conecte-se conosco


Política Nacional

“PSL está de braços abertos para você”, diz Frota a Tabata Amaral

Publicado

Tabata Amaral arrow-options
Divulgação
“PSL está de braços abertos para você”, diz Frota a Tabata Amaral

O vota da deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) a favor da reforma da Previdência ainda reverbera nos corredores do Congresso. A parlamentar e outros sete do partido, que é de oposição ao governo, correm risco de expulsão da sigla por conta do posicionamento.

Leia também: “Faltou experiência e maturidade”, diz presidente do PDT sobre Tabata Amaral

No entanto, se depender de Alexandre Frota (PSL-SP), a colega ficará pouco tempo sem partido. Em uma publicação em suas redes sociais, o parlamentar convidou para se juntar à sigla do presidente Jair Bolsonaro: ” Tabata Amaral o PSL está de braços abertos pra você. Partido não vai faltar. Força aí”, escreveu.





De acordo com o PDT, a sigla abrirá um processo interno na Comissão de Ética do partido contra os oito deputados que contrariaram a orientação partidária e votaram a favor do texto base da reforma da Previdência. A assessoria de imprensa do partido informou que, diante da divergência dos votos desses parlamentares em relação a um posicionamento aprovado por maioria do diretório nacional, “tem um rito estatutário que vai ser seguido”. A decisão final — que poderia ser de expulsão — caberá ao diretório nacional do partido.

Veja Também:  “Passar fome no Brasil é uma grande mentira”, diz Bolsonaro

Em entrevista ao jornal O Dia, o presidente nacional do PDT , Carlos Lupi disse que vê a decisão de Tabata como falta de experiência e imaturidade, mas que não deixará que o PDT pague por isso: “Fazer ela de Cristo ou de vítima, para colocar o partido como algoz… Eu estou velho para isso. Nessa eu não caio. Já estamos tão desmoralizados, se isso passar em branco, se não acontecer nada, aí é muito ruim”.

Ele afirmou ainda que existia, sim, o objetivo de colocar Tabata como possível candidata à Prefeitura de São Paulo nas próximas eleições, mas que o episódio pode fazer com que a ideia seja descartada. Entretanto, disse que vai avaliar bem o caso para evitar que uma expulsão possa prejudicar o partido. 

“Hoje, alguns desafiam para ser expulsos por causa do parecer no Supremo que diz que, quando o deputado sofre expulsão, o partido não pode pedir o mandato de volta. Tudo isso vamos pesar, porque ninguém aqui é bobo”, garantiu Lupi. 

Leia também: Depois de aprovar texto-base da reforma, Câmara vota hoje emendas e destaques

Veja Também:  Lava Jato recupera mais R$ 67 milhões desviados da Petrobras no exterior

Por fim, ele ainda fez questão de ressaltar que tem origem “tão ou mais humilde” do que a Tabata Amaral e que o PDT não irá acabar se ela sair: “O partido, a instituição, é mais forte que as pessoas. Quando as pessoas acham que elas são mais fortes que as instituições, tem alguma coisa errada. As instituições são perenes, as pessoas são passageiras”.

Fonte: IG Política
publicidade

Política Nacional

Bolsonaro afirma que vai fazer corte R$ 2,5 bilhões no Orçamento federal

Publicado

Bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR
“Deve ter um novo corte agora, de R$ 2,5 bilhões, uma merreca”, diz o presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, neste sábado (20), que o governo deve anunciar um novo corte – dessa vez de R$ 2,5 bilhões – no Orçamento federal. O anúncio deve fazer parte da divulgação do próximo relatório bimestral de receitas e despesas, na segunda-feira (22).  O documento avalia o comportamento da arrecadação e dos gastos do governo.

Leia também: Grupo terrorista tem plano para matar família Bolsonaro e ministros, diz revista

Segundo o presidente, a medida evita que o “governo pare”, e a opção sobre a mesa indica que um ministério, ao invés de vários, seja penalizado. 

“Nós queremos evitar que o governo pare, dado o orçamento nosso completamente comprometido. Deve ter um novo corte agora, de R$ 2,5 bilhões, uma merreca, concorda que é uma merreca? Perto de um orçamento trilionário nosso, é pouca coisa, perto de um orçamento de trilhão, R$ 2,5 bilhões é pouco”, diz Bolsonaro .

O presidente afirmou que, numa escolha difícil, um único ministério deverá ser penalizado, mas não deu detalhes sobre a pasta em questão.

Veja Também:  “Se Deus quiser não teremos mais FHCs e Lulas” na política, diz Bolsonaro

Leia também: Bolsonaro diz que imprensa “morre de saudade do PT”

“O que estamos decidindo com a equipe econômica: em vez de cortar seis, sete ou oito ministérios, corta de um só, vamos matar um ministério só. Estou sendo obrigado a decidir, vamos ter que decidir como um filho. Como nós poderemos tirar o Brasil do sufoco, meu Deus do céu? Caso contrário eu pedalo, eu entro na lei de responsabilidade fiscal, é um impeachment contra mim, tá certo?”, afirma. 

Informações truncadas

Na última quinta-feira (18), o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que não haveria novo bloqueio de recursos no Orçamento federal. Já o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, havia dito na semana anterior que ocorreria, sim, um novo contingenciamento de recursos, mas que o governo preparava medidas de aumento de receita para evitar mais bloqueios.

Leia também: Bolsonaro afirma que vai indicar substituto de Dodge na PGR até 17 de agosto

Veja Também:  Lava Jato recupera mais R$ 67 milhões desviados da Petrobras no exterior

Um dos motivos para o corte de gastos é a fraca recuperação da economia. Todo o Orçamento de 2019 foi elaborado no ano passado considerando um crescimento de 2,5% para o PIB. Em março deste ano, porém, o governo baixou a estimativa para 2,2%. Em maio, para 1,6%. Na semana passada, o governo reduziu ainda mais as projeções de crescimento da economia, para 0,81%.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Com gasto de até R$600 por refeição, deputado Anibelli Neto tem bens bloqueados

Publicado

Deputado nega acusações que partiu de uma ONG que fiscaliza gastos de deputados no Paraná arrow-options
Dálie Felberg/Alep
Em nota à imprensa, o deputado afirma que as prestações de contas estão disponíveis no Portal da Transparência e que foram aprovadas pela Assembleia Legislativa do Paraná


Após denúncias da ONG Vigilantes da Gestão, a Justiça mandou bloquear mais de R$ 175 mil em bens do deputado estadual Anibelli Neto (MDB-PR). A ONG suspeitou de  prestações de contas do parlamentar,  que pediu ressarcimento para a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Na decisão, o juiz Jailton Tontini, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, afirma que o reembolso das despesas desrespeitou as normas da Assembleia .

Depois de análise na listagem dos reembolsos , a Justiça entendeu que nem todas deveriam ter sido devolvidas ao deputado

Leia também: Conheça Boca Aberta, o polêmico deputado que homenageou Moro com troféu na CCJ

A decisão, no entanto, é liminar e cabe recurso por parte da defesa do parlamentar. 

Ao encontrar sinais de inconformidade com as regras da Casa, a ONG Vigilantes da Gestão questionou na Justiça os gastos do deputado. No questionamento, a organização afirma que o parlamentar pediu, entre 2014 e 2019, de apenas um restaurante, 131 reembolsos  

Veja Também:  “Se Deus quiser não teremos mais FHCs e Lulas” na política, diz Bolsonaro

 O deputado pediu que a Alep devolvesse valores de refeições em restaurantes italianos, churrascarias, fast food , panificadores, lanchonetes e até bares. 

Segundo o documento obtido pela ong, em alguns desses lanches o deputado gastou R$600. Em apenas uma padaria, o deputado teria consumido R$391. 

Leia também: Deputada alvo de ofensas após usar decote responde: “Inaceitável é a corrupção”

Em cinco anos, conforme a ONG , o deputado pediu o montante de R$233 mil em gastos com alimentação, sendo que R$ 175 mil foram em Curitiba, onde trabalha e vive com a família. 

Em nota enviada à imprensa, o deputado Anibelli Neto explica que as prestações de contas foram aprovadas pela Alep . Ele ainda diz que os dados estão no Portal da Transparência, onde a ONG denunciante se baseou para denunciá-lo. 

“O deputado destaca ainda que segue rigorosamente as normas estabelecidas pela comissão executiva da Assembleia. Anibelli Neto não é o primeiro deputado alvo desta ONG e, até por isso, segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano, a mesa executiva editou um novo ato normativo para dar mais clareza às normas e evitar interpretações errôneas”, complementa a nota.

Veja Também:  Oposição ameaça chamar ministro para explicar suspensão de contratos de remédios

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Bolsonaro afirma que vai indicar substituto de Dodge na PGR até 17 de agosto

Publicado

Raquel Dodge e Bolsonaro arrow-options
Divulgação/Governo de Transição
Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em conversa com o presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (20) que pretende indicar o novo procurador-geral da República até 17 de agosto, um mês antes do fim do mandato da atual PGR Raquel Dodge. A antecedência é necessária porque o nome escolhido ainda precisa ser sabatinado e aprovado no Senado , para que a indicação seja efetiva.

Leia também: Bancada da bala defende que Bolsonaro escolha nome da lista tríplice para a PGR

Questionado sobre o assunto durante entrevista na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente, Bolsonaro antes perguntou aos repórteres qual era a data do fim do mandato de Raquel Dodge na PGR — que vai até 17 de setembro.

“Uns 30 dias antes, então, mais ou menos no máximo 17 de agosto vai ter fumacinha branca”, afirmou, fazendo uma referência à fumaça simbólica expelida pela Capela Sistina para anunciar a escolha de um novo papa.

Esta é a corrida para PGR mais acirrada da instituição. Estão na disputa pelo cargo os três nomes mais votados na lista tríplice formada por uma votação interna da categoria — na ordem de votos, são eles: o subprocurador Mário Bonsaglia, a subprocuradora Luiza Frischeisen e o procurador regional Blal Dalloul — e também dois outros nomes que correm por fora da lista: a atual PGR Raquel Dodge , que busca um segundo mandato, e o subprocurador Augusto Aras.

Veja Também:  Bolsonaro diz que não se referiu aos nordestinos com o termo “paraíba”

Leia também: Dodge diz ser contra anulação da sentença de Lula no caso tríplex

Cabe ao presidente da República indicar o PGR , com base em critérios exigidos constitucionalmente como tempo de serviço. A lista tríplice, porém, vem sendo respeitada pelos presidentes da República desde 2003 na escolha de um nome, como forma de prestigiar a vontade da categoria. Bolsonaro até agora não se comprometeu de que irá respeitar a lista e tem dado declarações vagas sobre a escolha.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana