conecte-se conosco


Tecnologia

Maioria das empresas não está pronta para a Lei de Proteção de Dados

Publicado

source

Olhar Digital

proteção de dados arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Maioria das empresas não tem como atender à Lei de Proteção de Dados

A popularização da Internet, o aumento do controle de empresas de tecnologia sobre os dados pessoais e os consequentes escândalos de falta de segurança de privacidade e coleta, uso e compartilhamento inadequado dessas informações obrigaram os governos a criar leis específicas sobre o universo online.

No Brasil, houve a criação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), aprovada em agosto de 2018 pelo então presidente Michel Temer. A lei está prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, porém, a maioria das empresas ainda não se considera pronta para atender às novas regras. É o que revelou uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8) pela Serasa Experian.

Leia também: Apple oferece US$ 1 milhão para quem conseguir hackear iPhone

A LGPD regulamenta como organizações – empresas, bancos, órgãos e companhias públicas, entre outros – deverão coletar e tratar informações pessoais de clientes e usuários, estabelecendo direitos, exigências e procedimentos nessas atividades. Além dela, em julho passado o presidente Jair Bolsonaro (PSL) aprovou a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). O órgão federal deverá, entre outros papeis, garantir que as regras da LGPD sejam cumpridas por instituições públicas e privadas do país.

Veja Também:  Cabo ‘pirata’ caseiro da Apple é capaz de hackear computadores; conheça

O espaço de dois anos entre a aprovação e a data em que a lei deve entrar em vigor foi determinado para que as empresas possam adaptar suas estruturas e métodos de trabalho para cumprir com as novas exigências da legislação. Apesar do prazo, 85% das empresas brasileiras afirmam ainda não estar preparadas para garantir os direitos e deveres da LGPD, de acordo com o levantamento da Serasa .

A maioria pretende estar pronta em até um ano, diz o relatório, o que significa que as empresas acreditam que estarão atuando conforme as regras quando a lei começar a valer. A pesquisa foi realizada em março passado e entrevistou executivos de 508 companhias de 18 áreas de atividade, com diferentes portes e segmentos, em todas as regiões do país.

Com a chegada da lei, 72% das companhias com mais de cem funcionários pretendem contratar uma pessoa de mercado especializada, consultoria ou assessoria de modo a facilitar o cumprimento da legislação.

Mesmo com a adaptação, quase 73% das companhias entrevistas pela Serasa esperam que a LGPD cause algum impacto, ou um impacto muito significativo, na atual infraestrutura de tecnologia de informação.

Veja Também:  Instagramáveis: 10 lugares em São Paulo perfeitos para suas fotos no Instagram

A partir do meio de 2020, qualquer instituição (pública ou privada) que armazenar dados de seus clientes ou usuários, mesmo  informações simples como nome e e-mail, deve seguir os procedimentos previstos na nova lei. Aqueles que desrespeitarem as exigências estarão sujeitas a uma multa de até R$ 50 milhões.

Na Europa há uma legislação semelhante, chamada Regulamento Geral de Proteção de Dados na União Europeia, ou GDPR, na sigla em inglês. A lei entrou em vigor em todo o bloco europeu em maio de 2018, também depois de dois anos da sua criação, em abril 2016, prazo dado para adaptação das instituições (públicas e privadas) no continente.

Leia também: Golpe do FGTS no Whatsapp e e-mail promete saque imediato e rouba dados

Da mesma forma, trata-se de uma série de novas exigências que visam proteger a privacidade de dados dos cidadãos europeus. A lei define como empresas que atuam no continente e órgãos públicos nos países europeus devem coletar, armazenar, usar e compartilhar dados pessoais da população. 

Fonte: Agência Brasil

Fonte: IG Tecnologia
publicidade

Tecnologia

Proteja-se: golpe rouba conta WhatsApp e já afetou 8,5 milhões de brasileiros

Publicado

source

Olhar Digital

telefone celular arrow-options
shutterstock

Cibercriminosos conseguem roubar conta de WhatsApp e se passar por usuário

A clonagem de WhatsApp é um golpe que pode trazer transtornos graves à vítima, permitindo que ela seja imitada por alguém com más intenções, facilitando, por exemplo, a extorsão de amigos e familiares.

Para piorar, essa modalidade de ataque tem se tornado mais comum: segundo levantamento da empresa de segurança PSafe, cerca de 8,5 milhões de brasileiros já foram atingidos por um golpe do tipo.

WhatsApp fica instável na noite desta segunda-feira

Ainda segundo a empresa, o Dfndr Lab, divisão especializada em segurança digital ligada ao aplicativo de antivírus Dfndr, detectou apenas neste ano mais de 134 mil tentativas de roubo de contas de WhatsApp.

O método de ataque mais comum, segundo Emilio Simoni, diretor do laboratório, envolve enganar a vítima a fornecer o código de autenticação. O cibercriminoso cadastra o número em um aparelho, mas o código é enviado por SMS para o celular da vítima , ao qual o golpista normalmente não tem acesso direto.

Veja Também:  WhatsApp fica instável na noite desta segunda-feira

Hackers conseguem alterar mensagens no WhatsApp, diz empresa de segurança

Por isso, ele tenta entrar em contato com a vítima para fazer com que ela diga o código alegando algum motivo falso, normalmente ligado a segurança. Ao fornecer esse dado, o WhatsApp é bloqueado no celular da vítima e o cibercriminoso passa a ter controle da conta.

Esse não é o único método, no entanto. Uma técnica famosa é o “SIM Swap”, no qual o golpista obtém um chip de celular com o número da vítima, o que pode ser feito enganando um atendente da operadora ou simplesmente o subornando. A partir daí, ele pode usar o WhatsApp de outra pessoa livremente no seu smartphone.

De acordo com o estudo da PSafe, o principal prejuízo destes ataques foram o vazamento de conversas privadas , reportado por 26,7% dos entrevistados. Bem perto, na segunda colocação, está o envio de links com golpes para contatos, com 26,6% das respostas.

Outros relatos envolvem solicitações de dinheiro aos amigos (18,2%), perda da conta do WhatsApp (18,0%); e chantagem (10,5%).

Veja Também:  Proteja-se: golpe rouba conta WhatsApp e já afetou 8,5 milhões de brasileiros

Como evitar

A forma mais fácil de evitar esse tipo de ataque é jamais informar para ninguém o número de autenticação que chega por SMS.

É preciso ativar a verificação em duas etapas para manter meu login seguro?

Outra opção, consideravelmente mais segura, é cadastrar a autenticação em duas etapas , o que garante que, mesmo que alguém tenha o código de verificação do WhatsApp em mãos ele ainda precisará de uma senha previamente cadastrada, o que é mais difícil de ser obtido.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp fica instável na noite desta segunda-feira

Publicado

source

Usuários do Twitter relatam instabilidade no serviço do WhatsApp na noite desta segunda-feira. As mensagens não estão sendo encaminhadas mesmo para quem está com serviço de internet estável.

No Twitter, internautas criticam o serviço com tom de brincadeira




A empresa ainda não se manifestou sobre o problema.

Fonte: IG Tecnologia
Veja Também:  WhatsApp fica instável na noite desta segunda-feira
Continue lendo

Tecnologia

Patinete elétrico autônomo? Modelo volta à estação de recarga sozinho

Publicado

source

Olhar Digital

patinete elétrico arrow-options
Reprodução Grin

Ainda não há previsão de quando será o lançamento de patinetes elétricos autônomos

Os patinetes elétricos proporcionam, em média, até 20 Km de autonomia com uma carga completa da batera. A recarga fica por conta das empresas que proporcionam serviço. Para facilitar essa operação, a empresa de scooters chinesa, Segway-Ninebot , desenvolveu um equipamento capaz de voltar à estação de carregamento de forma autônoma quando necessário. É isso mesmo: um patinete elétrico autônomo.

O novo patinete chamado KickScooter T60, foi apresentado em um evento em Pequim, segundo a Reuters . Ele possui três rodas (duas na frente e uma atrás), e supostamente pode usar inteligência artificial e recursos da nuvem para se guiar sem a necessidade um piloto humano.

Leia também: Patinetes elétricos: já tentou? Veja quais são os tipos e saiba como alugar um

Não houve demonstração pública do funcionamento e a expectativa é que ele não seja inaugurado até o começo do ano que vem. Mas segundo Gao Lufeng, presidente do conselho e executivo-chefe da Ninebot, a Uber e a Lyft já demonstram interesse nesse novo modelo.

Veja Também:  Instagramáveis: 10 lugares em São Paulo perfeitos para suas fotos no Instagram

O KickScooter T60 deve ser vendido por dez mil yuan (R$5.690), enquanto os patinetes elétricos tradicionais da marca são vendidos por valores entre R$400 e R$1.200 cada.

Fonte: The Verge

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana