conecte-se conosco


Nacional

Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro

Publicado


source
Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro
Rovena Rosa/Agência Brasil

Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro

A proibição de operações policiais em favelas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), no início de junho (5) resultou na diminuição da criminalidade e violência no Rio de Janeiro. O dados são do relatório “Operações policiais e ocorrências criminais: Por um debate público qualificado” da Universidade Federal Fluminense (UFF).


O documento aponta que desde a aprovação da medida houve uma redução de 72% das mortes decorrentes de incursões e que o número de feridos caiu em 49,6% em relação à média dos anos anteriores. A pesquisa do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni) analisa dados registrados entre 2007 e 2020.

Veja Também:  General Heleno diz que números sobre desmatamento são fabricados

A polícia do Rio é contrária a decisão de Fachin e alega que a proibição dificulta o combate ao crime organizado . Apesar disso, os pesquisadores mostram que pelo menos 30 vidas foram salvas nas favelas, inclusive a de policiais. A média de morte desses profissionais era de 10 e caiu pela metade este ano.

Segundo Daniel Hirata, professor da UFF e um dos autores do documento, o estudo indica ainda a ineficiência da ação policial nas favelas. “Houve uma redução significativa das operações policiais e consequentemente no número de mortos, feridos, sem aumento das ocorrências. Inclusive com a diminuição da morte de policiais”, comentou para O Dia.

A Polícia Militar (PM) continua realizando operações consideradas urgentes, como no caso do dia 28 de julho, em que a polícia precisou agir pelo fim de um tiroteio que envolvia o Comando Vermelho, a maior facção de tráfico do Rio de Janeiro.

A pesquisa também enumera os tiroteios que ocorreram no período analisado e registra uma diminuição de 61% desde a aprovação da medida. Se examinados apenas os casos em que policiais estavam envolvidos na troca de tiros, o número sobe para 82%. 

Veja Também:  Polícia busca menino de 13 anos desaparecido há quase um mês em SP

A UFF contou com o auxílio da plataforma Fogo Cruzado e do Instituto de Segurança Pública (ISP) para organizar os dados da pesquisa.

O STF deve analisar a liminar favorável a suspensão das atividades policiais durante a pandemia essa semana, que marca o fim do recesso do Judiciário. Até então Alexandre de Moraes foi o único que votou contra a proibição das operações nas favelas durante a pandemia, enquanto Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Rosa Weber se mostraram favoráveis. O julgamento é virtual e os ministros têm até terça-feira, 4, para publicar seus votos.

publicidade

Nacional

“Você sabe quem eu sou? “: funcionário é alvo de ofensas ao interromper festa

Publicado


source
Condomínio
Reprodução/Google Street View

Áreas comuns do condomínio estão fechadas por conta da pandemia.

Um funcionário de um condomínio no Distrito Federal foi ofendido por um morador do local que estava promovendo uma festa em uma área pública do residencial. O evento aconteceu na última sexta-feira (19). Os convidados da festa não utilizavam máscaras de proteção contra a Covid-19.

O funcionário foi alvo das ofensas depois de abordar o morador. Ao chegar na festa,  o encarregado foi recebido com ofensas. “Vem me tirar daqui, babaca”, afirmou o morador do condomínio, que continuou: “Você sabe quem eu sou? Quem você é?”. Em determinado momento, o morador diz “eu vou te mandar embora” para o funcionário. “Some daqui se não eu te dou porrada”, concluiu.

Veja Também:  Avó que é candidata à vice-prefeita não terá apoio do próprio neto

Em entrevista ao Metrópoles, o síndico do condomínio disse que a conduta não representa o residencial e que os fatos serão apurados para que providências sejam tomadas.

Por conta da pandemia de Covid-19, o uso de áreas comuns do condomínio, como salão de festas, espaço gourmet e a própria piscina, está proibido. Por isso o funcionário foi abordar o organizador. O morador ainda não foi identificado, uma vez que mais de 1,4 mil pessoas vivem no condomínio.

Continue lendo

Nacional

Avó que é candidata à vice-prefeita não terá apoio do próprio neto

Publicado


source
Franco Cartafina e Terezinha Cartafina
Divulgação

O neto da candidata decidiu apoiar outra chapa.

O deputado federal Franco Cartafina (PP-MG) anunciou que não irá apoiar a própria avó, Terezinha Cartafina (PSDB), que irá concorrer como vice-prefeita de Uberaba, em Minas Gerais. O neto decidiu apoiar outro candidato à prefeitura: Heli Andrade (PSL). Terezinha concorre à prefeitura da cidade mineira ao lado de Tony Carlos (PTB).

Através de nota, Franco Cartafina, que coordena a campanha de Heli Andrade, disse que a escolha da avó é soberana e fruto de suas vontades, mas que irão seguir caminhos opostos. “Em respeito aos meus eleitores, familiares e amigos, e para não pairar dúvidas sobre a verdade dos fatos, venho me manifestar sobre a decisão de minha avó Teresinha Cartafina, em integrar a chapa como candidata a vice-prefeita pelo PSDB. Meu entendimento é de que suas vontades e suas escolhas são soberanas. Agora seguiremos caminhos opostos, mas permanecerei ao lado do que considero melhor para Uberaba e para e nossa população”, disse.

Veja Também:  Rapaz de mãos dadas com namorado incomoda vizinho, que pede respeito

Ao jornal Estado de Minas, Tiago Tiveron, presidente do PSDB de Uberaba, disse que, por enquanto, Terezinha não irá se pronunciar sobre o caso. Ele ainda disse que o partido deverá divulgar uma nota no próximo sábado.

Continue lendo

Nacional

“ONGs vagabundas” tramam contra o presidente na ONU, diz Carlos Bolsonaro

Publicado


source
carlos
IG – Último Segundo

Carlos Bolsonaro diz não ser ‘covarde’ e assume uso das redes do pai


O vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), atacou ONGs (Organizações Não Governamentais) em sua conta no Twitter acusando as entidades de prepararem um plano contra o seu pai durante o discurso de abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU , que ocorre hoje às 10h.


“Todas as ONGs vagabundas se organizando nas redes sociais para orquestrar panelaço contra o Presidente amanhã em seu discurso para a ONU. Este tipo de MOVIMENTO ORQUESTRADO jamais será investigado e nem será motivo de inquérito, óbvio! O líder eleito da nação é alvo!”, escreveu Carlos no Twitter.

O Brasil tradicionalmente abre a Assembleia da ONU e neste ano a expectativa é que Bolsonaro comente as ações do Brasil no combate à pandemia do novo coronavírus (sars-cov-2) e aos incêndios que ocorrem no Pantanal e na Amazônia e geram repercussão internacional. Analistas acreditam que Bolsonaro deve defender mais uma vez que o Brasil é perseguido no plano internacionla, como fez no discurso do ano passado em que também atacou o socialismo e lideranças indígenas.

Veja Também:  Eleições 2020: PSOL terá base de propostas iguais em SP, BH e Rio



Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana