conecte-se conosco


Política MT

CCJR analisa a constitucionalidade de 27 matérias

Publicado


Foto: Marcos Lopes

A Comissão de Constituição e Justiça e Redação (CCJR) realizou hoje (4), a 4ª reunião ordinária remota. Na ordem do dia, os deputados analisaram a constitucionalidade de 27 proposições. As matérias aprovadas pelos deputados seguem para a discussão e votação em Plenário, nos próximos dias. 

Entre as matérias aprovadas, está o Projeto de Lei 194/2021, de autora da Defensoria Pública, que tem a finalidade de alterar a inclusão do ressarcimento das despesas com auxílio à saúde e alimentação no mesmo valor pago atualmente aos membros da defensoria pública a título de verba indenizatória, prevenindo-se pleitos futuros por criação de tais verbas. 

A CCJR aprovou ainda em redação final o Projeto de Lei 574/2017,  de autoria da deputada Janaina Riva (MDB) e do deputado Wilson Santos (PSDB). Essa proposta Institui a política de redução das desigualdades regionais e sociais mediante a aplicação de instrumentos de equilíbrio do desenvolvimento econômico sustentável na edição de normativas orçamentárias em Mato Grosso. “Esse projeto foi discutido com várias autoridades, e por isso, vai trazer um pouco mais de compensação social às pessoas carentes”, disse Janaina Riva.  

Com a indicação de parecer contrário da CCJR, o deputado Wilson Santos pediu vistas do Projeto de Lei 721/2019. Essa matéria é de sua autoria. A proposta trata da instalação do sistema de energia solar para iluminação em prédios públicos do Estado de Mato Grosso. 

Convite – A deputada Janaina Riva aproveitou a reunião da CCJR para convidar os colegas da Comissão para participarem de um debate virtual com o secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, para discutir o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado dos frigoríficos mato-grossenses. Hoje, a alíquota cobrada do segmento da carne é de 2,5%.  “O segmento está pedindo socorro”, disse a deputada. 

Nessa mesma linha, o deputado Dilmar Dal Bosco (DEM) afirmou que está aguardando confirmações da Casa Civil e da Secretaria de Fazenda (Sefaz) para discutirem a carga tributária que é praticada junto aos atacadistas de Mato Grosso. “Hoje, o estado está sendo superado pelo vizinho Goiás. Um atacadista de Goiás vende muito mais que os atacadistas de Mato Grosso. O Estado tem que rever essa política de incentivo fiscal, para valorizar aqueles que geram renda e emprego em Mato Grosso”, disse Dal Bosco.    

Retirada de pauta – Os deputados retiraram de pauta o Projeto de Lei nº 997/2020 que trata do Plano de Estadual de Educação.  De acordo com Dal Bosco, o plano foi melhorado. “Analisei as seis emendas apresentadas ao projeto é vi o que cabia à proposta. Tinham emendas que não cabiam ao projeto, mas ao orçamento. Por isso foram acatadas as emendas possíveis. A mensagem, que está tramitando desde o ano passado, precisa ser votada em Plenário”, defendeu Dal Bosco. 

O autor do Projeto de Lei 276/2019 , que institui a notificação prévia às mulheres vítimas de violência, quanto à soltura do agressor no curso do processo judicial ou da investigação policial, bem como por concessão de qualquer benefício ou cumprimento de pena, deputado Sebastião Rezende (PSC) pediu a retirada da matéria da ordem do dia, mas a vista foi rejeitada. 

Mesmo argumentando, segundo Rezende, que em Mato Grosso existe um alto índice de feminicídio, a proposta foi rejeitada e, agora, cabe ao Plenário manter ou não decisão tomada na CCJR. “O mérito da matéria é fantástico, mas já foi concedida vista à proposta, por isso o parecer foi técnico em não autorizar a retirada da proposta”, explicou Wilson Santos.

Abaixo as proposições votadas pelos deputados.

Projeto de Lei nº 443/2019 – autor deputado Wilson Santos (PSDB) – Estabelece a obrigatoriedade de medidas desburocratizantes na Administração Pública Estadual e dá outras providências. Rejeitado.

Veja Também:  Secretário presta informações à Comissão de Agropecuária da ALMT

Projeto de Lei nº 464/2019 (c/substantivo integral) – autor deputado Dr. João (MDB) – Dispõe sobre o fechamento de cursos, turnos e unidades de ensino público no âmbito do Estado de Mato Grosso. Rejeitado. 

Projeto de Lei nº 48/2021 – autor ex-deputado Silvio Fávero – Altera os §§ 1º, 2º e 3º do Art. 47-B da Lei n.º 7.098, de 30 de dezembro de 1998, que consolida normas referentes ao Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS e dá outras providências. Rejeitado.

Projeto de Lei Complementar nº 18/2021  – autor deputado Calil Faissal (PP) – Altera o artigo 37 da LEI COMPLEMENTAR Nº 631, de 31 de julho de 2019 que dispõe sobre a remissão e anistia de créditos tributários, relativos ao ICMS e sobre a reinstituição e revogação de benefícios fiscais, nos termos da Lei Complementar Federal nº 160, de 7 de agosto de 2017 e do Convênio ICMS 190/2017, nas hipóteses e condições que especifica, bem como sobre alterações de benefícios fiscais relativos ao ICMS; altera as Leis nº 7.098, de 30 de dezembro de 1998, e nº 7.958, de 25 de setembro de 2003, e as Leis Complementares nº 132, de 22 de julho de 2003, e nº 614, de 5 de fevereiro de 2019, e dá outras providências. Rejeitado.

Projeto de Lei nº 239/2021 – autor deputado Xuxu Dal Molin (PSC) Ementa: Institui a Política Estadual de Incentivo à Instalação de Usinas Geradoras de Oxigênio Medicinal nos estabelecimentos de saúde hospitalares e de internação, e dá outras providências. Aprovado.

Projeto de Lei nº 264/2019 – autor deputado Sebastião Rezende (PSC) – Dispõe sobre a criação do Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência no Estado de Mato Grosso. Rejeitado. 

Projeto de lei nº 276/2019 – autor deputado Sebastião Rezende (PSC) – Institui a notificação prévia às mulheres vítimas de violência, quanto à soltura do agressor no curso do processo judicial ou da investigação policial, bem como por concessão de qualquer benefício ou cumprimento de pena, no âmbito do Estado de Mato Grosso. Rejeitado. 

Projeto de Lei nº 694/2019 – autor deputado Wilson Santos (PSDB) – Dispõe sobre a obrigatoriedade de manutenção das turmas presenciais e da divulgação do processo de matrículas do Programa de Educação de Jovens e Adultos – EJA pela Secretaria de Estado de Educação – MT. Rejeitado.

Projeto de Lei nº 808/2019 – autora deputada Janaina Riva (MDB) – Reserva as pessoas com doenças graves ou incapacitantes do percentual mínimo de 5% das vagas oferecidas nos concursos públicos realizados pelo Estado de Mato Grosso, para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência, incapacitação ou doença. Rejeitado. 

Projeto de Lei nº 1022/2019 – autor deputado Valmir Moretto (PRB) – (o projeto foi apenso ao PL 1157/2019 – autor deputado Wilson Santos) – Dispõe sobre a divulgação em delegacias de polícia do direito do contribuinte, proprietário de veículo automotor objeto de roubo ou furto, ao ressarcimento proporcional do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA e dá outras providênciase pela prejudicialidade do PL 1157/2019, de autoria do deputado Wilson Santos, em apenso. Aprovado.

Projeto de Lei nº 1115/2019 – autor deputado Thiago Silva (MDB) – Dispõe sobre a criação e a implantação do programa “Escola Sustentável” e do selo de mesmo nome na rede escolar do estado de Mato Grosso. Aprovado.

Projeto de Lei nº 58/2021 – autor deputado Dr. Gimenez (PV) – Acrescenta o Art. 45-A a Lei nº 11.241, de 04 de novembro de 2020, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária de 2021 e dá outras providências. Rejeitado. 

Veja Também:  Secretário de Agricultura Familiar participa de reunião na ALMT

Projeto de Lei nº 99/2021 – autor ex-deputado Silvio Fávero  – Altera a Lei nº 7.603, de 27 de dezembro de 2001, que fixa o valor das custas, despesas e emolumentos relativos aos atos praticados no Foro Judicial, institui o selo de autenticação e dá outras providências, para aprovar a nova Tabela de Custas e Despesas. Rejeitado. 

Projeto de Lei nº 257/2019 – autor deputado Sebastião Rezende (PSC) – Dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas de ônibus intermunicipais possuírem motoristas ou cobradores habilitados para prestar o atendimento de primeiros socorros e da outras providências. Rejeitado.

Projeto de Lei nº 544/2019 – autor deputado Elizeu Nascimento (PSL) – Institui o Programa Estadual de Conversão de Multas Ambientais para a Conservação e Recuperação do Meio Ambiente no Estado de Mato Grosso (PECOMAR-MT), e dá outras providências. Rejeitado 

Projeto de Lei nº 581/2019 (Emenda Supressiva da CCJR) – autor deputado Eduardo Botelho (DEM) – Acresce dispositivos à Lei nº 7.692, de 1º de julho de 2002, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Estadual, para exigir tratamento idêntico em situações jurídicas iguais, respeitando as prerrogativas dos indivíduos e entidades. Aprovado. 

Projeto de Lei nº 633/2019 – autor ex-deputado Silvio Fávero – Institui a Política Estadual de incentivo ao manejo sustentável e ao cultivo do bambu e da outras providencias. Rejeitado. 

Projeto de lei nº 721/2019 – autor deputado Wilson Santos (PSDB) – Dispõe sobre a instalação de sistema de energia solar para iluminação em prédios públicos do Estado de Mato Grosso e dá outras providencias. Rejeitado.

Projeto de Lei nº 85/2020 – autor deputado Wilson Santos (PSDB) – Concebe a campanha permanente em defesa do financiamento público da educação básica mato-grossense e institui o ano de 2020 como ano de luta pela transformação do FUNDEB em fundo permanente. Rejeitado. 

Projeto de Lei Complementar nº 16/2021 – autora Defensoria Pública – Promove a conformação legislativa dos subsídios dos membros da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso. Aprovado. 

Projeto de Lei n.º 51/2021 – autor ex-deputado Silvio Fávero – Institui a política estadual para o estímulo da atividade de cuidador de idosos e dá outras providências. Rejeitado. 

Projeto Lei nº 194/2021 – autora Defensoria Pública – Altera a Lei nº 8.581, de 13 de novembro de 2006, e revoga a Lei nº 9.243, de 18 de novembro de 2009. A finalidade da alteração é incluir o ressarcimento das despesas com auxílio à saúde e alimentação no mesmo valor pago atualmente aos membros da defensoria pública a título de verba indenizatória, prevenindo-se pleitos futuros por criação de tais verbas em apartado. Aprovado. 

Projeto de Lei n.º 332/2017 – autor deputado Oscar Bezerra – Dispõe sobre a ampliação e demarcação da área da Reserva Extrativista Guariba/Roosevelt, e dá outras providências. Rejeitado. 

Projeto de Lei n.º 252/2020 – autor deputado Valdir Barranco (PT) – Dispõe sobre a instalação de postos de atendimento para permitir a higiene básica da população em situação de rua, durante a pandemia do CORONAVÍRUS (COVID-19), no âmbito do Estado de Mato Grosso. Aprovado. 

Projeto de Lei n.º 903/2020 – autor deputado João Batista (Pros) – Altera dispositivo da Lei n. 10.626, de 25 de outubro de 2017, que “Institui a Política de Promoção da Aprendizagem – Proap – nas redes de saúde e educação e dá outras providências”.  Aprovado.

Projeto de Lei n.º 992/2020 – autor deputado Elizeu Nascimento (PSL) – Institui o selo “Escola de Excelência” no Estado de Mato Grosso e dá outras providências. Aprovado. 

Projeto de Lei n.º 265/2021 – autora deputada Janaina Riva (MDB) – Declara de utilidade pública estadual a associação obras sociais Seara de Luz. Aprovado. 

Fonte: ALMT

publicidade

Política MT

Governador sanciona lei que reconhece atividades escolares como essenciais

Publicado


O deputado Elizeu Nascimento foi o autor do projeto de lei 21/2021.

Foto: Marcos Lopes

O governador Mauro Mendes (DEM) sancionou o projeto de lei 21/2021 que considera a educação como essencial em Mato Grosso, porém vetou um trecho do PL que condiciona o retorno das aulas presenciais à imunização de todos os profissionais das escolas, o que engloba professores e técnicos. A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou por maioria, em sessões realizadas no dia (14.04), o Projeto de Lei nº 21/2021, do deputado Elizeu Nascimento (PSL), que reconhece as atividades educacionais, escolares e afins como essenciais para o estado de Mato Grosso. 

Pelo projeto aprovado, somente fica autorizado o retorno das aulas presenciais na educação estadual quando comprovada a imunização de todos os profissionais que compõem a rede. A sanção ao projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) que circulou na segunda-feira (10). Com isso, as atividades escolares nas esferas municipais, estaduais e federais, relacionadas à educação básica, educação de jovens e adultos (EJA), ensino técnico e ensino superior passaram a ser reconhecidas como essenciais. Porém, agora começa um novo desafio para os parlamentares: derrubar o veto do trecho do PL que condiciona o retorno das aulas presenciais à imunização de todos os profissionais das escolas, o que engloba professores e técnicos.

Veja Também:  Sancionada lei que obriga divulgação de gastos com viagens de agentes públicos

Ainda conforme a proposição aprovada, ficam reconhecidas como essenciais as atividades educacionais, nas modalidades presenciais, à distância e híbridas, nas esferas municipais, estaduais e federais, relacionadas à educação básica, educação de jovens e adultos, ensino técnico e ensino superior no período que perdurar a pandemia da Covid-19.

“Não é o momento para apontar responsáveis, mas é necessário que as atenções se voltem para a retomada dos serviços educacionais de forma presencial e segura, claro que respeitando a decisão dos pais que optarem pela modalidade de educação à distância, quando disponível. Com esse sistema híbrido, garantimos a liberdade de cada família e o melhor atendimento dos alunos. Os parlamentares já estão estudando uma derrubada desse veto que é a autorização que a Assembleia Legislativa deu para vacinar por completo os profissionais da educação. Irei trabalhar para colocar em pauta”, disse Elizeu Nascimento.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Política MT

Sancionada lei que obriga divulgação de gastos com viagens de agentes públicos

Publicado


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O governo do estado de Mato Grosso sancionou o Projeto de Lei 1166/2019 que obriga a divulgação de relatório contendo informações referentes aos gastos com viagens oficiais de autoridades e agentes públicos estaduais no exercício da função. Em vigor desde segunda-feira (10), quando foi publicada no Diário Oficial, a lei ainda aguarda regulamentação do Poder Executivo.

 Autor do projeto de lei, o deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC) avalia que a inserção das informações em sítio eletrônico da instituição ao qual pertença o servidor é indispensável para facilitar os procedimentos de fiscalização. “Estamos assegurando que toda pessoa interessada tenho acesso a essas informações, analise os custos e qual a finalidade das viagens feitas por autoridades políticas ou agentes públicos”, pontua.

 A nova lei determina que as informações sejam disponibilizadas em até dez dias úteis subsequentes ao término da viagem. No relatório devem constar obrigatoriamente, o nome do agente favorecido, o destino, objetivo e a duração da viagem, bem como o detalhamento das despesas individuais de cada um dos favorecidos.

Veja Também:  Comissão de Segurança da ALMT apresenta moção de aplausos à Polícia Civil do RJ

 “O projeto de lei trata diretamente de três princípios basilares da administração pública, sendo eles a publicidade, a moralidade e a eficiência. É preciso gerir os recursos públicos com mais transparência, além de combater os desperdícios e os privilégios de uma minoria”, assinala Dal Molin.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Política MT

Deputado propõe que recursos de multas ambientais sejam revertidos para implantação de usinas fotovoltaicas

Publicado


Considerada umas das fontes de energia mais limpas do planeta, as usinas fotovoltaicas, também conhecidas como parques solares, têm atraído a atenção de diferentes setores produtivos de Mato Grosso. Segundo dados divulgados recentemente pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Mato Grosso apresentou um crescimento de 200% nos pedidos de análises para inclusão de energia fotovoltaica na rede de distribuição mantida pela concessionária Energisa, rendendo ao estado a 4ª posição no ranking de maiores produtores de energia solar do país.

 Em contrapartida, o alto custo para a instalação das usinas fotovoltaicas ainda é um empecilho para quem deseja produzir energia elétrica de forma sustentável. Para reduzir essa discrepância e ao mesmo tempo incentivar a produção de energia renovável, o deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC) propôs que o Governo do Estado reverta parte dos valores obtidos com multas ambientais para a implantação de usinas fotovoltaicas. A sugestão foi formalizada, na sessão plenária da última semana, por meio da indicação 2.819/2021.

Veja Também:  Deputado Nininho destaca a importância da aprovação do PL 3.729 que tramita na Câmara Federal

 “No ano passado a Secretaria de Estado de Meio Ambiente [Sema] aplicou o equivalente a R$ 561 milhões em multas por crimes praticados contra a flora. Imagine parte deste recurso sendo mantido no local originário da lavratura do termo. Melhor ainda, imagine esse recurso sendo investido na implantação de parques solares, produzindo energia limpa e preservando a natureza para as futuras gerações”, ressalta Xuxu Dal Molin.

 Na avaliação do parlamentar, caso seja atendida, a indicação deve contribuir com a qualidade de vida de milhares de pessoas e com o desenvolvimento daquelas propriedades rurais afastadas dos grandes centros produtores.

 “Talvez alguns não saibam ou fingem desconhecer, mas a bem da verdade é que temos milhares de famílias vivendo praticamente isoladas, sem energia elétrica, sem internet, sem sinal de telefone ou qualquer outro meio tecnológico que os conecte com o restante do mundo. É preciso oferecer o mínimo de dignidade a essas pessoas e reinvestir os recursos oriundos de multas ambientais é um bom começo para corrigirmos essa desigualdade social”, afirma Dal Molin reiterando que parte da produção excedente deverá ser conectada à rede de alta tensão.

Veja Também:  Comissão de Saúde dá continuidade a debate sobre vacinação em MT

 “O projeto trás inúmeros benefícios que vão desde o incentivo da produção de energia limpa até o alívio financeiro ao produtor que irá utilizar parte do valor economizado para quitar as dívidas referentes às multas ambientais”, concluí.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana