conecte-se conosco


Agro News

Aprosoja participa da DINETEC, em Canarana

Publicado


Fortalecimento Institucional

Aprosoja participa da DINETEC, em Canarana

Na oportunidade, Fernando Cadore faz reunião com a base em busca de demandas

13/01/2021

Presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Fernando Cadore, participou, nesta quarta-feira (13.01), da abertura da feira Dia de Negócios e Tecnologias – DINETEC, em Canarana, região Leste do Estado. Evento acontece desde 2015 com objetivo de fortalecer a classe produtora e aquecer a economia local e pode ser visitado até sexta-feira (15.01).

Na oportunidade o presidente salientou a importância da DINETEC e enfatizou os trabalhos do agronegócio que não pararam mesmo diante da pandemia causada pela Covid-19. “Canarana desponta nessa questão em ter uma vitrine tecnológica. Eventos como esses precisam ser valorizados, pois mostram o nosso setor, e a necessidade de ser mais valorizado, pois mesmo diante de uma crise sanitária não parou e segurou o país em meio tantas dificuldades. Aprosoja Mato Grosso é parceira para todo projeto que enalteça o produtor rural”, pontuou Cadore.

Veja Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Ritmo de negócios cresce, mas preço segue enfraquecido

Estande

Participação da Aprosoja Mato Grosso na feira também está marcada por um estande que proporciona atendimento aos produtores rurais que visitam o evento, como atualização cadastral, novas associações e retirada de brindes.

Quem passa por lá também tem oportunidade de conhecer mais sobre os programas e projetos da entidade, como AgroSolidário, Soja Plus, Guardião das Águas, Classificador Legal, Semente Forte, dentre outros.

Somente pela manhã, cerca de 100 pessoas já passam pelo local e conheceram mais sobre os trabalhos da Aprosoja.

Reunido com a base

Além da participação na DINETEC, Fernando Cadore se reuniu com produtores da região para levantar demandas especificas da localidade. “Essa será a primícia da nossa gestão, estar mais presente, ouvir a base, buscar as demandas e transformá-las em pleitos. Hoje viemos à região Leste e na próxima semana já temos agenda na região Oeste, em Campo Novo do Parecis”, detalhou.

Fonte: APROSOJA

publicidade

Agro News

IPPA/CEPEA: Após 10 meses sucessivos de alta, IPPA/Cepea cai em dezembro

Publicado


Cepea, 20/01/2021 – Depois de avançar por 10 meses consecutivos, o IPPA/CEPEA (Índice de Preços ao Produtor de Grupos de Produtos Agropecuários) registrou queda em dezembro, de 5,8%, em termos nominais, frente a novembro. O resultado do índice geral reflete as variações negativas observadas nos índices IPPA-Grãos, de 9,5%, e do IPPA-Pecuária, de 4,9%. Por outro lado, o IPPA-Hortifrutícolas subiu 10,4% de novembro para dezembro e o IPPA-Cana-Café, 2,4%. Entre os grãos, todos os itens que compõem o índice registraram queda, com destaque para o importante recuo observado no preço da soja. Na pecuária, por sua vez, o resultado do índice foi conduzido pelas desvalorizações dos suínos e dos bovinos. Já dentre os hortifrutícolas, as altas registradas para a banana e, de forma mais sutil, para laranja, garantiram o avanço observado para o índice, apesar das baixas nos preços do tomate e da uva. Por fim, as elevações observadas para a cana-de-açúcar e para o café explicam o desempenho do índice composto por esses produtos. Na mesma comparação, o IPA-OG-DI Produtos Industriais, calculado e divulgado pela FGV, teve alta de 3% – assim, de novembro para dezembro, os preços agropecuários se desvalorizaram frente aos industriais da economia. É importante destacar que, mesmo com as quedas dos grãos e da pecuária registradas em dezembro, o IPPA teve alta importante frente aos preços industriais em 2020, que foi de 19%. Para o IPPA-Grãos e para o IPPA-Pecuária, os aumentos relativos foram de expressivos 29,7% e 15,5%, respectivamente. O IPPA-Cana-Café subiu 2,6% frente aos preços industriais no acumulado do ano. O IPPA-Hortifrutícolas foi o único que recuou no ano passado, 0,6% frente ao IPA-OG-DI- Produtos Industriais. Fonte: www.cepea.esalq.usp.br 

Veja Também:  TRIGO/CEPEA: Valores internos seguem avançando, mas liquidez ainda é baixa
Fonte: CEPEA

Continue lendo

Agro News

CAFÉ/CEPEA: Arábica avança 7,2% na parcial de janeiro

Publicado


Cepea, 20/01/2021 – Dados levantados pelo Cepea mostram que os preços do café arábica seguem em forte alta no Brasil. Na parcial deste mês (de 30 de dezembro de 2020 a 19 de janeiro), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, posto na capital paulista, avançou 43,85 Reais por saca de 60 kg (ou +7,2%). Na sexta-feira, 15, especificamente, o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 renovou o recorde nominal da séria do Cepea (iniciada em 1996), quando fechou a R$ 651,99/sc. Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso vem da alta externa e, sobretudo, da retração de vendedores no spot nacional. Neste caso, ressalta-se que a maior parte dos produtores segue afastada do mercado, tendo em vista o elevado percentual de café já comercializado anteriormente e a expectativa de quebra de produção na safra 2021/22. Fonte: www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: CEPEA

Veja Também:  ALGODÃO/CEPEA: Preços continuam operando em recordes nominais
Continue lendo

Agro News

CENOURA/CEPEA: Colheita ganha força, e preços podem cair ainda mais até o fim do mês

Publicado


Cepea, 20/1/2021 – As cotações das cenouras estão em queda em quase todo o Brasil neste mês de janeiro, exceto nos estados do Sul. Segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, o mercado começou a dar sinais de baixa já na segunda quinzena de dezembro, quando as vendas ficaram abaixo do esperado em MG e GO durante as festividades de Natal e Ano Novo. Com o início da colheita da temporada de verão, os preços médios no último mês de 2020 registraram queda de 6,8% em relação a novembro, sendo a caixa de 29 kg de “suja” comercializada por R$ 28,26. Ainda assim, a rentabilidade dos produtores permaneceu positiva, com preços bem superiores aos custos de produção. Com a chegada de 2021, a colheita da safra de verão ganhou força, principalmente em São Gotardo (MG), elevando a oferta. Nesse cenário, os preços caíram de forma significativa: na parcial de janeiro (1° a 15), a caixa de 29 kg de “suja” foi comercializada na média de R$ 22,85, 19% abaixo da média de dezembro. No início de fevereiro, a expectativa é de que haja um maior descarte nas lavouras, devido ao clima quente e úmido de verão – o que pode reduzir a oferta de raízes no mercado. Fonte: www.cepea.esalq.usp.br

Veja Também:  Resultados de pesquisas de soja em solos arenosos são apresentados no CAD Parecis
Fonte: CEPEA

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana