conecte-se conosco


Política Nacional

“Não podemos subestimar o Cão”, diz Damares sobre volta da esquerda ao poder

Publicado

source
Damares Alves participa de audiência pública na Câmara dos Deputados arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 22.5.19

Damares Alves participou de evento conservador em São Paulo

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves , conseguiu uma façanha neste sábado. Apesar da enorme concorrência com celebridades da direita na conferência conservadora CPAC Brasil, foi seu fervoroso discurso que levou o já empolgado público à euforia.

Entre aplausos frequentes, Damares comparou a esquerda ao diabo, rebateu a fala de um arcebispo em sermão na missa de Aparecida neste sábado e insuflou a direita a se organizar contra o “mal”. Mesmo com a presença de Eduardo Bolsonaro, dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil), ela foi a conferencista mais aplaudida e ouviu coro de “fica! Fica!” antes de deixar o palco.

A ministra abriu o discurso citando a declaração dada pelo arcebispo Dom Orlando Brandes, horas mais cedo, em missa no Santuário Nacional de Aparecida. O religioso criticou “o dragão do tradicionalismo” e afirmou que a direita é “violenta e injusta”.

Leia também: Damares diz que violência sexual é principal preocupação do ministério

Damares disse que o arcebispo deve “estar com medo de nós, que somos terrivelmente cristãos”.

Veja Também:  Moraes tem informação para operações mais explosivas, mas prefere esperar

“O conservadorismo vai dar certo. O povo de bem se levantou e agora está governando esta nação”, declarou ela, sendo aclamada pelo público.

Ela rasgou elogios ao CPAC Brasil, que definiu como um divisor de águas na história do conservadorismo no Brasil, e não poupou disparos contra a esquerda.

“Para a tristeza da esquerda nunca se defendeu tanto direitos humanos como hoje no Brasil. O presidente machista só neste ano já sancionou seis leis de proteção à mulher. Chora, esquerda! Aceita que dói menos.”

Leia também: MP cobra que Damares explique mudanças na Comissão sobre Mortos e Desaparecidos

Em seguida, ela alertou o público sobre as estratégias da esquerda para voltar ao poder e pediu organização à direita para impedir esse movimento. Damares comparou a esquerda ao diabo.

“Não podemos subestimar o outro lado. Eles estão à espera para poder usurpar o poder novamente. Nós não podemos subestimar o Cão. Não podemos subestimar o mal. Vamos ter que começar a ocupar as câmaras de vereadores e prefeituras, ouviram? Precisamos sair daqui com isso em mente”, disse.

Veja Também:  Após pedido, governo nega flexibilização da quarentena para região do ABC

O restante do discurso foi repleto de críticas a deputados de esquerda, como Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Jean Wyllys (PSOL-RJ) e ao PT e referências ao seu famoso bordão “meninos vestem azul, meninas vestem rosa”.

Leia também: Damares diz que governo Bolsonaro vai cancelar construção do Memorial da Anistia

Com uma retórica talentosa, a pastora ganhava aplausos a cada frase de efeito. O público pedia que ela ficasse mais sempre que ela mencionava o tempo curto para falar. Na reta final, Damares ainda teve tempo de atribuir a eleição de Jair Bolsonaro a uma vontade divina. Falando sobre o que afirmou ser um domínio da esquerda sobre a vontade dos povos indígenas, ela arrancou gritos de “Fora, Raoni”.

“Tupã ouviu o choro dos curumins e disse: chega! E então elegemos Jair Bolsonaro. A eleição dele interrompeu um ciclo de sofrimento e dor. Este país não vai mais suportar ser governado por sanguinários da esquerda”, declarou. “Pode bater, esquerda. Quanto mais bate, mais esse governo cresce.”

Em seguida, foi encoberta pelos aplausos e por um coro decorado. “Homem nasce homem, mulher nasce mulher, na nossa família você não vai poder mexer”.

Fonte: IG Política
publicidade

Política Nacional

Moraes tem informação para operações mais explosivas, mas prefere esperar

Publicado


source
Alexandre de Moraes inquérito das fake news
Marcos Oliveira/Agência Senado

Alexandre de Moraes é o relator do inquérito das fake news

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF),  Alexandre de Moraes gerou polêmica, nesta quarta-feira (27), ao decretar operações policiais do inquérito das fake news . Contudo, Moraes possuía informações para realizar operações de potencial político ainda mais explosivo, segundo informou nesta sexta (29) a coluna de Mônica Bergamo da Folha de S. Paulo .

Leia também: Sara Winter diz que Alexandre de Moraes “nunca mais vai ter paz”; assista

Alexandre de Moraes , no entanto, resolveu esperar os resultados da operação de quarta e acumular mais materiais antes de realizar a próxima operação, segundo articuladores do ministro informaram à coluna.

Nesta quarta, Moraes solicitou que a Polícia Federal (PF) realizasse 29 operações de busca e apreensão nas casas de alvos do inquérito das fake news. Entre os alvos estavam empresários e ativistas aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

O presidente teme que seu filho , o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), seja um dos próximos alvos do inquérito. Em abril, Carlos foi apontado pela PF como articulador de um esquema criminoso  de fake news .

Veja Também:  Solução para o cinema, governo anuncia aprovação do drive-in cultural

Leia também: Alexandre de Moraes tem maioria: STF deve manter inquérito das fake news

Na operação de quarta, Alexandre de Moraes determinou que fossem apreendidos computadores e celulares dos alvos para investigar um suposto grupo criminoso de disparo de fake news e ataque contra o STF. As informações encontradas nos dispositivos podem embassar os próximos passos do inquérito.

Continue lendo

Política Nacional

Toffoli receberá alta, mas ficará 10 dias afastado

Publicado


source

Agência Brasil

Dias Toffoli
Carlo Moura/SCO/STF

Dias Toffoli testou negativo para Covid-19.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, deverá ter alta médica nos próximos dias, mas terá que ficar afastado do trabalho por mais 10 dias . De acordo com boletim médico divulgado hoje (29), Toffoli apresentou melhora do quadro de saúde nas últimas 48 horas e ficará em repouso domiciliar após deixar o hospital onde está internado em Brasília.

Leia também: Weintraub fica em silêncio durante depoimento à PF

No sábado (23), Toffoli passou por uma cirurgia para retirada de um ˜pequeno abscesso”. Apesar de a cirurgia ter transcorrido bem, o ministro apresentou sintomas da covid-19 e ficou internado para observação. Os exames realizados pelo ministro deram negativo para Covid-19 .

Na ausência de Toffoli, o Supremo é comandado pelo vice-presidente, ministro Luiz Fux .

Boletim médico

A íntegra do boletim sobre o estado de saúde de Toffoli, é a seguinte:

“O presidente do STF, Ministro Dias Toffoli, foi internado no Hospital DFStar, no último dia 23, e submetido a um pequeno procedimento cirúrgico de urgência. Devido a um quadro de pneumonia, foram realizados testes específicos para covid-19, cujos resultados foram negativos. Houve melhora clínica significativa com as medidas terapêuticas implementadas nas últimas 48 horas, com previsão de alta para os próximos dias. O paciente permanecerá com a recomendação de repouso domiciliar, afastado das atividades laborais pelo menos por dez dias, quando será reavaliado pela equipe médica.”

Veja Também:  Solução para o cinema, governo anuncia aprovação do drive-in cultural

Leia também: Moro diz que vetos de Bolsonaro ao projeto anticrime foram para proteger Flávio

Assinam o boletim os médicos João Pantoja, pneumologista e diretor-geral do Hospital Copa Star; Ludhmila Abrahão Hajjar, cardiologista e intensivista do Villa Nova Star; Pedro Loretti, diretor-geral do DF Star; e. Luiz Lobato, cirurgião.

Continue lendo

Política Nacional

Weintraub fica em silêncio durante depoimento à PF

Publicado


source
Weintraub
Marcos Corrêa/PR

Durante o depoimento, Weintraub não respondeu às perguntas.

O Ministro da Educação , Abraham Weintraub, ficou em silêncio e não respondeu à perguntas durante depoimento prestado à Polícia Federal (PF) na tarde desta sexta-feira (29). Interrogatório faz parte do inquérito das fake news e foi realizado por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: ‘Odeio o termo povos indígenas’, diz Weintraub em reunião ministerial

O objetivo do depoimento de Weintraub era esclarecer a afirmação feita pelo ministro na reunião ministerial do dia 22 de abril. Na ocasião, Weintraub disse que ” botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF “.

O governo tentou impedir a realização do depoimento. O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça , chegou a entrar com um pedido de habeas corpus preventivo para suspender o interrogatório. 

Veja Também:  Moraes tem informação para operações mais explosivas, mas prefere esperar
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana