conecte-se conosco


Economia

Reforma administrativa pode virar ‘veneno’ com dosagem errada, diz Bolsonaro

Publicado

source
bolsonaro arrow-options
Isac Nóbrega/PR

Bolsonaro disse que reforma administrativa pode virar ‘veneno’ se tiver dosagem errada

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (2) que é preciso tomar cuidado com a “dosagem” da reforma administrativa para que ela não se transforme em um “veneno”. Em entrevista à Rádio Itatiaia, ele disse que a equipe econômica entendeu sua decisão de adiar o envio da reforma.

Leia também: Bolsonaro não cumpre promessas e enfraquece Bolsa Família para 2020

“A questão da administrativa é questão do tempo. Temos que saber a dosagem, porque às vezes um remédio muito forte pode transformar-se em um veneno. E essa preocupação existe, a equipe econômica entendeu”, afirmou Bolsonaro .

O presidente disse estar “perfeitamente alinhado” com o ministro da Economia, Paulo Guedes , e afirmou que, enquanto a equipe econômica pensa em “números”, ele cuida da “parte social e política”.

“Eu sei que lá o pessoal pensa muito em números, mas na parte social e política, fica para o meu encargo. Assim como ouço o Paulo Guedes, 90% do que ele fala, ele me ouve 90% a minha posição política. Estamos perfeitamente alinhados no tocante a isso daí”.

Veja Também:  Governo libera novo saque do FGTS, que estará disponível a partir do dia 20, diz Caixa

Com a reforma administrativa , o governo quer reduzir o que considera privilégios de algumas categorias de servidores e cortar as despesas com pessoal, o segundo maior gasto do Executivo, depois da Previdência.

Em entrevista ao GLOBO publicada no domingo, Guedes afirmou que Bolsonaro apoia as reformas, mas está preocupado com o “timing político”.

Leia também: Trump acusa Brasil de desvalorizar moeda e promete retomar tarifas; entenda

“O presidente apoiou o programa até hoje. Apoiou a reforma da Previdência , o pacto federativo, mas diz que é uma questão de timing político. É falso dizer que o presidente não apoia a reforma administrativa, por exemplo. É timing político”, explicou.

Fonte: IG Economia
publicidade

Economia

Bolsonaro diz que hoje Brasil é um país favorável a se investir e gerar empregos

Publicado

source
Presidente Jair Bolsonaro, do PSL arrow-options
Agência Brasil – Alan Santos/PR

Presidente Jair Bolsonaro, do PSL

O presidente Jair Bolsonaro comemorou, em sua conta no Twitter, a nova marca recorde do principal índice à vista da Bolsa brasileira, o Ibovespa, e o menor nível do risco Brasil em sete anos. Na sexta-feira (13), O Ibovespa fechou com valorização de 0,33%, aos 112.564,86 pontos, em nova máxima histórica, pelo segundo dia consecutivo. Já o Credit Default Swap (CDS) do Brasil caiu de 102,97 para 100,89 pontos, ficando no patamar mais baixo desde 7 de novembro de 2012 (100,25 pontos).

LEIA MAIS: Agora vai? Veja o que o governo e o mercado esperam de 2020

“Durante a recessão de 2015, o Risco Brasil, índice que acompanha a confiança dos investidores, chegou a quase 500 pontos. Ontem o Risco atingiu 100,89 pontos, o menor nível desde 2012, e a bolsa de valores fechou acima de 112 mil pontos, renovando sua máxima histórica”, escreveu o presidente .

De acordo com Bolsonaro , esses números sinalizam que “o Brasil é hoje um país favorável para se investir, fazer negócios e gerar empregos.”

Veja Também:  Homem consegue emprego em supermercado após segurar faixa por horas e viralizar

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

WhatsApp: saiba como evitar golpes e desinformação

Publicado

source
Whatsapp arrow-options
shutterstock

Whatsapp é o app mais utilizado pelos brasileiros, diz pesquisa

O WhatsApp , segundo pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e Senado, é a principal fonte de informação dos entrevistados: 79% disseram receber notícias sempre pela rede social, que tem mais de 136 milhões de usuários no Brasil. Mas em era de ampla conectividade, a ferramenta, que poderia ser uma poderosa aliada, acaba virando isca para atrair os mais inocentes, dar golpe em lojistas, e espalhar vírus, além de disseminar informações falsas.

LEIA MAIS: Brasileiros devem comprar menos no Natal

Para se ter uma ideia, mais de R$ 500 milhões em fraudes foram evitadas no ecommerce no terceiro trimestre, segundo levantamento da ClearSale, companhia de segurança cibernética. Segundo a companhia, o tipo de fraude mais comum é usar dados de cartão de crédito de terceiros, sem que a pessoa saiba, o famoso roubo de dados. “Os celulares são os itens mais visados, pois são mais fáceis de serem revendidos”, informa a ClearSale.

E como não ter os dados roubados ? “É importante que o comprador verifique a procedência do site, desconfiar de grandes descontos para o pagamento em boleto e checar se o site é seguro e priorizar a compra por cartão de crédito, pois em caso de fraude é possível solicitar o estorno junto à operadora financeira”, aponta Omar Jarouche, diretor de Soluções da ClearSale. E acrescenta: “Quando o pagamento é feito via boleto ou transferência, dificilmente o comprador conseguirá reaver o dinheiro pago”.

Veja Também:  Abono salarial PIS/Pasep pode passar a ser inferior a um salário mínimo; entenda

Lojistas ‘levam o cano’

E as fraudes não se limitam ao consumidor, o lojista também acaba sendo vítima desse tipo de golpe. No caso de fraudes no comércio eletrônico (e-commerce), o prejuízo, quando é feita uma compra fraudulenta via cartão de crédito clonado, é do lojista. Então, é importante que a empresa tenha uma operação antifraudes, para evitar prejuízos. Isso porque o consumidor ao identificar uma compra não autorizada faz o estorno do valor e quem fica no prejuízo é o lojista.

Com o crescimento das atividades online, há também uma atenção maior das empresas para evitar que as fraudes ocorram. Levantamento realizado pela ClearSale aponta que R$ 500.939.672,12 em fraudes foram evitadas entre julho e setembro deste ano, 83% a mais do que o mesmo período de 2018, quando foram registradas mais de R$ 274 milhões. Para o levantamento foram analisados mais de R$ 4 bilhões em compras pela internet.

Na comparação por regiões, o Sudeste figura como a região com o maior valor de fraudes evitadas, 55%, e mais de R$ 92 milhões, seguido do Nordeste, 23%, Centro-Oeste e Sul, com 9% cada, e Norte, 5%. O levantamento analisou as compras realizadas pela internet, pagas com cartão de crédito e com valor máximo de R$ 100 mil, nos meses de julho, agosto e setembro de 2018 e 2019.

Veja Também:  Veja pesquisa: Natal deve levar brasileiros às compras, mas para comprar menos

LEIA MAIS: Bolsonaro diz que Brasil é favorável para investimentos e empregos

“Atualizamos e ajustamos constantemente nossos modelos de análises antifraude, tanto com a utilização de novas tecnologias, como o uso de novos elementos de inteligência de estatística. Isso possibilita aprimorarmos o perfil de comportamento de compras dos clientes e a identificarmos vulnerabilidades nos processos de compras”, explica Omar Jarouche.

Objetos de desejo

A compra de celulares concentra o maior registro de tentativa de fraude, com 9,61%%, seguido por games, 6,36%, bebidas, 5,10%, eletrônicos, 4,66% e Itens de informática, 4,29%. Os produtos mais visados são aqueles com maior facilidade de serem repassados ao mercado paralelo, como os smartphones, categoria que conta com lançamentos constantemente e alta demanda dos consumidores.

“Para evitar que fraudes ocorram, é importante sempre manter boas práticas na internet e um olhar vigilante, como o uso de senhas fortes, checar a procedência de e-mails e de mensagens recebidas no celular”, destaca Jarouche.

Para não ser vítima de fraudes, o consumidor deve evitar realizar compras em sites suspeitos, e preferir o cartão de crédito como forma de pagamento. Ao optar por esse método em vez do boleto ou transferência bancária, o cliente consegue contestar a cobrança junto ao banco, o que não é possível com os outros métodos.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

WhatsApp: saiba como evitar golpes e desinformação

Publicado

source
Whatsapp arrow-options
shutterstock

Whatsapp é o app mais utilizado pelos brasileiros, diz pesquisa

O WhatsApp , segundo pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e Senado, é a principal fonte de informação dos entrevistados: 79% disseram receber notícias sempre pela rede social, que tem mais de 136 milhões de usuários no Brasil. Mas em era de ampla conectividade, a ferramenta, que poderia ser uma poderosa aliada, acaba virando isca para atrair os mais inocentes, dar golpe em lojistas, e espalhar vírus, além de disseminar informações falsas.

LEIA MAIS: Brasileiros devem comprar menos no Natal

Para se ter uma ideia, mais de R$ 500 milhões em fraudes foram evitadas no ecommerce no terceiro trimestre, segundo levantamento da ClearSale, companhia de segurança cibernética. Segundo a companhia, o tipo de fraude mais comum é usar dados de cartão de crédito de terceiros, sem que a pessoa saiba, o famoso roubo de dados. “Os celulares são os itens mais visados, pois são mais fáceis de serem revendidos”, informa a ClearSale.

E como não ter os dados roubados ? “É importante que o comprador verifique a procedência do site, desconfiar de grandes descontos para o pagamento em boleto e checar se o site é seguro e priorizar a compra por cartão de crédito, pois em caso de fraude é possível solicitar o estorno junto à operadora financeira”, aponta Omar Jarouche, diretor de Soluções da ClearSale. E acrescenta: “Quando o pagamento é feito via boleto ou transferência, dificilmente o comprador conseguirá reaver o dinheiro pago”.

Veja Também:  Veja pesquisa: Natal deve levar brasileiros às compras, mas para comprar menos

Lojistas ‘levam o cano’

E as fraudes não se limitam ao consumidor, o lojista também acaba sendo vítima desse tipo de golpe. No caso de fraudes no comércio eletrônico (e-commerce), o prejuízo, quando é feita uma compra fraudulenta via cartão de crédito clonado, é do lojista. Então, é importante que a empresa tenha uma operação antifraudes, para evitar prejuízos. Isso porque o consumidor ao identificar uma compra não autorizada faz o estorno do valor e quem fica no prejuízo é o lojista.

Com o crescimento das atividades online, há também uma atenção maior das empresas para evitar que as fraudes ocorram. Levantamento realizado pela ClearSale aponta que R$ 500.939.672,12 em fraudes foram evitadas entre julho e setembro deste ano, 83% a mais do que o mesmo período de 2018, quando foram registradas mais de R$ 274 milhões. Para o levantamento foram analisados mais de R$ 4 bilhões em compras pela internet.

Na comparação por regiões, o Sudeste figura como a região com o maior valor de fraudes evitadas, 55%, e mais de R$ 92 milhões, seguido do Nordeste, 23%, Centro-Oeste e Sul, com 9% cada, e Norte, 5%. O levantamento analisou as compras realizadas pela internet, pagas com cartão de crédito e com valor máximo de R$ 100 mil, nos meses de julho, agosto e setembro de 2018 e 2019.

Veja Também:  Caixa vai divulgar o novo calendário de saque do FGTS

LEIA MAIS: Bolsonaro diz que Brasil é favorável para investimentos e empregos

“Atualizamos e ajustamos constantemente nossos modelos de análises antifraude, tanto com a utilização de novas tecnologias, como o uso de novos elementos de inteligência de estatística. Isso possibilita aprimorarmos o perfil de comportamento de compras dos clientes e a identificarmos vulnerabilidades nos processos de compras”, explica Omar Jarouche.

Objetos de desejo

A compra de celulares concentra o maior registro de tentativa de fraude, com 9,61%%, seguido por games, 6,36%, bebidas, 5,10%, eletrônicos, 4,66% e Itens de informática, 4,29%. Os produtos mais visados são aqueles com maior facilidade de serem repassados ao mercado paralelo, como os smartphones, categoria que conta com lançamentos constantemente e alta demanda dos consumidores.

“Para evitar que fraudes ocorram, é importante sempre manter boas práticas na internet e um olhar vigilante, como o uso de senhas fortes, checar a procedência de e-mails e de mensagens recebidas no celular”, destaca Jarouche.

Para não ser vítima de fraudes, o consumidor deve evitar realizar compras em sites suspeitos, e preferir o cartão de crédito como forma de pagamento. Ao optar por esse método em vez do boleto ou transferência bancária, o cliente consegue contestar a cobrança junto ao banco, o que não é possível com os outros métodos.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana