conecte-se conosco


Política Nacional

Filho de Eduardo Campos pode ter apoio do PSL para se candidatar a prefeito

Publicado

source
João Campos (PSB) arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Filho de Eduardo Campos, João Campos (PSB) pode ser candidato à prefeitura do Recife e ter apoio do PSL do Recife


Presidente do PSL e político influente em Pernambuco, o deputado federal Luciano Bivar quer mostrar força nas eleições municipais deste ano. O partido, inclusive, negocia um possível apoio ao PSB para a candidatura de João Campos à prefeitura do Recife.

Leia também: Mãe e filho de Eduardo Campos brigam por prefeitura do Recife

João Campos é filho do ex-governador Eduardo Campos e foi o deputado com mais votos em Pernambuco em 2018. Apesar de jovem, o parlamentar é o favorito a ser o candidato da situação na capital pernambucana, já que o atual prefeito, Geraldo Júlio (PSB) está no segundo mandato e está impossibilitado de seguir na prefeitura. É o prefeito, inclusive, que negocia com Bivar um possível apoio do PSL .

A tentativa do PSL é se afastar de vez de Jair Bolsonaro. O partido pretende ter candidatos fortes nas principais capitais do Brasil e, quando não conseguir um nome, apoiar siglas com maiores chances de vitória.

Veja Também:  Maia pede afastamento de secretário de Bolsonaro após citação nazista

Leia também: Filho de Eduardo Campos ganha força para candidatura a prefeito do Recife

O PSB informa que ainda não tem um candidato fechado para as eleições deste ano no Recife , mas não descarta que João Campos seja um dos avaliados para o pleito.


Fonte: IG Política
publicidade

Política Nacional

Assessor de deputada do PSL posta foto fazendo piada da morte de Marielle

Publicado

source
homem sorrindo e segurando camisa arrow-options
FACEBOOK / REPRODUÇÃO

Imagem foi divulgada no Facebook do assessor

Um assessor parlamentar da deputada Bia Kicis, do PSL, utilizou as redes sociais para publicar uma foto fazendo piada da morte da vereadora Marielle Franco (Psol). Em um registro feito dentro do gabinete da parlamentar, Evandro de Araújo Paulo segura uma camisa com a foto de Marielle e os dizeres “Marielle Vive, enchendo o saco”.

Leia também: Promotora do caso Marielle no Rio fez campanha para Bolsonaro

A imagem, publicada no fim de dezembro no Facebook , foi retirada da rede social por apresentar “conteúdo sensível”. O assessor não se pronunciou sobre o assunto, mas a deputada afirmou, em nota, que não tinha conhecimento da postagem e repreendeu o assessor quando tomou conhecimento da mesma, proibindo de tirar fotos dentro do ambiente de trabalho.

Segundo o colunista Guilherme Amado, da revista Época, o assessor trabalha com Kicis desde o primeiro mês de mandato dela, recebendo salário de R$ 4,2 mil.

Fonte: IG Política
Veja Também:  Testemunha de defesa do filho, Flordelis depõe à Justiça no início de fevereiro
Continue lendo

Política Nacional

Governo convida Regina Duarte para Secretaria da Cultura

Publicado

Governo convida Regina Duarte para Secretaria da Cultura

A atriz Regina Duarte foi convidada pelo governo para assumir a Secretaria Nacional de Cultura, no lugar de Roberto Alvim, exonerado após discurso com citações ao ministro nazista Joseph Goebbels. A artista ficou de dar resposta até este sábado (18/01/2020). As informações são da colunista Mônica Bergamo.

Regina Duarte já foi convidada para o cargo anteriormente, mas havia recusado a proposta. A atriz é conhecida por se alinhar a discursos de direita, tendo sido figura marcante nas manifestações favoráveis ao impeachment de Dilma Rousseff e declarado publicamente apoio a Jair Bolsonaro.

A interlocutores, Regina Duarte teria dito que estava animada com o convite, mas em dúvida se deveria aceitar o cargo.

A pasta está ligada ao Ministério do Turismo, chefiado por Marcelo Álvaro Antônio.

Veja Também:  Deltan Dallagnol faz propaganda de movimento ligado a Huck e Tabata Amaral
Continue lendo

Política Nacional

MP quer que Secom adote critérios técnicos para distribuir verbas de publicidade

Publicado

source
Fábio Wajngarten arrow-options
Marcos Corrêa/PR

Fábio Wajngarten, secretário de Comunicação do governo Bolsonaro

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União ( TCU ) pediu à Corte que determine que a Secretaria de Comunicação da Presidência ( Secom ) adote critérios “objetivos e técnicos” para distribuir verbas de publicidade. A representação, assinada pelo subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado, solicita ainda que o Tribunal encaminhe o documento para a Procuradoria-Geral da República ( PGR ), para que seja investigado possível ato de improbidade administrativa do titular da Secom, Fábio Wajngarten .

A representação tem um pedido de medida cautelar, ou seja, de cumprimento imediato. O documento foi encaminhado ao presidente do TCU, ministro José Múcio.

Na quarta-feira, a Folha de S. Paulo revelou que uma empresa de Wangarten, a FW Comunicação e Marketing, mantém contratos com emissoras de televisão (Band e Record) que recebem verbas de propaganda da Secom. Três agências de publicidade (Propeg, Artplan e Nova S/B) contratadas pela Secom ou por estatais também mantêm relações comerciais com a firma do secretário.

Leia também: PSOL pede afastamento do secretário de Comunicação do governo

O subprocurador-geral diz na representação que a atuação ao mesmo tempo de Wajngarten na empresa e no governo pode configurar conflito de interesses. Uma lei de 2013 proíbe que ocupantes de cargos na administração federal pratiquem “ato em benefício de interesse de pessoa jurídica de que participe o agente público, seu cônjuge, companheiro ou parentes, consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, e que possa ser por ele beneficiada ou influir em seus atos de gestão”.

Veja Também:  De armas a terras indígenas, decretos do governo podem atenuar penas de réus

Uma das penalidades previstas é a demissão do cargo. O chefe da Secom tem 95% das cotas da empresa, mas se afastou formalmente na administração, o que é determinado pela legislação. Quem assumiu a administração foi o irmão de um assessor direto de Wanjgarten no governo.

“Diante do acima exposto e ante a possibilidade de ter o secretário da Secom, de uma forma ou de outra, ter se beneficiado, direta ou indiretamente, dessa distribuição de recursos, por meio de suas empresas, considero que se faz necessária a atuação do TCU no sentido de apurar os fatos com vistas a adoção de medidas tendentes a proibir a prática ora questionada e de, eventualmente, exigir eventual reparação de dano causado ao erário, mediante o devido ressarcimento”, escreveu Furtado.

Leia também: Irmão de administrador da empresa de Wajngarten é número 2 na Secom

Segundo o subprocurador-geral, há indícios de que a atuação de Wajngarten feriu os princípios da impessoalidade, da igualdade, da isonomia e da moralidade. Sob a gestão do atual titular da Secom, a Record assumiu a liderança do recebimento de publicidade entre as emissoras de TV aberta – a fatia era de 23,6% e passou a 27,4%, segundo a “Folha de S. Paulo”. Já a Band cresceu de 9,8% para 12,1% entre 2018 e 2019. Já há uma apuração em andamento no TCU sobre o possível direcionamento dos recursos publicitários em desacordo com os parâmetros de audiência.

Veja Também:  Após demissão de Roberto Alvim, Bolsonaro diz repudiar totalitarismo e genocídio

“Há nos fatos narrados na reportagem acima transcrita aparente infringência ao princípio da impessoalidade, uma vez que, ao que tudo indica, o atual gestor da Secom vem implementando uma política de distribuição de verbas publicitárias de forma subjetiva, quer na escolha das empresas contratadas, quer na própria definição do percentual que cabe a cada empresa, independentemente da participação dessas empresas no mercado, quando tal distribuição deveria ser implementada sob rigorosos critérios técnicos, previamente definidos, permitindo, inclusive, que tais atos sejam sindicados posteriormente pela sociedade e pelos órgãos de controle”, diz o documento.

Leia também: “A ponte de comunicação comigo foi explodida”, diz Secretário de Comunicação

Furtado também pediu ao TCU que o documento seja encaminhado para a Comissão de Ética Pública, instância do governo federal que avalia a conduta de integrantes do governo federal. O colegiado já informou que vai analisar o caso na primeira reunião deste ano.

“Destaque-se também que os atos praticados pelo titular da Secom, de uma certa forma, também podem ter ferido o princípio constitucional da moralidade, haja vista que, ao adotar medidas que ferem os princípios da impessoalidade e da igualdade ou isonomia, discriminando um grupo de empresas em benefício de outros grupos, pode ter agido com falta de ética e com conflito de interesses”, acrescenta a representação.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana