conecte-se conosco


Nacional

Impasse: oposição não chega a acordo para libertação de presos na Nicarágua

Publicado

Daniel Ortega
Cancillería del Ecuador

No poder desde 2006, Daniel Ortega enfrenta crescente onda de protestos há um ano

 No último dia para a libertação dos presos políticos da Nicarágua , nesta terça-feira, governo e oposição chegam a novo impasse. Enquanto o governo de Daniel Ortega afirma que já cumpriu o compromisso, a oposição diz que 89 presos por participarem de protestos contra o presidente ainda estão detidos. 

A libertação de todos os presos era um compromisso assumido pelo governo da Nicarágua após negociações com a opositora Aliança Cívica para a Justiça e Democracia (ACJD), líder dos protestos que exigem a renúncia de Ortega , e que terminaram com 325 mortos e 62.500 exilados, segundo grupos humanitários.

“Todas essas pessoas gozam de liberdade, com o compromisso de não repetir os crimes, conforme estipulado na Lei de Anistia”, disse o governo em um comunicado, que alega que os restantes são criminosos comuns.

Leia mais:  Brasil cobra Nicarágua sobre a morte de brasileira e chama de volta embaixador

Nos últimos dias, pelo menos 492 pessoas foram libertadas sob uma polêmica lei de anistia aprovada em 8 de junho pelo Parlamento, controlado por Ortega — ex-guerrilheiro, no poder desde 2007.

Veja Também:  Mulher sofre acidente, é resgatada e toca violino para Bombeiros; assista

“As autoridades não cumpriram o acordo de libertar todos os presos políticos “,  disse aos repórteres Carlos Tünnermann, chefe da delegação da ACJD.

A União dos Prisioneiros Políticos, por sua vez, ameaçou realizar novos protestos na quarta-feira, se os prisioneiros não forem libertados.

Os acordos também incluem o fim de detenções arbitrárias, a restituição do direito de protestar, a reunião pacífica, a liberdade de expressão e o retorno de propriedades confiscadas de ONGs e da imprensa.

Leia mais:  As Farc pede fim de ‘derramamento de sangue’ após morte de 135 ex-guerrilheiros

Para analistas, uma violação dos compromissos assumidos com a oposição poderia provocar a aplicação de sanções por parte da União Europeia (UE) e um endurecimento das punições impostas pelos Estados Unidos.

“O governo tem dificuldade em provar que vem cumprindo o acordo porque tem havido novas detenções, assédio, intimidações; a liberdade de imprensa é quase mínima e exilados ainda são perseguidos”, explica à AFP o analista Gabriel Alvarez.

Para o ex-diplomata Edgar Parrales, o não-cumprimento poderia levar a UE a retirar a Nicarágua do Acordo de Associação com a América Central, a reduzir ou até congelar a cooperação bilateral, a estabelecer restrições de imigração ou a impor sanções aos funcionários do governo.

Veja Também:  Prefeitura de São Paulo vai apurar responsáveis por queda de passarela

“Pessoas do governo têm dinheiro e imóveis nos bancos da Europa que poderiam ser afetados “, afirmou à AFP.

Washington também impôs sanções econômicas contra Rosario Murillo, mulher do presidente, seu filho Laureano e cinco outros oficiais de alto escalão, acusados de violações dos direitos humanos e corrupção.

Mais sanções agravariam a crise na Nicarágua , cuja economia contraiu 3,8% no ano passado, segundo dados oficiais, enquanto associações empresariais apontam perdas de cerca de 450 mil empregos e fechamento de pequenas e médias empresas. 

Leia mais:  Novos vazamentos indicam incômodo de Moro com investigação contra FHC

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Óleo chega a 643 áreas em 116 municípios do Nordeste e do Sudeste

Publicado

source
óleo arrow-options
Brenda Alcântara/Agência Pública

Imagem de praia de Pernambuco cercada por óleo.

Um relatório divulgado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ( Ibama ) mostrou que, ao todo, 643 áreas já foram atingidas pelas manchas de óleo que chegaram ao litoral brasileiro. Há registros em 116 municípios em todos os nove estados do Nordeste . Manchas também foram encontradas no Espírito Santo , primeiro estado do Sudeste. A lista pode ser ainda maior.

A Marinha confirmou que o santuário ecológico no Delta do Parnaíba, no Piauí, foi atingido pelas manchas de óleo no último sábado (16). O ponto turístico não consta na lista do Ibama. No Delta do Parnaíba, seis áreas foram atingidas: as praias Pontal, de Caiçaras e Barra das Melancieiras; além das ilhas Canárias, Poldros e do Caju. Ao todo, o santuário ecológico possui 70 ilhas e praias.

Leia mais: Pesquisadores brasileiros criam minifígados por impressão 3D

A Marinha, o Exército e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) montaram uma grande operação para impedir que o petróleo chegue até o rio Parnaíba. Em nota, a Marinha informou que disponibilizou cinco mil militares para as operações de limpeza, além de 37 navios e 11 aeronaves.

Veja Também:  Federalização do caso Marielle deve ser votada ainda este ano

Outra área de conservação ameaçada é o santuário do peixe-boi, em Porto de Pedras, no litoral alagoano. Técnicos da Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) estão preocupados com Astro, um raro representante da espécie que vive no litoral do Sergipe desde 1998, que está sendo monitorado, mas corre risco de contaminação . Os mangues e praias da região já foram alcançados pelo óleo.

Leia também: Colégio adventista é acusado de aplicar prova com conteúdo homofóbico

A Polícia Federal trabalha com a suspeita de que um navio grego teria causado o derramamento de óleo no litoral brasileiro. De acordo com o órgão, a embarcação teria ancorado na Venezuela em 15 de julho. Três dias depois, seguiu para Singapura. No trajeto, entre os dias 28 e 30 de julho, houve o vazamento.

A suspeita é que o derramamento ocorreu a 700 quilômetros da costa brasileira, em águas internacionais. Segundo a Polícia Federal, neste período “um único navio petroleiro navegou pela área suspeita”. Porém, a Universidade Federal de Alagoas anunciou, no último domingo (17), que identificou outra embarcação como responsável pelo vazamento. O nome e a bandeira do navio não foram reveladas pela instituição. 

Veja Também:  Mulher sofre acidente, é resgatada e toca violino para Bombeiros; assista

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Colégio adventista é acusado de aplicar prova com conteúdo homofóbico

Publicado

source
Prova com questões homofóbicas arrow-options
Reprodução / Instagram

Questionário com 50 perguntas incluíam questões homofóbicas. Parentes demonstraram revolta diante da proposta pedagógica.

A Escola Adventistas Belém, localizada no bairro da Marambaia, em Belém, no Pará, está sendo acusada de homofobia por familiares de uma aluna do 9º. A prova de língua portuguesa aplicada na segunda (18), continha questões sobre como evitar a homossexualidade; se o indivíduo nasce ou se torna homossexual e se a bíblia condena a relação homoafetiva estavam entre as 50 perguntas do questionário. 

O irmão de uma estudante de 14 anos, compartilhou as imagens da prova em sua conta do Instagram. Em entrevista ao G1, Herisson Lopes, de 26 anos, disse que a irmã se negou a responder as perguntas e que ficou indignada com o teor das questões. 

Leia mais: Caso Ágatha: Delegado diz que PM mentiu em depoimento ao falar de homens armados

O livro “De bem com você”, de Sueli Nunes Ferreira, foi recomendado pelo professor da matéria. O conteúdo explica como a criança pode se tornar homosexual , como deve ser evitado e que existe cura gay, segundo informou Herisson ao G1. “Eu não consigo achar conveniente esse tipo de ensinamento para uma turma, principalmente a quem está prestes a fazer seu processo seletivo”. 

Veja Também:  Tio de Ágatha critica PM que atirou e matou a menina: ‘Ele é um despreparado’

A direção pedagógica da instituição disse que a família da aluna desconhece o método utilizado pelo professor em sala de aula. A escola alegou ainda que os professores são independentes para tratar assuntos diversos em sala de aula. 

“Eu fico pensando como esse tipo de ensinamento para adolescentes, como a minha irmã, que estão em fase de construção, podem torná-los homofóbicos . Não podemos esquecer que o Brasil é o país onde mais se mata homossexuais. Uma escola repassando esse tipo de coisa propaga a ideia. Isso não pode ficar impune”, disse Herrisson ao G1.

Leia também: Polícia Militar causou morte da menina Ágatha, diz inquérito

As questões contidas no questionário tinham como intuito colher as diversas opiniões e sentimentos sobre a temática em estudo e davam a cada estudante a oportunidade de expressar livremente sua opinião, segundo a nota emitida pelo colégio. 

Criminalização da homofobia

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu em junho que a homofobia e a transfobia passariam a ser crimes no Brasil. Os ministros consideraram que preconceito com homossexuais e transsexuais devem ser enquadrados como crime de racismo. 

Veja Também:  Federalização do caso Marielle deve ser votada ainda este ano

A pena para quem discriminar em função da orientação sexual é de um a três anos, além de multa. Se houver divulgação de conteúdo preconceituoso em redes sociais, a pena é de dois a cinco anos, além de multa.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Caso Ágatha: Delegado diz que PM mentiu em depoimento ao falar de homens armados

Publicado

source
Ágatha arrow-options
Arquivo pessoal

Ágatha morreu após ser atingida por um tiro de fuzil nas cotas

A Polícia Civil informou, nesta terça-feira (19), que o policial militar da UPP- Fazendinha, responsável pelo disparo que atingiu a menina Ágatha Vitória Salles, de 8 anos, mentiu em seu depoimento na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC).

Leia também: Polícia Militar causou morte da menina Ágatha, diz inquérito

De acordo com o delegado Marcus Drucker, responsável por conduzir as investigações do caso Ágatha , o PM inicialmente contou a versão de que teria ocorrido um tiroteio na comunidade e que logo depois ele atirou na direção de dois homens armados que estavam numa motocicleta.

“A gente conseguiu identificar, através dos depoimentos, que não havia nenhuma pessoa armada naquele momento perto dos policiais. O PM contou ter visto a arma, mas conseguimos identificar que não tinha”, contou.

Leia também: Tio de Ágatha critica PM que atirou e matou a menina: ‘Ele é um despreparado’

O policial militar foi indiciado por homicídio doloso, quando existe a intenção de matar. O PM segue em liberdade. O delegado Daniel Rosa, diretor da DHC, explicou que a polícia pediu à justiça o afastamento imediato do policial militar.

Veja Também:  Tio de Ágatha critica PM que atirou e matou a menina: ‘Ele é um despreparado’

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana