conecte-se conosco


Mato Grosso

Dois pacientes de Rondônia chegam a MT e são internados na UTI do Hospital Estadual Santa Casa

Publicado


Mato Grosso recebeu nesta terça-feira (26.01) dois pacientes de Rondônia em estado grave da Covid-19. Transportados pela aeronave do Corpo de Bombeiros daquele Estado, os pacientes desembarcaram no hangar do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e foram conduzidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Estadual Santa Casa, onde ficarão internados.

Eles deram entrada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) imediatamente após a chegada na unidade hospitalar, sendo uma paciente de 60 anos e outro de 70 anos. Ambos apresentaram quadro clínico de emergência, com a necessidade de atendimento imediato, e foram transferidos de Porto Velho para Cuiabá. 

Diante da situação de colapso em Rondônia, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, avalia que é preciso levar em consideração a universalidade do Sistema Único de Saúde (SUS) e ser solidário aos familiares e pacientes que anseiam pela assistência hospitalar.

“Dentro do princípio de que é o SUS, não existe leitos exclusivos de Mato Grosso, de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Existem leitos do Sistema Único de Saúde e, neste momento, levando em consideração a nossa taxa de ocupação que está em 67% para UTIs adulto, temos que ser solidários com os estados que estão colapsados precisando de leitos”, pontuou. 

Veja Também:  Seduc entrega 364 aparelhos de ar condicionado e mobiliário para escolas de Rondonópolis

De acordo com o setor de Regulação da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), a previsão é de que outros dois pacientes de Rondônia sejam transferidos para Mato Grosso entre hoje e amanhã. Contudo, até o momento, não há previsão de horário para as novas transferências.

Fonte: GOV MT

publicidade

Mato Grosso

Alunos da escola militar de Rondonópolis ganham 18 medalhas; 4 de ouro

Publicado


Quatro alunos da Escola Estadual Militar Tiradentes Major PM Ernestino Veríssimo da Silva, em Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá), ganharam medalhas de ouro na Olimpíada Nacional de Ciências (ONC) de 2020. Outros sete estudantes conquistaram medalhas de prata, sete medalhas de bronze e quatro receberam menção honrosa. O resultado foi divulgado nessa quinta-feira (25.02).

O diretor da escola, tenente-coronel Kleber Franklin de Lima Ferreira, celebrou a conquista dos estudantes e a parceria entre a Polícia Militar, responsável pela gestão da unidade, e a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), responsável pela parte pedagógica.

“Isso ocorreu com muita determinação de todos, porque ninguém constrói nada sozinho. Assim conseguimos atingir o êxito mesmo nesse período de pandemia. Fiquei muito feliz com os resultados conquistados. Houve muita dedicação por parte de alunos, pais de alunos, professores, e trabalho conjunto entre PM e Seduc”, disse.

A escola foi criada em julho de 2019 e tem 549 alunos matriculados no Ensino Fundamental (a partir do 7º ano) e Ensino Médio (1º e 2º ano). Ferreira, que assumiu a direção em janeiro do ano passado, atribui a premiação dos alunos à filosofia que é aplicada na escola militar.

“Honra, disciplina, busca pelos preceitos éticos, cívicos e resgatar nesses estudantes a responsabilidade nos estudos. Tudo isso ajudou a atingir os resultados e queremos que os estudantes participem em mais competições”, afirmou.

Veja Também:  Sexta-feira (26): Mato Grosso registra 249.969 casos e 5.769 óbitos

Secretário de Estado de Educação, Alan Porto lembra que em Mato Grosso já são 12 escolas militares e a meta do Governo é criar mais 12 até o fim deste ano. “A parceria Seduc e Polícia Militar tem apresentado ótimos resultados, tanto que as escolas militares são as que tiveram os melhores resultados no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)”.

O secretário enfatiza que a parte pedagógica e os professores destas escolas continuam sob responsabilidade da Seduc. “Estamos em um momento de grandes mudanças, com diversas ações sendo implantadas para melhorar a aprendizagem de nossos estudantes. A criação das escolas militares é uma destas ações e ocorre com apoio da sociedade. Em 2020 tínhamos cerca de 3 mil estudantes nas escolas militares e para 2021 já são quase 9 mil”, exemplifica.

A Olimpíada

A olimpíada integra o programa Ciência na Escola, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Ministério da Educação (MEC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (capes).

Premiados

Os alunos que receberam as medalhas de ouro foram: Rafael Correa Pereira, do 8º ano; Pedro Henrique Coterli, 1º ano EM, Deborah Laruany de Castro Petry, 9º ano; e Luangabriel Demoura Duarte, do 8º ano.

Veja Também:  Festival de Narração de Histórias de Primavera do Leste encerra neste sábado (27)

Os outros premiados da escola militar foram:

Medalha de prata

Ana Beatriz Viana Melo – 8º ano

Renê Dias Tunes – 8º ano

Vitória Souza da Silva – 8º ano

Nadine Kauany Rodrigues dos Santos – 1º ano EM

João Guilherme Arruda Ferreguti – 9º ano

Gabriel Henrique de Jesus Oliveira – 9º ano

Aaron Gabriel Maciel Nascimento – 8º ano

Medalha de bronze

Lucas Rivelo Campos Almeida – 9º ano

Giovana Matos Ribeiro – 9º ano

Pedro Lucas Rodrigues Cabral – 8º ano

Kawãn Vinnicyus Soares dos Santos – 1º ano EM

Murilo Rodrigues da Silva – 9º ano

Julia Ribeiro Lima – 1º ano EM

Felipe Viveiros Montanhini – 8º ano

Menção honrosa

Emanuelly Handyara Silva Lopes – 1º ano EM

Luiz Ricardo Miranda – 8º ano

Sebastião Miranda de Almeida Silva Lima – 8º ano

Eber Carlos de Arruda Dias Junior – 8º ano

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Sema participa de reuniões temáticas sobre Plano Estadual de Resíduos Sólidos

Publicado


A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) está participando de uma série de reuniões temáticas sobre o Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) entre os dias 25 de fevereiro e 3 de março. As videoconferências são coordenadas pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por meio da Uniselva, responsável pela elaboração do Plano. Os debates têm o objetivo de continuar a coleta de dados antes do processo de autenticação.

Os debates iniciaram na quinta-feira (25.02) com reuniões pela manhã com órgãos do Governo Estadual de Mato Grosso e a tarde com representantes das prefeituras, câmaras municipais, universidades e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Assembleia Legislativa e Consórcios Intermunicipais.

Nesta sexta (26.02), continuaram as reuniões com o enfoque para apresentação e visão geral do projeto com a participação da Sema, Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Defensoria, Prefeituras, Câmaras Municipais, Ministério Público do Trabalho e instituições representantes de catadores de recicláveis.

Já nos dias 1, 2 e 3 de março serão realizados debates com as partes envolvidas com objetivo de receber últimas informações e contribuições para melhoria do documento final. uma última rodada de apresentações acontecerá no mês de abril, em cinco regiões do estado, para aprovação e autenticação do plano pela sociedade.

Veja Também:  Festival de Narração de Histórias de Primavera do Leste encerra neste sábado (27)

Na próxima semana, duas reuniões acontecerão no dia 1º com os temas Resíduos Sólidos Urbanos e Resíduos de Saneamento. No dia 2 o debate é sobre Resíduos de Serviços de Saúde e Resíduos de Construção e Demolição.

Entre as entidades que participarão destes debates, além de Sema, UFMT e AMM, estão Instituições que trabalham com o saneamento básico, agências reguladoras municipais, Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager), entidades com foco em saúde pública, Conselho Estadual de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea) e construtoras.

O tema Resíduos Agrossilvipastoris, que será debatido no dia 2, contará com a participação de diversos órgãos do setor produtivo como Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Sindicato Madeireiro, Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat).

Veja Também:  Sexta-feira (26): Mato Grosso registra 249.969 casos e 5.769 óbitos

No mesmo dia serão discutidos os Resíduos Mineração com participação da Agência Nacional de Mineração (ANM), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) entre outras empresas e entidades representantes.

As discussões se encerram no dia 3 com debates sobre Resíduos de Transporte, Resíduos de Logística Reversa e Resíduos Industriais com a participação, entre outros, da Receita Federal, Sindicatos, Prefeituras, Ministério Público, entidades gestoras, Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt), Ibama, empresas e Sindicato da Indústria de Reciclagem do Estado de Mato Grosso (Sindirecicle).

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Medeiros afirma que oportunismo político atrapalha conclusão da BR-158

Publicado


Diante do impasse que se tornou a pavimentação da BR-158, do trecho conhecido como Contorno Leste, saindo de dentro da Terra Indígena Marãiwatsédé, o deputado federal José Medeiros (Podemos) propôs uma força-tarefa para mediar o conflito e viabilizar recursos para concluir a obra. Em conversa com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Medeiros reafirmou a viabilidade de fazer a estrada pelo reserva indígena, que representa cerca de 120 quilômetros e um custo de aproximadamente R$ 250 milhões.

“Há muito tempo venho discutindo e buscando uma solução para a BR-158. Eu disse para o presidente que não faz sentido o Brasil ficar refém da vontade de algumas pessoas. No caso da 158, apenas uma pessoa se posicionou contrário ao traçado original, que é passar a estrada dentro das terras indígenas. A maioria dos indígenas quer a rodovia por dentro, pois acreditam que ela trará melhorias como escolas, postos de saúde, estradas vicinais asfaltadas, entre outras”, disse o parlamentar.

Para colocar um fim nos conflitos, optou-se em fazer a estrada usando um contorno fora de terra indígena. Segundo Medeiros, isso vai praticamente triplicar o valor da obra e levar mais tempo para concluí-la.

Veja Também:  Festival de Narração de Histórias de Primavera do Leste encerra neste sábado (27)

“Falei sobre essa situação com o presidente. A expectativa é reunir com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, nos próximos dias, para buscar uma solução definitiva e célere para esse problema antigo e que envergonha Mato Grosso e o Brasil”, frisa Medeiros.

Medeiros critica o uso político por parte de alguns parlamentares que preferem atacar o Governo Federal e o ministro da Infraestrutura ao invés de ajudar de forma efetiva a resolver a situação.

“O governo está trabalhando para solucionar os problemas de infraestrutura de Mato Grosso. Porém, existem vários impedimentos que travam algumas obras, como é o caso da BR-158. Além das dificuldades orçamentárias, existem ações do Ministério Público Federal (MPF), Organizações Não Governamentais e a questão indígena que impedem que algumas obras sejam executadas de forma célere. O interessante é ver parlamentar de Mato Grosso, como é o caso do senador Carlos Fávaro (PSD), criticando o governo Bolsonaro e o ministro Tarcísio. Ele [Fávaro] não contribuiu com um centavo em emenda para a BR-158. Precisamos deixar de lado o oportunismo político, as falácias e unir forças com a União para resolver o problema que prejudica o escoamento da produção do nosso estado e milhares de pessoas”, enfatiza o deputado federal.

Veja Também:  Medeiros afirma que oportunismo político atrapalha conclusão da BR-158

A BR-158 tem aproximadamente 800 quilômetros em Mato Grosso, ligando os municípios de Barra do Garças a Vila Rica – na divisa com o Pará.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana