conecte-se conosco


Nacional

Polícia prende quatro suspeitos do assassinato de indígena Guajajara no Maranhão

Publicado

source
carro da polícia arrow-options
Reprodução/TV Globo

Os homens foram presos neste sábado (14) suspeitos de assassinas Erisvan Guajajara


Leia também: Quatro indígenas são assassinados no Maranhão em menos de 2 meses

A Polícia Militar prendeu neste sábado (14) quatro suspeitos do assassinato do indígena Erisvan Guajajara, de 15 anos, morto a golpes de faca durante uma festa na madrugada de sexta-feira (13), no município de Amarante do Maranhão, localizado a 687 km de São Luís.

A Fundação Nacional do Índio havia divulgado que a vítima era Dorivan Soares Guajajara, de 28 anos, que na verdade é o irmão de Erisvan. A informação foi corrigida hoje. Além do jovem, o não indígena José Roberto do Nascimento Silva, de 23 anos, também foi morto.

Leia também: Após ataque a indígenas, Moro diz que pode enviar Força Nacional ao Maranhão

Segundo a Polícia Militar, a suspeita é que as vítimas tenham sido mortas por envolvimento com roubos e tráfico de drogas na região.

“Eles têm histórico de roubos e furtos de celulares e envolvimento com o tráfico de drogas. Estamos com a Polícia Civil buscando com os nossos serviços de inteligência mais informações para resolver essa questão e dar reposta a essa comunidade de Amarante”, disse o coronel Jorge Araújo, comandante do 34º Batalhão de Polícia Militar de Amarante do Maranhão.

Veja Também:  Prefeita troca carnaval por doação de moradias populares e ajuda a famílias carentes

De acordo com um dos irmãos do jovem indígena, Erisvan havia saído há 25 dias da Terra Indígena Araribóia, localizada a 20 quilômetros do centro de Amarante.

Os corpos de Erisvan Guajajara e José Roberto Nascimento foram liberados pelo Instituto Médico Legal de Imperatriz (IML) na noite dessa sexta (13) após passarem por exames.

A Funai divulgou uma nota sobre a morte do indígena e descartou a possibilidade do assassinato ter sido motivado por crime de ódio, disputa por madeira ou por terras. O órgão disse estar à disposição para contribuir nas investigações. Fotos que circularam em grupos de WhatsApp mostram dois corpos em uma área de gramado com ferimentos compatíveis com golpes de facão.

A região onde a nova morte foi registrada é marcada pela tensão entre índios e madeireiros. O assassinato de indígenas nos últimos dois meses começaram em novembro, quando Paulo Paulino Guajajara foi morto a tiros enquanto caçava. Ele era integrante de um grupo de indígenas conhecido como “guardiões da floresta”, que tentava impedir a invasão de terras indígenas por madeireiros.

Veja Também:  Líder do PCC, Marcola é levado a hospital em Brasília

Leia também: Índios sofriam ameaças após assaltos, diz membro da Funai no Maranhão

No último sábado, outros dois índios da etnia guajajara foram mortos em um atentado no município de Jenipapo dos Vieiras (MA). Outros quatro índios ficaram feridos. Foi depois dessas mortes que o ministro da Justiça, Sergio Moro, autorizou o envio da Força Nacional à região.

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Prefeita troca carnaval por doação de moradias populares e ajuda a famílias carentes

Publicado

A prefeitura de Granja informou que os R$ 1,2 milhões que poderiam ser gastos na realização do carnaval este ano, poderão custear as ações preventivas e de contingenciamento.

A decisão da Prefeita Amanda Aldigueri, de cancelar a realização do carnaval em Granja, em 2020, rendeu críticas e elogios a administração  como já era esperado. Contudo, a prioridade, permanece sendo as ações de prevenção de desastres e danos que poderão ser provocada pelas cheias causadas pelas chuvas do período. Já são mais de 300 milímetros acumulados no município mais chuvoso do Ceará, percentual acima do esperado para o período.

A prefeitura de Granja informou que os R$ 1,2 milhões que poderiam ser gastos na realização do carnaval este ano, poderão custear as ações preventivas e de contingenciamento. Segundo divulgou o radialista Miqueias Santos, o governo municipal vai construir e doar 52 moradias populares com recursos próprios para moradores de áreas de risco, de acordo com o um pré-cadastro social realizado ano passado.

Além disso, como fez ano passado, em caso de desalojados e desabrigados, a prefeitura estará empenhado na oferta de aluguel social, ajuda para remoção e doação de mantimentos como água, colchão e cestas básicas.

Veja Também:  Prefeita troca carnaval por doação de moradias populares e ajuda a famílias carentes

Desde o dia 7 de janeiro, máquinas atuam na recuperação de córregos, rios, riachos, drenagens, recuperação de pontes, manutenção de passagens molhadas e bueiros, para o destino correto de resíduos.

Com indicadores sociais e educacionais considerados satisfatórios, Granja se mantém confortável para tomar tal decisão de cancelar o carnaval de 2020, embora desagrade parte da população.

Prêmio pela qualidade dos gastos públicos

A Prefeitura de Granja ficou em 2º lugar no ranking divulgado pela Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste), que premia os municípios pela qualidade nos gastos dos recursos financeiros. O resultado saiu ontem (8).

Entre os indicadores que foram avaliados estão “Gastos em Investimentos”, “Gastos na área social” e “Equilíbrio financeiro”, para os municípios com até 20 mil habitantes, entre 20 mil e 50 mil, entre 50 mil e 150 mil e acima de 150 mil habitantes. Os dados são coletados diretamente do Tesouro Nacional.

Obra do Dique de proteção do Rio Coreaú

Os recursos de R$ 1.500.000,00 para a construção da 2ª etapa do dique de contenção das cheias do Rio Coreaú foi liberada para início da obra há cerca de um mês. A Referida obra, cujo projeto foi encomendado pela Prefeita de Granja, irá resolver de forma definitiva as enchentes causadas pelo Rio Coreaú na cidade.

Veja Também:  Surto de doença faz MP pedir interdição em presídio de Roraima

Continue lendo

Nacional

Mulher sem mãos teve benefício negado pelo INSS por não poder assinar o papel

Publicado

ex-sinaleira Cleomar Marques, que teve as mãos e as pernas amputadas, fez um pedido de benefício ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em Porto Velho, Rondônia, mas ele foi negado porque ela não conseguiu assinar os documentos que autorizavam o auxílio.

“Uma servidora puxou os papéis e perguntou: ‘ quem vai assinar? Você assina? ‘. Eu disse que não podia assinar, mas sim a minha filha ou minha mãe. A mulher então olhou e disse: ‘ah, então não vale’. Daí ela pegou, rasurou o papel e jogou fora”, contou Cleomar para a reportagem do Jornal de Rondônia 1ª Edição, da rede Amazônica, afiliada da Globo.

Cleomar relata que após a primeira negativa fez mais dois pedidos ao INSS em 2019 e todos foram negados. Para a reportagem, a trabalhadora diz que precisa do benefício, pois a filha fica em casa para ajudá-la na alimentação e banho.

O segundo requerimento foi negado por ela ter uma renda per capta familiar superior a 1/4 do salário mínimo, ou seja, uma média de R$ 238,50. As informações são do portal G1 de Rondônia.

Veja Também:  Advogado de Glenn diz que denúncia ‘é tosca’

À Rede Amazônica, o INSS informou que a renda foi apurada com as informações do Cadastro Único (CadÚnico) para programas sociais do governo. Em um terceiro requerimento, a ex-sinaleira teve a solicitação de benefício indeferida porque o INSS alegou ” falta do período de carência” .

“Olha, é um constrangimento para mim tudo isso. Eu trabalhava, tinha minha vida e agora sou dependente dos outros. É a minha filha, única que mora comigo, que faz tudo para mim”, desabafou Cleomar para a reportagem.

 Amputação dos membros

Cleomar era sinaleira em Porto Velho e iniciou um tratamento para problemas gástricos. Inicialmente o médicos desconfiaram de gastrite, depois de infecção por  Helicobacter pylori , uma bactéria que aparece na mucosa do estômago, e na sequência diagnosticaram que o problema era na vesícula.

Com fortes dores, Cleomar acabou internada no pronto socorro do Hospital João Paulo II e os médicos decidiram operá-la.  Após a cirurgia, ela entrou em coma, teve infecção generalizada e os membros começaram a necrosar. A ex-sinaleira só percebeu que não tinha mais os membros inferiores e superiores quando acordou da cirurgia.

Veja Também:  Mulher sem mãos teve benefício negado pelo INSS por não poder assinar o papel

“Quando eu acordei eu já estava assim [amputada]. Abriram tudo em mim, mas eu não vi nada. Só lembro de entrar na sala de cirurgia “, relatou a trabalhadora.

O que diz o INSS?

A assessoria de comunicação do INSS informou à rede Amazônica que foi solicitado um auxílio-doença para Cleomar e que este não foi aprovado por falta de período de carência, no ano passado.

Depois, um novo benefício foi solicitado, também sendo indeferido por apresentar renda per capita familiar superior a 1/4 do salário mínimo.

O INSS informou à reportagem ainda que a filha de Cleomar foi pessoalmente atendida e  informada que um novo requerimento poderia ser feito caso ocorresse alteração da renda familiar junto ao Cadúnico.

Ainda segundo o instituto, Cleomar agora pode procurar o INSS, pois poderá solicitar o requerimento de um novo benefício.

Fonte: Economia – iG @ 

Continue lendo

Empregos

Conheça as profissões do futuro e as que tendem a desaparecer

Publicado

Uma das certezas quanto ao futuro do mercado de trabalho é o avanço cada vez maior da tecnologia. Novas ocupações estão surgindo dentro das profissões tradicionais e possibilitam carreiras mais promissoras. Segundo o Center for the Future of Work, instituição que estuda a mudança do mercado de trabalho, negócios baseados em habilidades antigas estão perdendo espaço dentro da economia atual.

Porém, nem todo mundo está preparado para essa revolução. “As carreiras tradicionais continuam muito parecidas, mas com novas possibilidades. Há alguns anos, não pensaríamos que drones pudessem ser usados no Direito, por exemplo, para investigação criminal. Hoje, isso é uma realidade”, afirma Rafael Yorck, consultor de carreira do Cedaspy, rede de escolas de capacitação de jovens para o mercado de trabalho.

O consultor ressalta que sempre haverá vagas na área de Tecnologia da Informação porque ainda há uma grande procura por pessoas capacitadas. “A demanda se multiplica exponencialmente”, diz. A dica do consultor é desenvolver habilidades e competências para aumentar e melhorar as perspectivas. “Hoje, um bom profissional é aquele que aproveita as tendências e aposta em tecnologia dentro da carreira que escolheu. As empresas buscam perfis com domínio básico de tecnologia, de análise de dados e de processamento de informações. A chave do sucesso é entender como a tecnologia funciona na sua área de atuação”, explica Rafael Yorck.

Veja Também:  ‘Saidinha de Natal’: 16% dos presos beneficiados no Rio não retornaram à cadeia

Apesar desse cenário, profissões ligadas a pessoas e serviços também continuarão em alta. São carreiras que exigem habilidades de relacionamento, comunicação e trabalho em equipe, como conselheiros de saúde e de finanças, atendimento virtual ao cliente, transporte, alimentação e vestuário. “São funções que as máquinas não conseguem substituir. As organizações continuarão precisando de pessoas para lidar com inteligência emocional, liderança e resolver problemas na equipe de trabalho”, conta o consultor de carreira.

Carreira mais longa

As pessoas estão vivendo mais, são mais ativas e participativas na sociedade. Consequentemente, a vida profissional está mais longa, o que as possibilita atuar em várias carreiras – executivos viram consultores ou professores, empregados do setor privado montam seu próprio negócio etc. “Ficar preso à uma atividade que não gosta é coisa do passado. As novas gerações têm mais personalidade e informação para decidirem o que querem”, conta o consultor do Cedaspy.

Os cursos de capacitação ou técnicos em áreas específicas têm papel fundamental no processo de desenvolvimento desse profissional multifacetado. “As novas possibilidades de carreiras são apresentadas de forma prática e a lógica didática é orientada para a busca de soluções de problemas, estimulando as habilidades individuais e facilitando a escolha do curso universitário”, conclui.

Veja Também:  Mulher sem mãos teve benefício negado pelo INSS por não poder assinar o papel

Carreiras em alta

Analista de dados
Especialista em Inteligência Artificial
Desenvolvedor de TI
Conselheiros (saúde, finanças, carreira)
Especialista em e-commerce
Especialista em redes sociais
Vendedor
Profissional de Marketing
Gestor de atendimento ao cliente
Gestor de Recursos Humanos

Funções que devem desaparecer

Cobrador de ônibus
Caixa de banco
Carteiro
Trabalhador do campo
Agente de viagens
Comissário de bordo
Caixa de supermercado
Atendente de telemarketing
Frentista

Fonte:

Agência Blue Chip

Por Bruna Ortega

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana