conecte-se conosco


Nacional

Médica faz piada após intubar pacientes e gera revolta: “mais um eu peço música”

Publicado


source
Reprodução

“Mais um e peço música”, brincou a médica Leanara Rocha

Uma postagem da médica Leanara Amaro Rocha, da cidade de Guajará-Mirim (RO), revoltou internautas e chegou até o vereador Rivan Eguez (PV), que informou ter levado o caso às autoridades.

Nos Stories do Instagram, a médica , cuja formatura foi antecipada em maio de 2020 devido à necessidade por profissionais diante da pandemia, postou que no mesmo plantão havia intubado dois pacientes . Na sequência, contudo, escreveu: “kakakakka Mais um eu peço música no fantástico”, junto com um emoji de risada. Diante das críticas, Leanara Rocha divulgou uma carta aberta pedindo desculpas à população.

“Peço publicamente desculpas a todos os conterrâneos, familiares, amigos de familiares, conhecidos, aos gestores desse Município, meus colegas de trabalho e aos principais os meus pacientes por uma publicação não pensada, sem teor nenhum de maldade ou sentimentos ruins que foi reproduzida inúmeras e inúmeras vezes com teor totalmente diferente e discrepante do sentimento expressado naquele momento: “Rir pra não chorar”. Jamais e por hipótese nenhuma comemoraria de maneira cruel sobre os péssimos desfechos da Covid-19 “, disse a médica em trecho da carta (colocada na íntegra ao final).

Na terça-feira da última semana, dia 19, o vereador Rivan Eguez manifestou em seu perfil do Facebook “muita revolta e indignação” em razão do post da médica : “de imediato entrei em contato com o Plantão do Ministério Público”.

O vereador disse ter recebido orientação para “cobrar providências” da direção do Hospital Regional, da Secretaria Municipal de Saúde e da Prefeitura. “Solicitei tanto do diretor do hospital quanto do secretário, que tomassem as devidas providências que o caso requer”, acrescentou.

Segundo Eguez, o secretário Rafael Ripke Tadeu Rabelo “se prontificou a fazer as devidas apurações, para verificar a veracidade do fato narrado, assim bem como, de imediato publicar uma ‘Nota de Repúdio’, repudiando esse INFELIZ EPISÓDIO”.

Veja Também:  Chuvas e temperaturas mais baixas neste sábado em São Paulo

Em nota divulgada no dia 20, a prefeitura de Guajará-Mirim , em nome da prefeita Raissa Bento, afirmou que “não concorda, não compactua e repudia de todas as formas a atitude da Médica”.

De acordo com o comunicado, Leanara Rocha “já havia pedido exoneração” no início deste ano. “E logo depois ficou afastada por problemas de saúde “, informou.

Quanto ao plantão feito pela médica que foi registrado em foto, a prefeitura esclareceu que a profissional “se pronfiicou em ajudar nos atendimentos”, “mesmo estando afastada e assegurada por atestado médico”.

“Diante do acontecido já tomamos todas as medidas cabíveis que estavam ao nosso alcance e dentro da competência do Município. E continuaremos tomando todas as providências para que fatos como este não entrem em uma estatística”, concluiu.

Leia abaixo, na íntegra, a carta aberta divulgada pela médica:

“Carta aberta à população de Guajará-Mirim

Você viu?

Diante dos acontecimentos envolvendo meu perfil pessoal, o instagram, e das inúmeras repercussões negativas a respeito de um post realizado em modo de stories achei justo me posicionar a respeito do assunto:

Eu sou Leanara Amaro Rocha, pros meus amigos mais próximos a Léa, a Dra. Léa. Nascida e criada em Guajará-Mirim até os meus 14 anos, quando tive o sonho de ser Médica, desde então, fui morar fora junto com meu irmão em Cuiabá/MT e lá permanecemos por 3 anos sozinhos, um sob responsabilidade do outro, estudando em escola em período integral; após todos esses anos e não suficiente para ingressar em uma faculdade de Medicina, cursei mais um ano de cursinho em Porto Velho/RO sendo aprovada em uma instituição particular para Medicina em que permaneci por um ano.

Devido as inúmeras inteméries financeiras de só quem tem um filho em período de Graduação em instituição particular pode entender, foi necessário buscar novas oportunidades, sendo aprovada um ano depois na Universidade pública do Estado.

Tive formatura adiantada no período de pandemia pela COVID-19 em 2020 tendo em vista o status de calamidade pública do nosso Estado, sendo Guajará-Mirim/RO uma das cidades com maior taxa de mortalidade do Estado na época com falta de profissionais médicos para linha de frente.

Não posso dizer que essa era minha primeira opção de emprego, nem a segunda e por muitos e muitos dias sofri pessoalmente com a realidade do município em que nasci, tive pesadelos, pensei na minha família que ficou aqui, nos meus amigos que ficaram, nos amigos dos meus pais, no meu pai. E se fosse algum deles? E se algum deles precisar de assistênca e essa não estiver disponível? E se?

Com tantas dúvidas e contrariando todos aqueles que são mais próximos de mim, decidi voltar a Guajará-Mirim, na intenção de tocar uma vida, de melhorar a realidade de pelo menos uma pessoa, isso para mim já teria pago todos os meus anos de estudo, de morar fora sozinha, de perder dias com as pessoas que amo por um bem maior.

Peço publicamente desculpas a todos os conterrâneos, familiares, amigos de familiares, conhecidos, aos gestores desse Município, meus colegas de trabalho e aos principais os meus pacientes por uma publicação não pensada, sem teor nenhum de maldade ou sentimentos ruins que foi reproduzida inúmeras e inúmeras vezes com teor totalmente diferente e discrepante do sentimento expressado naquele momento: “Rir pra não chorar”. Jamais e por hipótese nenhuma comemoraria de maneira cruel sobre os péssimos desfechos da Covid-19.

Trabalho nesta cidade desde o dia em que me formei Médica em maio de 2020, às vezes com uma carga horária longa de hora de trabalho sem descanso e sem colegas para revezar o plantão: 36h, 48h, 72h… E neste último mês fui afastada pelos meus colegas por exaustão profissional. Síndrome de Burnout, e mesmo estando de atestado para descansar, voltei, tive um plantão tumultuado e acabei removendo paciente grave em 8h de viagem para o Hospital Referência.

Todos os meus pacientes e as pessoas que chegarem até mim serão tratadas com respeito, carinho e dedicação até que se recuperem.

A essas pessoas todo meu respeito e pedido de desculpas.

Abraços

Leanara Amaro Rocha”.

Veja Também:  Câmara dos Deputados desiste de votar PEC da Imunidade nesta sexta-feira

publicidade

Nacional

Chuvas e temperaturas mais baixas neste sábado em São Paulo

Publicado


source
Previsão do tempo deste sábado é de chuva
Reprodução/CreativeCommons

Previsão do tempo deste sábado é de chuva

Tempo nublado e chuvas durante todo o dia marcam a previsão do tempo deste sábado (27), na capital paulista. O Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) divulgou que a mínima será de 19ºC e a máxima de 26ºC.

Entre o início da tarde e noite, principalmente, o sábado será marcado por chuva moderada a forte. A umidade do ar em São Paulo oscila entre 48% e 95%.

Veja Também:  Bolsonaro estuda demitir Pazuello e mudar sua hierarquia no Exército; entenda
Continue lendo

Nacional

Gilmar Mendes tira da Lava-Jato do Rio investigação contra delegado

Publicado


source
Ministro do STF, Gilmar Mendes
NELSON JR./STF

Ministro do STF, Gilmar Mendes

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes proferiu uma decisão determinando que uma investigação contra delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro saia da competência da Lava-Jato do Rio e seja encaminhada para a Justiça Estadual. O caso envolvia suspeitas de pagamento de propina do empresário Arthur Soares, o rei Arthur, a um delegado da Polícia Civil, Ângelo Ribeiro de Almeida Júnior, em troca de proteção em investigações.

Em sua decisão, Gilmar entendeu que o único elemento usado para justificar a competência do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, era a delação, e que não havia relação dos fatos com a Lava-Jato do Rio. A reclamação foi protocolada pelo advogado do delegado, Rafael da Silva Faria.

“O suposto recebimento, pelo reclamante, de vantagem indevida de Arthur Soares, por intermédio de Danilo Botelho, não é suficiente para sustentar uma conexão com os fatos apurados pela Operação Titereiro –não há envolvimento de agentes públicos, verbas federais ou qualquer vínculo com os delitos praticados na gestão do governo Cabral, dos quais se desdobrou a Operação Titereiro”, escreveu Gilmar Mendes.

Veja Também:  Com saúde em crise no Paraná, Silas Malafaia reúne centenas de fiéis em culto

O ministro fez críticas aos processos mantidos sob a competência de Bretas no Rio, apontando que não é possível determinar que os desdobramentos da Lava-Jato do Rio automaticamente teriam que ficar sob a alçada de Bretas. “Importante observar que a regra no processo penal é o respeito ao princípio do juiz natural, com a devida separação das competências entre Justiça Estadual e Justiça Federal”, escreveu.

Continue lendo

Nacional

Covaxin: MP e TCU pedem suspensão de compra do Ministério da Saúde

Publicado


source
Vacina Covaxin, desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech; MP e TCU contestam compra de vacina que não teve eficácia comprovada
Divulgação/Bharat Biotech

Vacina Covaxin, desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech; MP e TCU contestam compra de vacina que não teve eficácia comprovada

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) entrou com um pedido nesta sexta-feira (26) para que seja suspensacompra de 20 milhões de doses Covaxin, vacina indiana contra Covid-19 adquirida por meio de acordo com a Precisa Medicamentos, fabricante brasileira do imunizante indiano.

O subprocurador-geral do TCU , Lucas Furtado, contesta o o fato de que o contrato de R$ 1,6 bilhão tenha sido firmado sem que haja eficácia comprovada para plicação no país. Além disso, a Anvisa ainda não autorizou a realização de estudos clínicos da vacina em território brasileiro.

“A aquisição de vacinas ainda não testadas atrasa ainda mais a vacinação dos brasileiros e coloca em risco da vida de milhões, no momento em que enfrentamos a pior fase da doença, com o recorde de mortes diárias atingido recentemente. Cabe notar que, no momento, temos opções de vacinas!”, disse Furtado.

Veja Também:  Covaxin: MP e TCU pedem suspensão de compra do Ministério da Saúde

“Em detrimento da aquisição de imunizantes que não possuem comprovações cientificas, o certo é aplicar os recursos públicos de forma eficiente e buscando a efetividade na proteção dos brasileiros”, continuou.

Ministério da Saúde responde

Em nota, o Ministério da Saúde alega que a aquisição da Covaxin permitirá assegurar e ampliar ainda mais a estratégia de vacinação dos brasileiros contra a covid-19. A aplicação das vacinas, como a de qualquer imunizante incorporado ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), está condicionada à prévia obtenção de registro ou de autorização para uso emergencial pela Anvisa “.

“O pagamento pelo Ministério da Saúde a cada fornecedor de vacina também está condicionado à obtenção de autorização da Anvisa para uso do imunizante”, continua a pasta.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana