

O primeiro trabalho da CGE, em relação ao assunto, foi produzido no ano de 2014 (Parecer de Auditoria nº 898/2014/AGE), com base na Lei Estadual nº 9.879/2013 e no Decreto Estadual nº 1.891/2013. 

Agora, a CGE reforça a orientação, tendo em vista o trabalho do Grupo de Monitoramento e Fiscalização (GMF) do Sistema Penitenciário, coordenado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso e com a participação da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), de requisitar o apoio dos órgãos de controle no sentido de exigir o cumprimento da cota.

A CGE explica que a criação de postos de trabalho acontece quando a administração pública exigir que a empresa contratada mantenha equipe de reeducandos nas dependências do órgão contratante, ou em outro local por ela definido, como nos casos de serviços de limpeza, construção civil, digitação, operação de máquinas etc.

Se não houver criação de postos de trabalho, a reserva de vagas não é obrigatória, como no caso de contratação de empresas para prestação de serviços de telefonia e manutenções (veículos, ar-condicionado, computadores, elevadores etc). “Nesses casos, a empresa pode até prestar os serviços nas dependências do órgão, mas não há criação de postos de trabalho”, ressalta a CGE em uma de suas orientações.

Veja Também:  Polícia Civil investiga aquisição irregular de materiais para escolas indígenas

A exigência de reserva de vagas, quando houver criação de postos de trabalho, não se aplica aos contratos que envolvam serviços de segurança, vigilância ou custódia e serviços a serem prestados aos órgãos de segurança pública. 

Percentuais de reserva  

Nas contratações em que seja obrigatória a reserva de vagas, onde existir até 5 postos de trabalho, a admissão de reeducandos é facultativa. Entre 6 e 19 vagas é obrigatório reservar uma delas para ser ocupada por algum preso. Quando os postos de trabalho forem superiores a 20, é necessário reservar 5% das vagas para preenchimento com pessoas presas ou egressas.

No decorrer da execução dos contratos, se houver acréscimos ou reduções no quantitativo dos postos de trabalho, deve ser mantida a proporcionalidade de vagas mencionada.

A reserva de vagas quando da criação de postos de trabalho vale para qualquer modalidade de licitação, inclusive na contratação direta, dispensa de licitação e inexigibilidade, e deve estar prevista nos editais e contratos. 

Convênio

A CGE enfatiza que a contratação de presos e egressos do sistema prisional deve, obrigatoriamente, ser intermedida pela Fundação Nova Chance (Funac), instituição vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e que tem o objetivo de promover ações de reinserção social de reeducandos. 

Veja Também:  MTI celebra termo com a Sefaz para criação de célula de manutenção do Fiplan

Por isso, é necessário que a empresa contratada firme convênio com a Funac para a definição dos requisitos de seleção dos presos e ex-reeducandos, bem como os trâmites de registro, controle e remuneração. A seleção dos presos aptos para o trabalho fica a cargo de equipe multidisciplinar designada pela unidade penal.

Fiscalização 

A CGE salienta que, assim como na execução de qualquer outro contrato, os que reservam vagas para reeducandos ou egressos do sistema prisional devem ser fiscalizados por servidor formalmente designado para tal função. 

O fiscal deve observar se a empresa contratada está cumprindo com todas as regras previstas para a reserva de vagas. O descumprimento dos compromissos assumidos pode resultar em rescisão contratual com a empresa.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Policiais e agentes de segurança concluem curso oferecido pela Rotam

Publicado

Dezessetes policiais e agentes de segurança pública concluíram na manhã desta segunda-feira (19.08) o 2º Curso de Técnicas de Controle e Submissão da Polícia Militar, por meio do Batalhão de Ronda Ostensiva Tático Metropolitano (Rotam). A solenidade de formatura foi realizada no auditório do Comando Geral da PM, em Cuiabá.  

A capacitação preparou os alunos para atuarem em ocorrências de alta complexidade de manutenção da ordem: atendimento que exige o emprego de técnicas, abordagens táticas e meios diferenciados de uso da força. O comandante-geral da PM, coronel Jonildo José de Assis, conta que a iniciativa desenvolvida pelo Batalhão Rotam é pioneira na Polícia Militar e que o objetivo agora é estender a capacitação para o interior do estado.

“Nosso objetivo é levar esse curso para todos os nossos policiais militares, principalmente dos Comandos Regionais, que estão nas ruas buscando e promovendo o bem comum, com o patrulhamento ostensivo da PM”, ressalta coronel Assis.  

Participaram do curso policiais militares da Rotam, do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), do Regimento de Policiamento Montado (RPPMon), da Força Tática, agentes penitenciários e policiais civis. A especialização de 27 dias ofereceu aos alunos mais conhecimentos sobre direitos humanos, legislação sobre o uso da força, história das algemas, defesa pessoal, fundamentos de técnicas de solo e procedimentos com algemas, dentre outros temas.

Veja Também:  Curso de Técnicas de Controle da Rotam termina nesta segunda-feira (19)

O agente penitenciário Lucivaldo de Arruda concluiu o curso e conta que está ainda mais preparado para desempenhar seu trabalho na Penitenciária Central do Estado (PCE). “O curso foi bem repassado pela equipe de instrução, aprendi novas técnicas sobre o uso da algema, o que me ajuda a garantir a segurança do conduzido e também a nossa que atua no presídio. Esse curso ajuda a não cometer excessos, aplicando as técnicas de forma correta”, conta Lucivaldo.   

O comandante do Batalhão Rotam, tenente-coronel Cleverson Leite destaca que o curso ajuda o policial a trabalhar, de forma mais tranqüila, o uso da técnica de submissão nas ocorrências. Versões voltadas para os Comandos Regionais no interior já estão sendo desenvolvidas pela Rotam para especializar mais policiais e agentes de segurança.

A solenidade contou com a presença de autoridades militares, civis e familiares dos 17 formandos do curso. 

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Chuva nesta segunda não é suficiente para reduzir risco de incêndios em Mato Grosso

Publicado

As gostas de chuva registradas em alguns pontos de Cuiabá nesta segunda-feira (19.08) até aumentaram a umidade do ar (48%) mas não melhoram a situação dos incêndios florestais e queimadas, que tiveram um aumento significativo em 2019.

Segundo o Boletim Informativo do Batalhão de Emergências Ambientais(BEA) do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, o estado apresentou 41% de aumento no número de focos de calor, em 2019 , em comparação com o mesmo período de 2018. O major Antônio Marco Guimarães, do BEA, afirma que o aumento da umidade e a redução da temperatura causam apenas um alívio temporário já que “a previsão para a próxima semana é de temperaturas altas e ar seco”.

Apenas na área atendida pelo Comando Regional 1 (Cuiabá, Várzea Grande e Baixada Cuiabana) foram atendidas 38 ocorrências de incêndio em terreno urbano no fim de semana. Em todo o estado foram 651 focos de calor (incêndios florestais) registrados entre os dias 16 e 18. No momento em que esta matéria está sendo produzida, o Batalhão de Emergências Ambientais está combatendo dois incêndios de grandes proporções em áreas de conservação. Um no Parque Estadual Serra de Ricardo Franco (oeste do estado) e outro iniciado nesta segunda na Serra da Petrovina (no sul).

Veja Também:  CGE treina as Unidades Setoriais de Controle Interno para uso do sistema de monitoramento

Nas áreas rurais, utilizar fogo para limpeza e manejo é crime passível de seis meses a quatro anos de prisão, com multas que podem variar entre R$ 1 mil e R$ 7,5 mil (pastagem e agricultura) por hectare.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana