conecte-se conosco


Mato Grosso

Governador Mauro Mendes verifica operação de balsa reformada pela Sinfra

Publicado

 O governador Mauro Mendes verificou de perto o funcionamento da balsa que atende a comunidade de João Carro, na região Chapada dos Guimarães (65 km de Cuiabá), nas proximidades do distrito de Água Fria, no Lago do Manso, no entorno da MT-020. A embarcação, que chegou a ficar interditada por seis meses por questões de segurança, voltou a operar há menos de um mês após reforma geral coordenada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra). A visita foi acompanhada pelo titular da pasta, Marcelo de Oliveira, demais autoridades, e integrou a programação de entrega das obras de pavimentação da rodovia MT-020 à população.

Para voltar a funcionar, a balsa do rio Quilombo recebeu equipamento novos de salvatagem (salvamento) e sua estrutura foi adequada às normas exigidas pela Marinha. O trabalho contou com apoio da Prefeitura Municipal de Chapada dos Guimarães e o Sindicato Rural do município.

“A balsa ficou parada por muito tempo causando um transtorno imenso para a população dessa região. Nós fizemos uma parceria com a prefeitura e realizamos a reforma da embarcação, atendemos todos os itens de segurança exigidos pela Marinha e agora está em operação. O sonho alí é uma ponte, mas ela custa muito caro, ainda vamos estudar e pensar o projeto. Caso consigamos recursos, ela passará a ser prioridade também”, ponderou o governador Mauro Mendes.

Veja Também:  Conselho da Juventude prorroga escolha de membros representantes da sociedade civil

O secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, explicou que a Sinfra recuperou duas balsas na região da Chapada dos Guimarães: a da comunidade de João Carro, no rio Quilombo, que foi visitada pelo governador, e uma segunda balsa que opera no rio da Casca. “As balsas foram completamente reformadas com todo o material de segurança e funcionam dentro das normas especificadas pela Marinha. Temos hoje coletes salva-vidas para os usuários, bote inflável, buzinas funcionando e alarme, entre outros equipamentos”, descreveu ele, dizendo que a Sinfra assumiu o trabalho pelo fato das balsas estarem localizadas na região de entorno da MT-020.

A prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma de Oliveira, enfatizou que o governo do Estado, por meio da Sinfra, atendeu todas as solicitações da Marinha, possibilitando o retorno da operação das embarcações. “As balsas estão funcionando com toda segurança. Os operadores (ligados à prefeitura) fizeram curso com a Marinha. Isso irá atender a várias comunidades e estimular ainda mais o turismo”, avaliou.

Reforma

Segundo a equipe técnica da Sinfra, as balsas na região de Chapada têm capacidade para transportar até 40 pessoas e cerca de 10 carros, entre veículos pequenos e de maior porte.

Os serviços de revitalização das balsas foram divididos em quatro partes: revisão dos motores, manutenção da parte elétrica, dotação das balsas com equipamentos de salvamento como coletes salva-vidas, bóias e bote com capacidade para até 40 pessoas (a quantidade máxima de cada equipamento), além dos serviços de sinalização, iluminação, substituição dos equipamentos contra incêndio.

Veja Também:  Prazo para inclusão de produtos incentivados termina dia 31 de janeiro

Segundo o operador da balsa, na região da comunidade João Carro, Gonçalo Neves de Miranda, anteriormente a embarcação apresentava muitos problemas e não tinha segurança para operação. “Mudou muita coisa com a reforma. A iluminação não quase não funcionava, a balsa era aberta, o telhado era danificado. Não tinha coletes salva-vidas e nem bote. Até a gente trabalhava de forma irregular, porque não tinha carteira, era contrato. Agora, tudo está funcionando”, revelou ele, que é morador da comunidade João Carro e está satisfeito com o resultado da reforma.

Estrutura

As balsas do rio da Casca e do rio Quilombo (48 Km de Chapada), que atende principalmente a comunidade de João Carro, beneficiam diretamente cerca quatro mil pessoas que vivem na região e têm as embarcações como um dos únicos modos de travessia do lago.

A barcaça que atende a comunidade de João Carro, por exemplo, realiza por dia cerca de 16 viagens (ida e volta), num percurso de 600 metros. Já a do rio da Casca, são 12 viagens (ida e volta) em média, num trajeto de 300 metro. A travessia é gratuita.

Fonte: GOV MT
publicidade

Mato Grosso

Em redes sociais, digital influencer ”Carla Bora” mostra hematomas e acusa namorado em Cuiabá

Publicado

Reprodução

A digital influencer Carla Reis, conhecida como “Carla Bora”, conhecida pelo bordão “bora? Bora tomar uma?”, que viralizou o Brasil no ano de 2016, usou sua página no Instagram para denunciar um caso de violência doméstica. Carla é de Várzea Grande.

Na madrugada desta sexta-feira, ela postou stories informando que foi agredida pelo namorado, um empresário do ramo de construção civil. “Carla Bora” relata que já realizou a denúncia para as autoridades policiais. Na sua página, contudo, não relatou como ocorreram as agressões, mas mostrou hematomas no braço.

A digital influencer ainda pede que as mulheres tenha coragem para denunciar, “mesmo quando ama”. Carla faz os relatos nos stories e não aparece de corpo inteiro como de costume. Nos vídeos, mostra apenas parte de seu rosto.

Além das fotos e dos vídeos, “Carla Bora” mostra uma suposta mensagem de seu namorado lhe pedindo desculpa e prometendo um noivado para reatar o relacionamento. “É difícil sair de um relacionamento ainda mais quando AMA, mas precisamos nos AMAR em primeiro lugar”, diz a postagem.

Antes de revelar o ocorrido na rede social, Carla ainda fez uma postagem de um folder que descreve e explica como a mulher pode identificar os sinais de um relacionamento abusivo.

Veja Também:  Para secretário de Segurança Pública, Lei restringe algumas atividades policiais

Na manhã desta sexta-feira (24), Carla postou um foto desejando “bom dia” a seus seguidores.

Recentemente, no mundo das celebridades e famosos, muitas mulheres tem tomado coragem para denunciar namorados e maridos que também tem status e fama. Essas ações tem dado um apoio para casos que ocorrem corriqueiramente.

Tocador de vídeo

Continue lendo

Mato Grosso

Trabalhador é atacado por abelhas durante limpeza de área em zona rural de Rondonópolis

Publicado

Corpo de Bombeiros – MT

Um trabalhador foi atacado por abelhas, enquanto fazia a limpeza de uma área na localidade Marajá, zona rural de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. O caso foi registrado no sábado (18). Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local para fazer o atendimento.

Um vídeo feito por uma testemunha mostrar o momento em que Juraci Belarmino da Rocha, de 58 anos, é socorrido. Ele foi levado para uma Unidade de Pronto Atendimento, chegou a ficar internado, mas já foi liberado.

Juraci estava acompanhado de outro trabalhador, cujo nome não foi divulgado. Entretanto, ele conseguiu correr e não foi atacado.

Falta de equipamentos

De acordo com o Sargento Reinaldo Souza, do Corpo de Bombeiros, houve dificuldade no resgate, porque o núcleo de Rondonópolis não têm roupas específicas para atendimentos como este.

Os militares usaram capa de chuva, capacetes e lençóis para conseguir fazer o resgate sem que também fossem atacados por abelhas.

Continue lendo

Esportes

Operário de Várzea Grande desiste de contratar goleiro Bruno

Publicado

Reprodução

O Clube Esportivo Operário Várzea-Grandense (CEOV) informou, nesta quarta-feira (22), que não irá mais contratar o goleiro Bruno Fernandes, condenado a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação do cadáver de Eliza Samudio, em 2010. Um comunicado foi emitido à imprensa, entretanto, não justifica o motivo da desistência. Sabe-se que nos últimos dias, a Eletromóveis Martinello desautorizou o uso da marca em uniformes do Clube, assim como a cooperativa Sicredi.

Contra a vinda do goleiro o time, na noite de terça-feira (21), manifestantes se reuniram no entorno do estádio Dito Souza, instalado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, onde seria realizada uma partida de futebol do tricolor. As mulheres estavam vestidas de preto e, além de cartazes, seguravam um cartão vermelho nas mãos, que indica a expulsão de um jogador em uma partida de futebol.

O ato organizado pelo Bloco das Mulheres contou também com a presença de homens. Diversos cartazes foram expostos com frases do tipo: ‘Feminicida não pode ser exemplo’; ‘Matar mulher é grave sim’; ‘Não compre ingresso, não pague para ver feminicida’; ‘Operário sim, assassino não’.

Veja Também:  Na luta contra hanseníase, preconceito ainda é desafio

Manifestantes repudiam contratação do goleiro Bruno pelo Operário

Também na terça-feira, a Martinello anunciou que desautorizou o uso da marca nos uniformes do time e em painéis utilizados em entrevistas. A empresa alegou não concordar “que condenado por crime tão grave e torpe seja elevado ao patamar de ídolo esportivo, pois o esporte é para cidadãos exemplares que cultivam a vida, o respeito ao próximo e o espírito de equipe”.

Na segunda-feira (20), a cooperativa Sicredi anunciou que irá retirar sua marca dos uniformes, mas alegou que ausência do logo nas camisetas do Operário ocorre em função da estratégia da empresa. Ao Olhar Direto, a assessoria informou que o Sicredi patrocina a Federação Mato-Grossense para o Campeonato Estadual de Futebol 2020 e não o Operário. Acrescentou ainda, por meio de nota, que não comenta as contratações de jogadores feitas pelos clubes.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana