conecte-se conosco


Policia Federal

PF fecha bingo no Rio de Janeiro/RJ

Publicado

Rio de Janeiro/RJ – Nesta quarta-feira (6/11), a Polícia Federal fechou um bingo clandestino no bairro de Copacabana.

No local foram encontradas cerca de 43 máquinas caça níqueis, além de 70 gabinetes para novas máquinas.

Durante a ação também foram apreendidas 43 placas-mãe. Ninguém foi preso.

 

  

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio de Janeiro

cs.srrj@dpf.gov.br | www.pf.gov.br

(21) 2203-4404 / 4405 / 4406 / 4407

Fonte: Polícia Federal
Veja Também:  Juiz determina saída de Lula da prisão após decisão do STF
publicidade

Policia Federal

PF apreende mais de 10 kg de cocaína no Aeroporto de São Paulo

Publicado

Guarulhos/SP – A Polícia Federal prendeu, entre os dias 8 e 10/11, no Aeroporto Internacional de São Paulo, quatro passageiros de voos internacionais com drogas ocultas no corpo e em fundos falsos de malas.

Na quinta-feira (8), um brasileiro, de 19 anos, foi preso tentando passar pelo controle migratório com quase três quilos de cocaína oculta em fundos falsos de uma mala de mão. O homem pretendia embarcar com destino ao Moçambique.

Na sexta-feira (9), uma mulher, nacional de Angola, 36 anos, foi flagrada vestindo, sob as vestes, uma espécie de cinta modeladora contendo dois quilos de cocaína, distribuídos em oito volumes. A presa, que embarcaria em voo para seu país natal, disse aos policiais que foi ameaçada de morte pelo traficante, caso se recusasse a transportar a droga.

Um casal de brasileiros, que pretendia embarcar para Portugal, teve suas bagagens analisadas pelos policiais federais, por meio do raio-x no porão de bagagens. Eles foram presos após os peritos federais encontrarem quase seis quilos de cocaína ocultos nas estruturas de suas duas malas. O casal, de 37 e 35 anos, é oriundo do estado do Paraná.

Veja Também:  Operação Hórus apreende cigarros paraguaios

Os presos serão conduzidos aos presídios estaduais, onde permanecerão à disposição da Justiça.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos

Contato: (11) 2445-2212

Fonte: Polícia Federal
Continue lendo

Policia Federal

Polícia Federal deflagra operação que visa esclarecer atos irregulares durante o ENEM

Publicado

Fortaleza/CE – A Polícia Federal deflagrou hoje, 09/11, a Operação Thoth* que visa recolher elementos probatórios que esclareçam os atos irregulares cometidos durante a aplicação de provas do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, no último fim de semana.

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela 12ª Vara Federal de Fortaleza, nas casas de aplicadoras dos exames, suspeitas dos citados atos, e identificadas mediante levantamento realizado em cooperação com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP.

Durante as buscas, foram apreendidos os celulares das aplicadoras que serão submetidos à perícia.

As investigações continuam para apurar todas as circunstâncias dos fatos.

As duas suspeitas poderão ser indiciadas pelo crime de Fraude em Certames de Interesse Público, Art. 311-A, III do Código Penal Brasileiro e, caso condenadas, estarão sujeitas a penas que podem chegar, considerada ainda a causa de aumento de pena do parágrafo 3º, a mais de cinco anos de reclusão, além de multa.

Veja Também:  PF apreende menor com 10 kg de maconha no Paraná

A PF segue investigando, com o apoio do INEP, outros casos relatados no Rio de Janeiro e na Bahia.

* ThothÉ o deus egípcio da escrita e da sabedoria. Os egípcios acreditavam que ele criara os Hieróglifos (caracteres utilizados para a escrita no Egito antigo). Thoth era também conhecedor da matemática, astronomia, magia e representava todos os conhecimentos científicos, o que traduz o universo em que estão envolvidos os candidatos do ENEM.

 

Comunicação Social da PF61 2024 8142imprensa@dpf.gov.br

 

 

Fonte: Polícia Federal
Continue lendo

Policia Federal

Juiz determina saída de Lula da prisão após decisão do STF

Publicado

Defesa de Lula pediu a soltura dele após decisão do STF — Foto: Reprodução

Defesa de Lula pediu a soltura dele após decisão do STF — Foto: Reprodução

O juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, aceitou nesta sexta-feira (8) o pedido da defesa do ex-presidente do República Luiz Inácio Lula da Silva e o autorizou a deixar a prisão.

Condenado em duas instâncias no caso do triplex, Lula ficou 1 ano e 7 meses preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) de Curitiba. Agora, ele terá o direito de recorrer em liberdade e só vai voltar a cumprir a pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias após o trânsito em julgado.

Os advogados pediram a soltura do petista depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou a prisão após condenação em segunda instância.

Na quinta-feira (7), por 6 votos a 5, o STF mudou um entendimento de 2016 e decidiu que, segundo a Constituição, ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado (fase em que não cabe mais recurso) e que a execução provisória da pena fere o princípio da presunção de inocência.

“A decisão da Suprema Corte confirma aquilo que nós sempre dissemos, que não havia a possibilidade de execução antecipada da pena”, disse Cristiano Zanin, advogado de Lula, logo após pedir o alvará de soltura.

Na decisão pela soltura, o juiz ressalta que, a partir da decisão do STF, “firmou-se novo entendimento, no sentido de que a execução penal provisória, antes de findadas as oportunidades para recurso, somente é cabível quando houver sido decretada a prisão preventiva do sentenciado, nos moldes do artigo 312 do Código Processo Penal”.

Período na prisão

Lula ficou preso em uma sala especial – garantia prevista em lei. A sala tem 15 metros quadrados e fica no 4º andar do prédio da PF. O local tem cama, mesa e banheiro de uso pessoal. A Justiça autorizou que ele tivesse uma esteira ergométrica na sala.

O ex-presidente tinha os requisitos necessários para progredir para o regime semiaberto: atingiu 1/6 da pena em 29 de setembro deste ano. Mas a mudança ainda não tinha sido analisada pela juíza.

Durante o período na prisão, Lula deixou a sede da PF em duas ocasiões: para ir ao interrogatório no caso do sítio de Atibaia, que ocorreu em novembro de 2018, e ao velório do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos, em São Bernardo do Campo (SP), em março deste ano.

Condenações e processos

Na primeira instância, em decisão do então juiz Sérgio Moro, a pena imposta a Lula era de 9 anos e 6 meses, por corrupção e lavagem de dinheiro.

O juiz entendeu que Lula recebeu o triplex do Guarujá como propina da construtora OAS para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras. O ex-presidente afirma ser inocente.

Depois, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) elevou a pena para 12 anos e 1 mês. Em abril deste ano, o tempo foi reduzido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) a 8 anos, 10 meses e 20 dias.

Na Lava Jato, o ex-presidente também foi condenado em primeira instância pela juíza substituta Gabriela Hardt por corrupção e lavagem de dinheiro por ter recebido propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP), em fevereiro deste ano.

A pena de Lula nesse processo é de 12 anos e 11 meses. A defesa recorreu, e a ação ainda não foi julgada pelo TRF4.

Lula nega as acusações.

O ex-presidente responde a mais seis processos. Ele foi o primeiro ex-presidente do Brasil condenado por crime comum.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana