conecte-se conosco


Carros

Honda anuncia mudanças de comando para a America do Sul

Publicado


source
Mudanças na Honda não serão apenas no comando da empresa no Brasil, mas também na linha de modelos
Divulgação

Mudanças na Honda não serão apenas no comando da empresa no Brasil, mas também na linha de modelos

A Honda anunciou mudanças no comando das suas operações de automóveis, motos e produtos de força na América do Sul. A partir de 1º de abril, o executivo japonês Atsushi Fujimoto , 58 anos, assume a posição de chief officer da operação regional.

Fujimoto, que era operating executive da Honda Motor Co. e gerente geral da Divisão de Estratégia de Negócios da operação global de automóveis, vai acumular, além da chefia da empresa japonesa na América do Sul, os cargos de presidente e diretor da Honda South America Ltda., da Honda Automóveis do Brasil Ltda., e da Moto Honda da Amazônia Ltda.

Você viu?

Na Honda desde 1986, o executivo tem uma sólida trajetória na marca, na qual destaca-se a ampla experiência internacional, adquirida na posição de presidente de operações da Honda em países como Malásia, Tailândia e China.

Veja Também:  Honda lança primeiro carro autônomo de nível 3 no Japão

Por aqui, Fujimoto vai assumir desafios como o lançamento do City Hatch, em um momento em que muitos fabricantes estão abrindo mão do mercado de hatches compactos. Além disso, terá que mudar outros modelos do portifólio para que a marca continue competitiva no desafiador mercado brasileiro.

Executivo irá acumular também o comando das divisões de carros e motos da Honda no Brasil
Divulgação

Executivo irá acumular também o comando das divisões de carros e motos da Honda no Brasil

Chief officer da Honda na América do Sul e presidente da Honda South America desde 2014, Issao Mizoguchi, 61 anos, passa a atuar na função de Conselheiro Executivo, dando suporte à atuação de Atsushi Fujimoto.

Durante sua gestão, Mizoguchi foi responsável pelo início das operações da nova fábrica de automóveis em Itirapina (SP) e do parque eólico da Honda Energy em Xangri-lá (RS), além do lançamento de produtos como a 10ª geração do Civic, em 2016, e do SUV WR-V, mostrado mundialmente no Salão do Automóvel, em São Paulo, do mesmo ano.

Atual líder do mercado brasileiro de motos, a Honda fechou o mês de janeiro com 65.519 motos vendidas e uma participação de 76,33% no mercado. Já entre os carros, a marca japonesa é atualmente a 8ª maior do Brasil, tendo fechado o primeiro mês de 2021 com 6.386 automóveis comercializados e uma fatia de 3,93% do mercado. Os números são da Fenabrave.

Veja Também:  Conheça a Yamaha YB 50, modelo que quase foi a primeira moto nacional
Fonte: IG CARROS

publicidade

Carros

Honda lança primeiro carro autônomo de nível 3 no Japão

Publicado


source
Honda Legend 2022 representa mais um avanço quando o assunto é carro autônomo no mercado global
Divulgação

Honda Legend 2022 representa mais um avanço quando o assunto é carro autônomo no mercado global


A Honda apresenta no Japão o primeiro sistema de direção autônoma de nível 3 do mundo. O equipamento faz a sua estreia no sedã de luxo Legend, atualmente o modelo de topo da marca no país asiático.


A função recebeu o nome de Traffic Jam Pilot é faz parte do pacote de equipamentos tecnológicos Honda Sensing Elite. Enquanto os autônomos de nível 2 exigem que o motorista se mantenha sempre atento ao volante, no nível 3 o carro já é capaz de dispensar o motorista em condição de tráfego lento em vias expressas, permitindo que o condutor assista até um filme na tela da central multimídia.

Você viu?

Em caso de necessidade, o veículo pode solicitar a retomada do controle de direção pelo motorista. Mas caso ele não reaja, o próprio Traffic Jam Pilot é capaz de desacelerar o automóvel e fazer as mudanças de faixa até a parada do carro no acostamento, como pode ser visto no vídeo abaixo.


Para conseguir comercializar a tecnologia, a Honda teve que obter uma autorização especial do Ministério Japonês de Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo, que exigiu a instalação no veículo de uma espécie de caixa preta para gravar dados do sistema autônomo nos últimos seis meses — incluindo se o motorista falhou em reagir a um alerta de retomada de comando — e a colocação de um adesivo indicativo na traseira do veículo.

Para operar, o Traffic Jam Pilot utiliza dados coletados pelo sistema de navegação via satélite e mapas tridimensionais de alta definição, além de uma rede de sensores que monitoram os arredores do veículo em um ângulo de 360°, enquanto uma câmera monitora as condições do condutor.

A tecnologia passou por uma bateria de testes de aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros e é baseada em redundância, permitindo que a sua operação siga mesmo com defeito em um dos componentes.

A Honda foi a única montadora a insistir no sistema autônomo de nível 3. Outros fabricantes que haviam anunciado o desenvolvimento deste tipo de tecnologia, como a Audi, decidiram pular esta etapa e ir diretamente para o desenvolvimento de sistemas autônomos de nível 4, que diferente do equipamento presente no sedã Legend vão permitir que o motorista esqueça da direção também em condições de tráfego normal.

Veja Também:  App Waze agora tem integração com o Google Assistente no Brasil
Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros

Ford começa a aceitar encomendas do Bronco Sport na Argentina

Publicado


source
Ford Bronco Sport: SUV médio chegará do México como primeiro modelo depois que a marca fechou suas fábricas no Brasil
Divulgação

Ford Bronco Sport: SUV médio chegará do México como primeiro modelo depois que a marca fechou suas fábricas no Brasil

A Ford da Argentina começa a aceitar encomendas para quem se interessar pelo SUV médio Bronco Sport, que chegará às lojas no país em abril a partir de US$ 44 mil, o que equivale a cerca de R$ 250 mil numa conversão simples. O carro também será vendido no Brasil na mesma época em que chegará ao mercado argentino.

Vindo do México, o Ford Bronco Sport passa a ser oferecido na Argentina em duas versões. A primeira é a 1.5 EcoBoost Big Bend, de 175 cv e 26,3 kgfm de torque. No sistema de transmissão está incluído câmbio automático, de oito marchas e tração integral. As rodas são de 18 polegadas e, no interior, o sistema multimídia é o Sync3 com tela de 8 polegadas sensível ao toque.

Veja Também:  App Waze agora tem integração com o Google Assistente no Brasil

A versão topo de linha do novo SUV médio da Ford é a 2.0 EcoBoost Wildtrack, de 240 cv e 38,1 kgfm de torque, que funciona com câmbio automático de oito marchas (com hastes no volante para trocas sequenciais), tração integral (sem reduzida, mas bloqueio de diferencial central, deixando 50% da força para cada eixo). Mais sofisticado, passa a ter sistema de som de alta-fidelidade da Bang& Olufsen e pintura de dois tons, mas custa US$ 54 mil (ou cerca de R$ 308 mil).

Na linha de acessórios, a Ford vai oferecer itens como barras na capota para ajudar a evar bagagem extra, além de equipamentos próprios para carregar bicicletas e caiaques. bem como engate para reboque, entre outros itens. Todas as versões do Bronco Sport contam com tração 4×4 G.O.A.T, com 5 modos de condução (econômico, esportivo, normal, cascalho e lama).

O Ford Bronco Sport tem 4,38 metros de comprimento, 1,88 m de largura, 1,78 m de altura e 2,67 m de distância entre-eixos. Na comparação com o Jeep Compass nacional, que tem 4,41 m de comprimento, 1,81 m de largura, 1,63 m de altura e 2,63 m de entre-eixos, o Bronco Sport é um pouco mais curto e alto.

O novo SUV da Ford faz parte da nova leva de modelos médios do segmento que chegarão ao Brasil ao longo de 2021 , mesmo com a cotação do dólar nas alturas e durante a forte crise econômica na pandemia, um dos fatores que levaram a marca americana a fechar suas fábricas no País.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros

Falta de peças é principal risco atual para a indústria, aponta Anfavea

Publicado


source
Falta de peças é hoje o principal fator que pode levar à paralização da produção de carros no Brasil
Divulgação

Falta de peças é hoje o principal fator que pode levar à paralização da produção de carros no Brasil


As medidas de restrição por parte dos governos municipais e estaduais por conta do aumento no número de casos e vítimas fatais por Covid-19 no Brasil preocupam menos a indústria automobilística atualmente do que o gargalo logístico e de produção desencadeado pela pandemia do novo coronavírus. É o que aponta a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), que divulgou nesta sexta-feira (5) os números do setor no mês de fevereiro.


Segundo a Anfavea , a indústria automobilística fechou fevereiro com 197 mil automóveis de passeio produzidos. Queda de 1,3% na comparação com janeiro, quando foram fabricados 199,7 mil carros no Brasil. Pior resultado desde julho de 2020 e pior fevereiro desde 2016.

Veja Também:  Ford começa a aceitar encomendas do Bronco Sport na Argentina

Apesar dessa variação negativa na produção, o nível de estoque de carros novos se manteve no equivalente a 18 dias de vendas. Desse total. 15 dias de estoques estão nos pátios dos fabricantes e 3 dias nas concessionárias.

Apesar dessa aparente estabilidade, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, destaca que o cenário para os próximos meses ainda é de incerteza. “Hoje nos temos protocolos muito bem estabelecidos, com mudanças nos transportes, refeitórios, medição de temperatura e produção em dois ou mais turnos. Posso afirmar que há menos riscos dentro das fábricas do que em outros lugares. O risco maior é de parada por falta de peças”.

Você viu?

Aumento dos sistemas eletrônicos nos veículos fizeram aumentar a dependência dos semicondutores
Divulgação

Aumento dos sistemas eletrônicos nos veículos fizeram aumentar a dependência dos semicondutores


Além dos semicondutores necessários para a produção dos sistemas computadorizados, hoje existe o risco de desabastecimento de matérias-primas básicas como aços e resinas para a produção de peças plásticas. Com uma menor oferta de insumos, aumentaram também os custos de aquisição, que se somaram à elevação nos fretes marítimo e aéreo nos últimos meses.

Veja Também:  Honda CB 600F Hornet lidera ranking das motos mais buscadas na internet

Um levantamento realizado pela Anfavea aponta que só o aço plano laminado a quente ficou 61% mais caro em relação ao preço praticado em janeiro de 2020, enquanto as resinas e elastômeros fecharam dezembro de 2020 com uma majoração de 68% nos preços em relação ao mesmo mês de 2019.

Já o frete marítimo teve uma alta de 339% na comparação com os meses anteriores à pandemia, enquanto o frete aéreo encareceu 105% no mesmo período.

“A pandemia trouxe uma desorganização nos preços, embora a logística das montadoras tenha feito um trabalho brilhante tentando mitigar esses efeitos. Mas juntando os problemas conjunturais, isso dificulta ainda mais a recuperação”, completou Moraes.

O presidente da Anfavea reforçou ainda a necessidade de mudanças no sistema tributário que ajudem a tornar mais saudável o ambiente para a indústria automobilística no País.

“A indústria automobilística traz inovação para o país. Eu vejo espaço. Mas o Custo Brasil está lá. E quanto mais cedo retirarmos as carcaças [se referindo aos problemas estruturais do Brasil], mais projetos temos chance de trazer. Defendemos a viabilidade junto às matrizes, mas precisamos ter credibilidade”, finaliza.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana