conecte-se conosco


Nacional

Mesmo possuindo porte, Eduardo Bolsonaro não pode andar armado na Câmara

Publicado

source
Eduardo Bolsonaro visitou Jair Bolsonaro portando um revólver arrow-options
Reprodução/Twitter Eduardo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro visitou Jair Bolsonaro portando um revólver


Dentro da Câmara dos Deputados, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) não poderia posar para uma foto com uma pistola Glock na cintura, como fez na segunda-feira (9) ao lado do pai, no quarto do hospital em que o presidente Jair Bolsonaro se recupera de cirurgia realizada no domingo. O porte de arma “de qualquer espécie” é proibido nos edifícios e nas áreas adjacentes da Casa.

Leia também: Eduardo Bolsonaro exibe arma ao visitar pai no hospital

O impedimento, que só não alcança os membros da segurança, é determinado pelo regimento interno da Câmara, no artigo 271. Desrespeitar essa norma constitui infração disciplinar, além de contravenção. Eduardo Bolsonaro tem porte de arma por ser escrivão, hoje licenciado, da Polícia Federal. Ele ingressou na corporação em 2010 e se elegeu deputado federal em 2014. A assessoria de imprensa da Câmara explicou que a proibição se estende a qualquer pessoa, “inclusive, vale lembrar, membros das forças policiais”.

O órgão informou ainda que, segundo o Departamento de Polícia Legislativa, não há registro de casos de parlamentares portando armas nestes locais.

Veja Também:  Dodge afirma que houve ‘diminuição de vazamentos’ em sua gestão na PGR

Leia também: Quarta cirurgia de Bolsonaro dura 2 horas a mais do que a previsão dos médicos

Questionada pelo GLOBO se o deputado anda armado na Câmara, a assessoria de Eduardo respondeu que dentro da Casa é proibido e que o repórter sabe disso.

Nesta terça, Eduardo também foi armado para uma reunião com empresários na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), de acordo com a coluna de Lauro Jardim, do GLOBO. No começou da conversa, ele comentou que não era para ninguém ficar com medo.

Em novembro de 2014, o então deputado eleito foi com uma pistola a uma manifestação contra a então presidente Dilma Rousseff (PT). Na ocasião, ele disse à revista Veja SP que “sair de casa sem ela é o mesmo que esquecer a carteira” e que só não levaria a arma para a Câmara por ser proibido.
Um item do capítulo da Constituição sobre direitos e deveres individuais e coletivos estabelece que “todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente”.

Veja Também:  Após três dias preso, filho do ex-ministro Edison Lobão é solto

Hospital

A foto de Eduardo com o pai foi publicada no perfil do deputado no Instagram. Parte da arma aparece atrás do cinto do parlamentar, que está com o terno aberto. “Tudo bem com Jair Bolsonaro. Mais uma vez agradecemos a equipe médica que realizou a cirurgia e todos que oraram, rezaram ou de alguma maneira enviaram energias positivas. Deu certo”, afirmou ele na postagem.

O filho do presidente é entusiasta e colecionador de armas, além de ser adepto da prática de tiro esportivo. A Glock 9mm é a arma padrão usada pelos policiais federais em todo país.

Em nota sobre o episódio, o Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, informou que acolhe integralmente a legislação legal brasileira. “Cabe citar, além disso, que as normas de segurança que regem a internação do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro, neste hospital são de responsabilidade do Gabinete de Segurança Institucional, a quem o questionamento deve ser dirigido”, apontou.

Um decreto assinado este ano pelo presidente Bolsonaro estabelece que o “titular de porte de arma de fogo para defesa pessoal (…) não poderá conduzi-la ostensivamente”.

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Operação no Complexo do Alemão deixa quatro mortos e um PM ferido

Publicado

source

Agência Brasil

Complexo do Alemão arrow-options
Bruno Itan/ Coletivo Alemão

Segundo a Polícia, operação no Complexo do Alemão era para combater o tráfico de drogas

Uma operação da Polícia Militar (PM) nesta quarta-feira (18), no Complexo do Alemão , deixou pelo menos quatro suspeitos mortos e um policial gravemente ferido. As informações foram divulgadas pelas assessorias da PM e da Secretaria Estadual de Saúde.

Leia também: Polícia faz nova operação no Jacarezinho, no Rio, após tiroteio que matou 4

A operação começou no início da manhã e contou com o apoio de um helicóptero. Foram mobilizados efetivos do Comando de Operações Especiais (COE), das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), dos batalhões de Ações com Cães (BAC) e de Polícia de Choque (BPChq), do Grupamento Aeromóvel (GAM) e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).

“Houve confronto. Um agente ficou ferido e [foi] socorrido no Hospital Getúlio Vargas. Cinco homens também foram feridos e socorridos. Três criminosos com mandados de prisão em aberto por tráfico de drogas foram presos”, informou a PM , em nota.

Veja Também:  Conselho de Ética e Decoro do Senado é instaurado com sete meses de atraso

Foram apreendidos um fuzil, quatro pistolas, 47 artefatos explosivos, 13 carregadores, munições e coletes táticos, além de 141 quilos de maconha, 177 trouxinhas de maconha, 860 pinos de cocaína, 4 quilos de cocaína e 68 pedras de crack.

Leia também: Vendedor de balas fica preso por três semanas mesmo após laudos o inocentarem

O objetivo da operação no Complexo do Alemão era reprimir o tráfico de drogas e reposicionar as cabines blindadas da Polícia Militar instaladas na região.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Reguffe se filia ao Podemos depois de ficar três anos em mandato sem partido

Publicado

source
Reguffe arrow-options
Divulgação

Reguffe se filia ao Podemos após três anos sem partido


O senador Reguffe (DF) aderiu nesta quarta-feira (18)  à bancada do Podemos, depois de mais de três anos sem filiação partidária. Com isso, o partido se isola como o segundo maior do Senado, com 11 parlamentares — o maior é o MDB, que tem 13.

Leia também: Conselho de Ética e Decoro do Senado é instaurado com sete meses de atraso

Além de Reguffe , a senadora Selma Arruda (PSL-MT) anunciou também nesta quarta a sua mudança de bancada, que ainda precisa ser formalizada junto à Secretaria-Geral da Mesa. Quando isso acontecer, o Podemos chegará a 11 senadores.

Reguffe foi eleito em 2014 pelo PDT, mas deixou o partido em fevereiro de 2016, por discordar da posição de apoio ao governo da então presidente Dilma Rousseff, que já enfrentava processo de impeachment. Na época, ele adiantou que não se filiaria a nenhum partido imediatamente.

Leia também: CCJ do Senado confirma sabatina de Augusto Aras para o dia 25

Veja Também:  Dodge afirma que houve ‘diminuição de vazamentos’ em sua gestão na PGR

O hiato acabou durando mais de três anos, e foi o período mais longo que um senador passou sem filiação desde a redemocratização do país. Nesse tempo, o parlamentar não relatou projetos de lei e não participou de comissões permanentes.

Juíza Selma foi eleita em 2018 pelo PSL, quando disputou pela primeira vez uma eleição. A senadora não explicitou seus motivos para deixar o partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, mas afirmou que vai trabalhar para convencer outros parlamentares da legenda a fazerem a migração.

Leia também: Jorge Kajuru vai se filiar ao quarto partido em menos de nove meses como senador

“Chega da velha política, das oligarquias, chega de clãs mandando neste país. A submissão não pode ser mais uma regra quando se fala em democracia e em parlamento livre”, afirmou.

O líder do PSL, senador Major Olimpio (SP), participou do evento em que a ex-juíza federal anunciou sua filiação ao Podemos.

A bancada do Podemos começou o ano como a quarta maior, com cinco senadores. Quatro deles já tinham mandato em curso — Alvaro Dias (PR), Elmano Férrer (PI), Romário (RJ) e Rose de Freitas (ES) — e um fora eleito em 2018 — Oriovisto Guimarães (PR). De lá para cá, porém, o partido mais do que duplicou a sua representação. Os senadores Eduardo Girão (CE), eleito pelo Pros, e Styvenson Valentim (RN), pela Rede, se filiaram no início de fevereiro ao Podemos, bem como o 2º vice-presidente do Senado, Lasier Martins (RS), ex-PSD. Em agosto, foi a vez do senador Marcos do Val (ES), que era da bancada do partido Cidadania. Com as chegadas de Reguffe e Selma Arruda, o partido somará seis adesões no ano.

Veja Também:  Rússia considera “inaceitável” resposta militar ao ataque na Arábia Saudita

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

“De forma nenhuma fomos traídos pelo Senado”, diz Rodrigo Maia

Publicado

source
Maia arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

“De forma nenhuma fomos traídos pelo Senado”, diz Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou que a retomada do texto original do projeto de reforma eleitoral e partidária, contrariando o acordo feito no Senado Federal, seja um desgaste. Ele e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), são “irmãos siameses”, segundo ele.

Leia também: Entidades pedem para Maia evitar ‘retrocessos’ sobre projeto dos partidos

“Irmãos siameses. Meu grande amigo, político que eu admiro, que eu confio. De forma nenhuma nós fomos traídos pelo Senado. Nós temos uma relação de diálogo. Agora cada Casa tem a sua dinâmica e a sua realidade. Nós não podemos, porque o Senado entendeu que deveria priorizar apenas o fundo eleitoral, (pensar) que há traição, que há problema. Mas nós
temos convicção daquilo que nós fizemos. Não vamos fugir daquilo que a gente fez”, afirmou Maia .

Em um recuo à intenção de aprovar várias mudanças nas regras eleitorais, o Senado reduziu o projeto que fazia uma ampla reforma partidária flexibilizando regras de prestações de
contas e aprovou ontem somente a norma para o financiamento do fundo eleitoral. Antes vinculado a um percentual mínimo de emendas parlamentares, os recursos públicos para as
campanhas eleitorais serão, agora, definidos na elaboração das leis orçamentárias anuais.

Maia prevê alterar apenas alguns pontos no projeto, em acordo com os líderes. Ele disse que “dá para resolver” o que chamou de polêmica nas questões do pagamento de advogados
com verbas públicas, do ato doloso e da prestação de contas por vários de tipos de contabilidade fora do TSE.

Veja Também:  Rússia considera “inaceitável” resposta militar ao ataque na Arábia Saudita

“Ou pelo menos que vão mudar na proposta original. Alguém pode destacar outros”, comentou.

Segundo o presidente da Câmara , não haverá desgaste para os deputados “de jeito nenhum” se o texto original for retomado, porque a Casa “tem convicção do que aprovou”, apesar de
saber que alguns pontos geraram polêmica e precisam deixados fora do texto ou ter a redação melhorada.

Leia também: Conselho de Ética e Decoro do Senado é instaurado com sete meses de atraso

“Mas nós não temos dúvidas que nós votamos, na maioria dos artigos, aquilo que nós entendemos que é o melhor para o processo eleitoral e partidário”, disse.

Ele rechaçou o entendimento de que a Câmara tem que optar entre o texto original e o aprovado pelo Senado. Técnicos ouvidos pelo GLOBO afirmam que, quando um texto da Câmara é emendado pelo Senado, ele retorna à Câmara e a Casa pode, então, aprovar a alteração do Senado ou voltar ao texto original, sem meio-termo.

“Não procede, porque o texto aprovado no Senado é como se fosse aprovado um artigo e supressão dos outros artigos. Então a Câmara pode, se essa for a decisão dos deputados e do
relator, manter a supressão em alguns artigos e recuperar o texto em outras. Pode ser um texto entre o que foi aprovado na Câmara e no Senado”, salientou.

Veja Também:  Conceito de entidade familiar deve prever união homoafetiva, diz STF

Ele voltou a defender que não há necessidade de aumentar o fundo eleitoral em relação ao valor de 2018, de R$ 1,7 bilhão. No texto aprovado pela Câmara e pelo Senado , o montante
está apenas atrelado à Lei Orçamentária Anual. Um acordo entre líderes e o governo, então, pode definir o tamanho do fundo.

“A coisa mais importante na política é a palavra, são os acordos. Todo mundo entende que uma eleição municipal deva custar mais que uma eleição nacional, só que nós vivemos uma
crise, então precisamos também sinalizar para a sociedade que a gente precisa ter tranquilidade no processo eleitoral, mas respeitando a realidade econômica do país”, ressaltou.

Leia também: Delator de pagamento de propinas a Aécio Neves e Edison Lobão é encontrado morto

O presidente da Câmara contemporiza as críticas feitas ao projeto nesta semana por entidades que defendem a transparência nas contas públicas.

“Nós sabemos que tem polêmica, durante a votação sabíamos que alguns artigos iriam gerar polêmica e geraram. Por isso que o sistema democrático bicameral é bom. Uma Casa vota, a
outra vai revisar. Entre uma votação e outra, a sociedade estuda, questiona, critica, bate. Bate com força, às vezes dói, mas é assim que é a democracia. Graças a Deus a gente
tem quem possa nos criticar no nosso país”, completou Maia .

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana