conecte-se conosco


Economia

Cervejaria se manifesta contra LGBT e “não teme perder clientes por isso”

Publicado

source
cervejas arrow-options
Reprodução/Facebook

Cervejaria se coloca como “católica” e defende que respeita todas as pessoas mas jamais “aceitará o pecado”

Nos últimos dias, a cervejaria mineira Saint Arnulf demonstrou seu repúdio ao movimento LGBT ao se manifestar nas redes sociais da marca sobre o tema: “Somos uma cervejaria católica ”. “A cervejaria Saint Arnulf é contra a militância LGBT e não teme perder clientes por isso. Ponto final”, afirma a imagem postada na segunda-feira (9).

Leia também: Empresa se recusa a fazer convite de casamento gay e vence causa na Justiça

Em defesa do “ensino tradicional da única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo”, eles reiteram que mesmo se ficarem com “apenas um punhado de clientes” se sentirão “extremamente felizes por isso”.

A publicação recebeu 26 mil reações positivas e negativas, 19 mil comentários e 4,7 mil compartilhamentos. Mas, apesar do apoio dos seguidores, muitas pessoas criticaram a atitude, classificando-a como “homofóbica” e “criminosa”.

“Gente, Jesus pregava o amor ao próximo sem distinção! Estão interpretando errado seus ensinamentos, hein!”, disse um usuário. “Alguém sabe onde fica essa cervejaria pra gente abrir um processo civil e outro criminal?”, escreveu outro.

Veja Também:  Bolsonaro minimiza regulação de combate a trabalho análogo ao escravo em live

O dono do estabelecimento é o mestre cervejeiro Pabhlo Allan, ligado ao Instituto de Caridade e Educação Cristã Sociedade da Santíssima Virgem Maria (SSVM). Essa organização civil e sem fins lucrativos tem como fundamento “a maior glória de Deus, a salvação das almas e a exaltação da Santa Igreja”.

Leia também: Natura lança propaganda com beijo lésbico e internautas pedem boicote

Rezem por nós

Após o primeiro post, na terça-feira (10), a cervejaria voltou a se pronunciar sobre o assunto, falando sobre as mensagens de carinho que receberam e também sobre as críticas e “manifestações de ódio”. “Não! Não recuaremos! Respeitamos todas as pessoas, mas jamais aceitaremos o pecado”, diz o texto.

Dois dias depois, a empresa retomou às redes para pedir que seus apoiadores rezem por eles. “Caros amigos, nesses dias recebemos ofensas dos mais baixos níveis, fomos taxados das mais abjetas alcunhas e sofremos dezenas de ameaças. Só Deus sabe como estamos frente a tamanha injustiça. Mas não nos abalaremos! Em nenhum momento fomos desrespeitosos com as pessoas, limitamo-nos a fazer eco aos homens e mulheres de bem que criticam certa militância LGBT que, com atos como vandalismo e obscenidades, se opõem à moral cristã, ferindo a sensibilidade da população majoritária”.

Veja Também:  Prazo para sacar abono PIS/Pasep do calendário 2019/2020 termina nesta sexta

Leia também: Supermercado Hirota causa polêmica ao chamar casamento gay de “distorção”

Ao encerrar, a cervejaria ainda pede para que, “por favor, reze por essa causa católica levantada pela Sociedade da Santíssima Virgem Maria – SSVM e criminosamente tratada com escárnio e maledicência pela grande imprensa liberal”.

Fonte: IG Economia
publicidade

Economia

Com primeira queda mensal do ano, dólar fecha em R$ 5,34

Publicado


source

Agência Brasil

dólar
Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas

Cotação do dólar oscilou ao longo das últimas semanas por conta de reviravoltas sobre contenção da pandemia

Em um dia marcado pelo alívio perto do encerramento das negociações, a moeda norte-americana caiu, e a bolsa de valores subiu. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (29) vendido a R$ 5,34, com pequeno recuo de R$ 0,046 (-0,85%). A divisa caiu 4,19% na semana e 1,79% em maio.

Esta foi a primeira queda mensal do dólar em 2020.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), recuperou-se e fechou o dia aos 87.403 pontos, com leve alta de 0,52%. O indicador acumulou ganho de 6,36% na semana e de 8,57% no mês. Em março, o Ibovespa tinha caído 30%, com o início da pandemia de coronavírus. Em abril, tinha recuperado parcialmente as perdas, subindo 10,25%.

O dia começou com tensões no mercado financeiro. O dólar operou em alta e a bolsa, em queda na maior parte da sessão. De manhã, o mercado repercutia a queda de 1,5% no Produto Interno Brasileiro (PIB) no primeiro trimestre. No entanto, o cenário internacional ajudou perto do fim das negociações. Após pronunciamento do presidente norte-americano, Donald Trump, os indicadores reverteram o movimento.

Veja Também:  Caixa repassou R$ 76,6 bilhões em auxílio nas duas parcelas

Apesar de ter criticado a intenção do governo chinês de reduzir a autonomia de Hong Kong e de retirar o status de preferência para os produtos da região chinesa, Trump não anunciou novas sanções comerciais contra a China.

Veja ainda:  BC restringe pagamentos de lucros para dirigentes de bancos

Petróleo

No mercado de petróleo, o mês também foi marcado pela recuperação. Com a perspectiva de um acordo de cooperação entre Arábia Saudita e Rússia, o barril do tipo Brent, principal referência para as cotações internacionais e usado pela Petrobras, fechou o dia vendido aos US$ 37,84. A cotação subiu 5,02% hoje e fechou maio com avanço de 50%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Veja Também:  Paulo Guedes promete novos programas de crédito para socorrer microempresas

Leia:  Em nova Guerra fria entre EUA e China, preço do petróleo caiu nesta semana

Continue lendo

Economia

Caixa repassou R$ 76,6 bilhões em auxílio nas duas parcelas

Publicado


source
Balanço divulgado pela Caixa nesta sexta-feira (29)
Reprodução Youtube Caixa Econômica Federal

Balanço divulgado pela Caixa nesta sexta-feira (29)

Nesta sexta-feira (29), durante coletiva com autoridades da Caixa Econômica Federal, foi anunciado o balanço dos pagamentos até agora. No total, a Caixa pagou R$ 76,6 bilhões em auxílio emergencial.

Esse  número inclui a segunda parcela paga aos beneficiários do Bolsa Família e o último lote da primeira parcela para os demais requerentes do auxílio.

“Hoje terminamos  dois cronogramas de pagamento: o do Bolsa Família – 19 milhões de pessoas receberam em espécie e hoje pagamos o Nis 0, da segunda parcela do pagamento – e também terminamos o pagamento dos 8,3 milhões de pessoas que receberam a parcela um, último lote da parcela um”, disse Pedro Guimarães, presidente da Caixa.

Leia:  Quem receber o auxílio pode ter de devolver em 2021

Pessoas que ainda não se cadastraram e  se enquadram para o recebimento da renda emergencial de R$ 600 (e R$ 1.200 para famílias monoparentais) podem se inscrever no Caixa Auxílio Emergencial (aplicativo ou site) até o dia 2 de julho.

Veja Também:  Prazo para sacar abono PIS/Pasep do calendário 2019/2020 termina nesta sexta

Veja:  Qual está certo? Caixa e Dataprev divulgam números diferentes sobre auxílio emergencial

Continue lendo

Economia

Caso Tiktok: a privacidade do público infantil não pode esperar

Publicado


source
coluna fernando capez
Procon-SP

Fernando Capez comenta sobre a privacidade do público infantil na internet, abordando o caso Tiktok

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o Código de Defesa do Consumidor, possuem dispositivos de proteção à intimidade da pessoa humana. A LGPD poderá entrar em vigor no dia 03 de maio de 2021 (caso seja aprovada a Medida Provisória 959/20) ou em 16 de agosto desse ano (caso seja sancionado o PL 1179/20). Existem, portanto, duas datas possíveis.

Leia também: Procon notificou TikTok sobre privacidade infantil

De qualquer forma, mesmo antes de seu início de vigência, já pode atuar como fonte doutrinária. Foi o que ocorreu no deferimento da Medida Cautelar na ADI 6387 pelo STF, em voto da Ministra Rosa Weber, ao suspender a eficácia da Medida Provisória 954/2020, porque “o respeito à privacidade e à autodeterminação informativa foram positivados, no artigo 2º, I e II, da Lei nº 13.709/2018 (LGPD).”

Ocorreu também em fevereiro desse ano, no julgamento de produção antecipada de provas pela 1ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo (Processo Digital n◦ 1006616-14.2020.8.26.0053), sobre uso de câmeras para reconhecimento facial no Metrô paulista. Foi acolhida a “(…)produção antecipada das provas para análise do impacto de proteção de dados, contendo quais dados serão coletados e tratados, a finalidade desse tratamento, o período de retenção dos dados, o grau de risco, a existência de dados definidos como sensíveis pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e as ações de mitigação do risco envolvido (…).”

Veja Também:  Paulo Guedes promete novos programas de crédito para socorrer microempresas

O caso mais recente foi o da notificação da empresa BytheDance Brasil, proprietária do aplicativo Tiktok , pelo PROCON SP, ocorrida no último dia 14 de maio, na qual a LGPD foi invocada para defender a privacidade de crianças e adolescentes.

Recorrer a uma lei ainda em vacância não é novidade entre nós. A doutrina já defendeu a força argumentativa do CPC de 2015 antes mesmo de sua vigência, para respaldar decisões judiciais e evitar danos irreparáveis (Fredie Didier Jr).

No caso do TikTok, ao utilizar a LGPD para fundamentar sua notificação, o PROCON SP não extrapolou os seus limites de sua atuação, nem tampouco reduziu a importância da norma. Cabe ao Procon proteger todas as relações de consumo, inclusive as online.

No caso, o Procon pretende cumprir os mandamentos constitucionais da defesa do consumidor (CF, art. 5º, XXXII), da intimidade (CF, art. 5º, X) e proteção da criança e do adolescente (CF, art. 227, caput), que representam um terço do público da web e são altamente vulneráveis a campanhas publicitárias, por sua reduzida capacidade de autodeterminação informativa.

Preocupações dessa ordem tem sido constantes em todo o Mundo. Em fevereiro 2019, a Comissão Federal de Comércio dos EUA declarou que a BytheDance (que adquiriu a ferramenta americana Musical.ly e fundiu ao TikTok) violou as leis de privacidade de crianças por não obter o consentimento dos pais antes de coletar as informações pessoais de menores de 13 anos, impondo-lhe multa de 5,7 milhões de dólares.

Veja Também:  Bolsonaro minimiza regulação de combate a trabalho análogo ao escravo em live

A União Europeia também questionou o uso desse aplicativo por crianças e adolescentes em seu continente. A ICO, órgão competente para Proteção de Dados no Reino Unido, iniciou uma investigação sobre o serviço de mensagens da ferramenta por possibilitar que adultos enviassem mensagens as crianças.
No final de 2019, o TikTok foi alvo novamente de acusações sobre possíveis censuras para impedir vídeos de pessoas consideradas “feias” e em cenários como “favelas” e “lugares miseráveis”, dada sua possível baixa audiência.

A LGPD será uma importante inovação para a defesa da privacidade, mas não se pode ficar inerte até sua entrada em vigor, diante de possíveis violações irreparáveis aos direitos humanos digitais.

Leia também: Novo coronavírus não é desculpa para aumento de preços

O trabalho do PROCON SP não se destina a reduzir o futuro papel da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, mas a garantir agora a tutela dos direitos dos consumidores digitais, certo de que nenhum órgão de defesa deve deter o monopólio de valores tão relevantes como a proteção da imagem e privacidade de crianças.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana