RONDONÓPOLIS

Política Nacional

Mito ou genocida? Bolsonaro aparece em voo comercial e divide passageiros

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entra em avião comercial e recebe gritos de
Reprodução Redes Sociais

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entra em avião comercial e recebe gritos de “mito” e “genocida” de passageiros

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido)  entrou de surpresa em um avião comercial no aeroporto de Vitória na manhã de sexta-feira (11).

Bolsonaro cumprimentou e tirou foto com parte dos passageiros e da tripulação, e ouviu palavras de apoio e de crítica. O presidente estava usando máscara na maior parte do tempo.

Você viu?

Confira o vídeo:


O vídeo do episódio foi publicado pelo canal do Youtube Foco do Brasil. Na parte da frente do avião, Bolsonaro acenou para os passageiros e tirou algumas fotos.

Diversos dos presentes gritaram palavras de apoio. Aos que o criticaram, o presidente disse que deveriam utilizar um jegue como meio de transporte. A interação durou menos de dois minutos.

“Quem fala “Fora Bolsonaro” deveria estar de jegue viajando. (Quem fala) “Fora Bolsonaro” devia estar viajando de jegue, não de avião. Para ser solidário com o candidato deles”, disse.

Outro video que viralizou nas redes sociais mostram diversos passageiros entoando gritos contrários ao presidente:

Bolsonaro foi ao Espírito Santo para realizar entrega de um conjunto habitacional em São Mateus. No lado de fora do aeroporto de Vitória, o presidente causou aglomeração e interagiu com apoiadores, dessa vez sem máscara.

Como o GLOBO mostrou, o presidente já participou de pelo menos 84 aglomerações desde que a Organização Mundial da Saúde ( OMS ) declarou a pandemia da Covid-19 em 11 de março do ano passado. Em média, o chefe do Executivo brasileiro esteve presente em uma concentração de pessoas a cada 5,3 dias, algumas delas registradas na mesma data.

Propaganda

Política Nacional

Empresário da Precisa vai ao STF contra quebra de sigilos determinada pela CPI

Publicados

em


source
Supremo Tribunal Federal
Agência Brasil

Supremo Tribunal Federal

O Supremo Tribunal Federal (STF), foi acionado nesta terça-feira (22), por Francisco Emerson Maximiano, sócio-administrador da Precisa Medicamentos. O empresário recorreu ao órgão para impedir a quebra de seus sigilos, determinada pela CPI da Covid . A Precisa é a empresa que intermediou a compra da vacina Covaxin, da farmacêutica indiana Bharat Biotech.

Maximiano deporia à CPI nesta quarta-feira (23), mas comunicou que não comparecerá a audiência alegando estar cumprindo uma quarentena obrigatória, já que retornou da Índia na semana passada. 

Segundo a CNN, sete dias antes de assinar o contrato para o fornecimento da vacina indiana Covaxin, a Precisa Medicamentos, que também representa a companhia Cupid Limited em um contrato para a aquisição de preservativos femininos, acrescentou aditivo contratual neste processo que dobrou o valor da licitação junto ao Ministério da Saúde.

O Itamaraty enviou à Comissão documentos que revelaram que o valor negociado pelo governo brasileiro para a compra da vacina indiana Covaxin foi 1000% superior ao estimado por executivos da Bharat Biotech, em agosto do ano passado.

O Supremo tem acumulado pedidos sobre a revisão de quebras de sigilos desde que a CPI da Covid começou a pedi-las. As ações foram distribuídas entre os ministros do STF, com magistrados adotando conclusões divergentes a respeito dos poderes e limites da comissão nesse processo de investigação.

Você viu?

Continue lendo

Política Nacional

Randolfe: CPI vai investigar “corrupção ativa e passiva” na compra de vacinas

Publicados

em


source
Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid
Jefferson Rudy/Agência Senado

Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid

O senaror Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, disse nesta terça-feira (22), após a sessão que ouviu o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) , que a comissão entrará em sua “terceira e decisiva fase”, que vai investigar crimes de corrupção ativa e passiva.

“A Comissão Parlamentar de Inquérito entra em uma terceira e decisiva fase, que é a investigação de outros crimes além dos anteriores. Até então, os indícios eram de crimes contra a ordem de saúde sanitária, de prevaricação, basicamente estes. Nós vamos entrar agora na área de investigação em relação à corrupção ativa e passiva de agentes públicos e privados”, disse.

Segundo Randolfe, já está provado pela comissão a existência de um ‘gabinete paralelo’ do Ministério da Saúde, que aconselhava as medidas tomadas pelo presidente Jair Bolsonaro — como a defesa por medicamentos comprovadamente ineficazes para o tratamento da Covid, a exemplo da cloroquina e da ivermectina.

Um dos focos da comissão deverá ser a investigação da compra pelo Ministério da Saúde da vacina indiana Covaxin. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), as doses custaram 1.000% mais do que, seis meses antes, era anunciado pela própria fabricante.  A ordem para a aquisição da vacina indiana partiu pessoalmente do presidente Jair Bolsonaro .

Continue lendo

Política Nacional

Bolsonaro afirma que Arthur Lira faz ‘trabalho excepcional’ na Câmara

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro e deputado Arthur Lira
O Antagonista

Presidente Jair Bolsonaro e deputado Arthur Lira

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), faz um “trabalho excepcional”. Bolsonaro chamou Lira de “amigo” e “companheiro” e disse que Executivo e Legislativo são um só Poder, formando “heteramente um casal “.

Em entrevista ao GLOBO publicada nesta terça, Lira afirmou que não há “circunstâncias” para um processo de impeachment contra Bolsonaro e disse que a CPI da Covid é um “erro” e “não vai trazer efeito algum”.

Você viu?

— Prezado amigo, companheiro, presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. Tu faz um trabalho excepcional, Arthur. Quem viveu e quem vive hoje o Parlamento. Bem como o nosso colega Rodrigo Pacheco, no Senado Federal. A gente vive para o Brasil — disse Bolsonaro, durante um evento no Palácio do Planalto.

O presidente acrescentou, como já disse outras vezes, que na prática o Brasil não tem três Poderes, mas sim dois:

— Eu costumo sempre dizer, não são três Poderes, não, Arthur. São dois. É o Judiciário e nós para o lado de cá, porque nós formamos heteramente um casal.

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana