conecte-se conosco


Saúde

Prefeito de Manaus diz que população deve “esperar o pior” sobre nova variante

Publicado


source
Manaus viveu uma crise por falta de oxigênio em janeiro
Alex Pazuello/Fotos Públicas

Manaus viveu uma crise por falta de oxigênio em janeiro

O prefeito de Manaus , David Almeida (Avante), disse que a população pode “esperar o pior” após a capital do Amazonas ser fortemente atingida com uma variante do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Para Almeida, as flexibilizações no estado determinadas pelo governador Wilson Lima (PSC) estão sendo muito rápidas. As informações são da coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo .

Nesta sexta-feira (5), Lima disse que iria ampliar os horários de abertura de lojas em geral, shoppings e restaurantes.

Em Manaus, a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivas para Covid-19 está em 88% e cem pacientes ainda estão na fila por uma vaga nos hospitais públicos. Em janeiro, a capital com a falta de oxigênio para pacientes e muitos deles chegaram a morrer asfixiados.

Almeida diz que a nova variante é incontrolável, mas avisa que as pessoas “esperem o pior, esperem o que vocês nunca viram”.

Você viu?

“Uma pessoa que ficava dez dias internada agora fica 30. A variante tem muito mais contágio, é muito mais forte. As pessoas ficam mais tempo em UTI e represa toda a demanda. É por isso que as pessoas ficam em corredores, macas e ambulâncias”, afirma Almeida.

Veja Também:  Merendeira do massacre de Suzano é primeira profissional de educação vacinada

“Sem vacina eu temo por terceira, quarta, quinta onda. Porque não tem controle da nova variante, não”, completou.

Ainda de acordo com o prefeito, ele vê com preocupação a possibilidade de acontecer com o resto do Brasil o que se passou em Manaus. Para ele, nesse momento, só medidas restritivas podem salvar.

“Se não fechar tudo, vão passar pelos mesmos problemas de Manaus”, explica. “O que aconteceu em Manaus vai acontecer no Brasil se as regras de distanciamento não forem respeitadas.”

Almeida também comentou que o único tratamento precoce que existe é o isolamento. “Só tem um tratamento: distanciamento social. Se tem tratamento precoce é o isolamento. Vejo com muita preocupação a situação do restante do país. Espero que não aconteça o que aconteceu em Manaus, que foi muito, muito por desobediência ao distanciamento, pouco uso de máscara. As pessoas só vão sentir na pele quando estiverem com alguém próximo precisando de atendimento e não conseguir. Estamos aprendendo pela dor”, afirma.

Veja Também:  Países mais pobres ainda não têm uma única dose da vacina contra Covid-19
Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de tomar vacina

Publicado


source
Vacina contra Covid-19 não pode ser aplicada em pessoas infectadas
Reprodução: BBC News Brasil

Vacina contra Covid-19 não pode ser aplicada em pessoas infectadas

O Brasil registrou até ontem (10) 13.445.006 pessoas infectadas desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a covid-19 está sendo realizada no país, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.Se a pessoa tiver com a doença aguda, com febre e com sintomas da covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a covid-19.“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro.

Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista. Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição.

Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando.

“A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

Veja Também:  Covid-19: Qual a melhor estratégia de imunização em massa? Especialistas avaliam
Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Países mais pobres ainda não têm uma única dose da vacina contra Covid-19

Publicado


source
Vacina contra a Covid-19 ainda não chegou a diversos países
Pixabay

Vacina contra a Covid-19 ainda não chegou a diversos países

Enquanto países avançam na vacinação contra a Covid-19 , alguns lugares do mundo sequer receberam uma única dose do imunizante. De acordo com a Organização Mundial da Saúde ( OMS ), mais de 600 milhões de doses foram aplicadas em todo o mundo, mas a distribuição ainda é bastante desigual.

Segundo apuração do Deutsche Welle, há uma faixa inteira de países africanos ainda esperando a chegada de doses da vacina contra a Covid-19, que vai da Líbia a Madagascar – as nações sequer estão nas estatísticas da OMS. Países na Ásia Central e outros como Coreia do Norte, Cuba e Bósnia-Herzegóvina também estão com a campanha de vacinação bastante atrasada.

“Com relação à África, temos a boa notícia de que 44 países já receberam o fornecimento de vacinas. Mas, ao mesmo tempo, isso também significa que dez países não receberam até agora nenhuma vacina”, diz Clemens Schwanhold, da ONG de combate à pobreza ONE, ao Deutsche Welle.

Veja Também:  Merendeira do massacre de Suzano é primeira profissional de educação vacinada

Foi pensando nos países mais pobres que surgiu o programa Covax , que prevê o acesso global à vacinação contra a Covid-19. Para isso, os Estados-membros da OMS foram divididos em dois grupos: os 98 países mais ricos estão financiando vacinas para os 92 países mais pobres.

“O problema é que não há muito mais doses de vacinas disponíveis porque a UE e os Estados Unidos já asseguraram a grande maioria delas”, diz Sonja Weinreich, responsável pelas questões de saúde na organização Brot für die Welt (pão para o mundo), uma agência de assistência administrada pelas igrejas protestantes na Alemanha, ao Deutsche Welle. “Portanto, este mecanismo não vem sendo capaz de se impor adequadamente porque essa solidariedade simplesmente não existe”.

O principal objetivo do Covax é vacinar pelo menos 20% da população desses 92 países até o final de 2021. O sucesso, porém, depende de “todos os participantes se unirem quando se trata de financiamento e do fornecimento de matérias-primas”, afirma Schwanhold.

Veja Também:  Médica é suspensa após postar vídeos dançando com pele e gordura de pacientes
Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Serrana conclui vacinação em massa contra Covid-19 neste domingo

Publicado


source
Cidade de Serrana encerra vacinação em massa neste domingo
Reprodução

Cidade de Serrana encerra vacinação em massa neste domingo

A cidade de Serrana (SP) conclui neste domingo (11) a vacinação em massa contra a Covid-19 . O município está sediando um estudo do Instituto Butantan , chamado de Projeto S.

Neste domingo, a segunda dose da CoronaVac será aplicada no restante dos cerca de 28 mil imunizados em Serrana. A cidade tem 45,6 mil habitantes, e só não receberam a vacina grupos que não participaram dos testes clínicos do imunizante , como crianças e mulheres grávidas.

O Projeto S vai analisar a eficácia da CoronaVac contra a transmissão do novo coronavírus (Sars-Cov-2), bem como a queda de óbitos pela Covid-19. Os vacinados no estudo serão monitorados pelo Butantan ao longo de um ano, através de um programa de vigilância que tem a ajuda de uma inteligência artificial criada em parceria com o WhatsApp.

“Na maior pandemia do século e a maior crise sanitária do Brasil, Serrana está sendo protagonista de um projeto único no mundo de pesquisa, podendo contribuir com a ciência do Brasil e do mundo”, afirma o prefeito Léo Capitelli (MDB), ao G1.

Mesmo com a vacinação em massa, que tem deixado a população de Serrana esperançosa por um futuro mais tranquilo, a retomada das atividades na cidade não será imediata. De acordo com o prefeito, o uso de máscaras e hábitos de higiene, como o uso de álcool em gel, serão mantidos, e a flexibilização das medidas de restrição serão discutidas junto ao Butantan .

“Vamos conversar com o Butantan para que a gente faça uma retomada consciente, que sirva de referência para todo o Brasil para uma retomada planejada, organizada, e que, acima de tudo, vise a saúde e a segurança do munícipe”, diz ao G1.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana