conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro diz que ficar em casa na pandemia é “conversinha mole”

Publicado


source
Bolsonaro participou de lançamento simbólico do plantio de soja no Mato Grosso
Alan Santos/PR

Bolsonaro participou de lançamento simbólico do plantio de soja no Mato Grosso

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse em visita ao norte no Mato Grosso nesta sexta-feira (18) que ficar em casa em meio à pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), é “conversinha mole”.

Em uma agenda que estava cumprindo no estado, Bolsonaro parabenizou os produtores agrícolas que não pararam de trabalhar durante a pandemia e “não entraram na conversinha mole de ficar em casa”.

“Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram na conversinha mole de ‘fica em casa’. Isso é para os fracos”, afirmou o presidente a uma plateia de produtores rurais e apoiadores na cidade de Sorriso.

Hoje o presidente também participou da entrega simbólica de títulos de propriedades rurais a agricultores familiares da região no aeroporto Adolino Bedin, que fica na mesma cidade. Ele foi recepcionado aos gritos de “mito”.

Veja Também:  Governadores enviam carta a Alcolumbre para retomar diálogo sobre vacina

Antes dessa cerimônia, o Bolsonaro fez parada em uma inauguração simbólica de uma fábrica de etanol de milho, que funciona há mais de um ano no município vizinho de Sinop.

O local estava cheio de apoiadores do presidente envoltos na bandeira brasileira no que foi considerado uma homenagem do setor ruralista chefe deo Executivo.

Desde o início da pandemia da Covid-19, Bolsonaro tem dado declarações que colocam em descrédito as recomendações de autoridades de sanitárias sobre a necessidade do distancimento social e promovido uma série de aglomerações nas quais ele vai sem máscara e cumprimenta as pessoas presentes, pegando inclusive crianças no colo.

Em julho, o presidente foi diagnostico com a Covid-19 e divulgou que várias vezes que estava fazendo tratamento com a hidroxicloroquina, medicamento que não sua eficácia comprovada contra a doença.

Por conta desse comportamento de minimização da gravidade da pandemia, dois ministros da Saúde acabaram sendo demitidos. Foram eles Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, sendo que o segundo ficou apenas um mês no comando da pasta.

Veja Também:  Líder do PDT cogita aliança com PT após fala de Santana sobre chapa Ciro-Lula

publicidade

Política Nacional

Tratamento de câncer de Covas não tem data para acabar, diz médico do prefeito

Publicado


source
Prefeito Bruno Covas falando ao microfone
Patrícia Cruz/Divulgação

Prefeito Bruno Covas, candidato à reeleição para a Prefeitura de São Paulo pelo PSDB

O tratamento que o prefeito Bruno Covas (PSDB), que disputa a reeleição da Prefeitura de São Paulo , está fazendo contra um câncer na cárdia, que fica localizado na região de transição entre o estômago e o esôfago, não tem data para acabar. A avaliação é feita por um dos médicos da equipe que acompanha o tratamento do tucano.

O oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer acompanha Covas desde o início do diagnóstico, em 28 de outubro de 2019. Além dele, integram a equipe que o assiste no Hospital Sírio-Libanês os médicos David Uip, Roberto Kalil Filho e Artur Katz, todos do Hospital Sírio-Libanês.

No último dia 14, o prefeito fez a 12ª aplicação de imunoterapia. “Eu examinei ele de ponta-cabeça. Está clinicamente ótimo”, afirmou Pfiffer ao jornal Folha de S. Paulo .

Embora os estudos apontem um prognóstico ruim para a doença, o tratamento avançou muito nos últimos anos. No caso de Covas, além do tumor na cárdia, foram detectadas lesões menores no fígado e nos linfonodos ao lado do estômago.

Veja Também:  Rodrigo Maia defende reformas e rejeita nova Constituição

Entre outubro e fevereiro último, o prefeito chegou a fazer oito sessões de quimioterapia. Eles respondeu bem ao tratamento e as lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram. Por conta disso, desde fevereiro ele passou a fazer uso da imunoterapia, uma técnica inovadora que usa anticorpos monoclonais para estimular o sistema imunológico.

As drogas não visam atacar as células do tumor, como na quimioterapia convencional, mas sim estimular as células de defesa do próprio organismo do paciente para que elas combatam a doença. As aplicações duram cerca de 30 minutos e ocorrem a cada três semanas.

“Uma outra vantagem é que tem menos efeito colateral do que a quimioterapia. Depois que a gente mudou para a imunoterapia, ele está muito melhor clinicamente, mais bem-disposto. É um cara jovem, forte”, disse Pfiffer.

A cada três ciclos de imunoterapia, dois meses aproximadamente, Covas faz exames laboratoriais e de imagem (endoscopia, ressonância magnética e PET/Scan) para avaliar os resultados. “Eles têm mostrado que a doença está muito bem controlada”, afirmou o médico.

Segundo o oncologista, não há um prazo para a duração das aplicações. “É um tratamento promissor. Para essa doença [do prefeito], começamos [no Sírio] neste ano. Ele tem uma chance grande de uma resposta duradoura [regressão do câncer].”

Veja Também:  STJ decide adiar recurso de Lula no processo sobre triplex no Guarujá

Pfiffer diz ainda que a forma como Covas tem reagido ao enfrentamento da doença surpreende a todos. “Não apenas no aspecto do tumor, mas em relação a toda condição clínica. Teve Covid, foi praticamente assintomático. Fisicamente, está tirando tudo de letra. Emocionalmente, nunca se deixou abater.”

Em junho deste ano, Covas foi diagnosticado com Covid-19, afastou-se e retornou ao cargo duas semanas depois.

Continue lendo

Política Nacional

Arthur do Val e Joice Hasselmann sobem o tom durante debate: “lave a boca”

Publicado


source
Arthur do Val e Joice Hasselmann
Assembleia Legislativa de SP e Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Arthur do Val e Joice Hasselmann

Arthur do Val (Patriotas) e Joice Hasselmann (PSL) protagonizaram um dos momentos mais quentes no debate da última segunda (26) organizado pelo canal ConecTV.

Veja a discussão entre os postulantes à prefeitura de São Paulo durante o debate:


Arthur foi escolhido para perguntar para Joice, e a questionou sobre ela utilizar o fundo eleitoral em sua campanha e questionou:

“Você (Joice) está pedindo R$ 10 milhões dos brasileiros em sua campanha para aparecer bonitinha na internet. Um minuto e meio para você dizer para nós por que devemos pagar sua campanha”, indagou Do Val.

Joice chamou de hipocrisia a fala do rival, pois sua imagem está sendo transmitida em horário eleitoral, e isso significa renúncia fiscal, dinheiro de impostos que deixa de ir para o governo federal e não se traduz em benefícios para a população.

Veja Também:  Tratamento de câncer de Covas não tem data para acabar, diz médico do prefeito

Além disso, diz que apenas abriria mão do fundo eleitoral caso seus adversários, citando Bruno Covas e Russomanno , também abrissem mão dos recursos.

“Eu não vou entrar em uma briga de canhão contra o Palácio do Planalto, que me persegue dia e noite, contra o palácio (Dos Bandeirantes) aqui, do prefeito, com estilingue enquanto eles estão com canhões”, afirmou Hasselmann.

Do val, quando teve direito a tréplica fez uma anologia com roubo para criticar a candidata :

“Joice, o que você está me dizendo é basicamente o seguinte, se outros roubam eu também posso roubar um pouquinho”.

Nesse momento, a deputada federal e candidata pelo PSL o interrompeu bruscamente:

“Não, roubo não. Você lave a boca com água e sabão para falar de roubo comigo. Sou uma mulher decente e honesta, roubo é o escambal”.

Joice pediu direito de resposta , negado pelos organizadores do debate, que entenderam que o candidato do Patriotas apenas fez uma analogia.

Arthur do Val ao ter o direito a palavra em sua tréplica, ironizou a candidata pelo momento quente:

Veja Também:  Alvos da Lei da Ficha Limpa, mais de mil candidatos não vão disputar as eleições

“Joice, não fica nervosa, eu estou pagando sua campanha e não estou nervoso”.



Continue lendo

Política Nacional

Alvos da Lei da Ficha Limpa, mais de mil candidatos não vão disputar as eleições

Publicado


source
Urna eletrônica
Reprodução: O Dia

Candidatos condenados por crimes não podem concorrer nas eleições

Mais de mil candidatos nas eleições municipais de 2020 tiveram suas candidaturas indeferidas por serem enquadrados na Lei da Ficha Limpa . A norma, que foi aprovada em 2010, impede que pessoas com condenações transitadas em julgado, quando não existem mais possibilidades de recursos, não podem concorrer a cargos públicos.

Segundo levantamento do portal UOL , a maioria dos que tiveram suas candidaturas indeferidas são candidatos a vereador. Eles somam uma fatia de 840 candidatos, sendo que os demais são candidatos a prefeito (115) e vice-prefeito (46). Os dados constam da base de registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com as candidaturas indeferidas.

Veja Também:  STJ decide adiar recurso de Lula no processo sobre triplex no Guarujá

Há pelo menos dez crimes diferentes que se enquadram na lei na Lei da Ficha Limpa. Entre eles estão crime como lavagem de bens, tráfico de drogas, racismo, tortura, terrorismo e até aqueles cometidos contra a vida e a dignidade sexual.

O estado de São Paulo lidera com 202 políticos enquadrados na Ficha Limpa. Na sequência veem Minas Gerais (116) e Paraná (78). Já os outros estados têm menos de 50 candidatos nesta situação.

Entre os partidos, o MDB lidera em candidatos indeferidos pela legislação. São 76 políticos. O partido é seguido por PSD (74), PL (73), DEM (66), Republicanos (62), Podemos, PSB e PP (52 cada um) e PSDB (51). As outras siglas têm menos de 50 candidatos enquadrados na lei.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana