conecte-se conosco


Mato Grosso

Quase uma tonelada e meia de maconha é apreendida entre carga de ração animal

Publicado

Um caminhão V/W placa de Redenção (PA) foi apreendido pela Polícia Militar de Mato Grosso em General Carneiro (a 455 km de Cuiabá) com 1.300 kg de maconha. A droga, distribuída em 1.417 tabletes e 33 pacotes, estava no meio de ração animal, que teria sido carregada na cidade de Dourados (MS) com destino ao Pará. Uma denúncia obtida pela Polícia Civil do Paraná (Denarc) monitorou o percurso do veículo, com apoio da Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso do Sul até a localização do mesmo, pela PMMT por volta das 17h de sábado (01.12).

A abordagem foi realizada na saída da cidade de General Carneiro seguindo as características repassadas do veículo. O suspeito que conduzia o caminhão, Lhauson Franke Severino dos Santos, 44 anos, é morador de Goiânia e agiu na abordagem com bastante tranquilidade, conforme relatado no Boletim de Ocorrência, afirmando que não havia nada de irregular com a carga. Mas apresentou nervosismo quando soube que a carga seria vistoriada.

Veja Também:  Ação integrada entre PM e PF prende suspeito e apreende 800 mil carteiras de cigarros

A princípio o veículo e o motorista foram encaminhados para a delegacia de General Carneiro para a retirada da lona e parte da carga para a devida conferência. Após a retirada de aproximadamente 60 sacos de ração, tornaram-se visíveis diversos fardos da droga entre a carga.

Na sequencia, com apoio da Força Tática, PRF e PJC-MT o caminhão foi levado para a cidade de Barra do Garças para a verificação em maior segurança, por conta do efetivo de militares. Eles puderam contabilizar 1.450 porções (cerda de 1.300 kg) conforme detalhado, em maconha não prensada.

O motorista teria alegado que não sabia da droga, que está com o caminhão a aproximadamente 40 dias e que na maioria das vezes realizava o transporte de frutas. Que um dos últimos carregamentos teria sido de sementes de capim branqueara de Goiânia até a divisa do Brasil com a Bolívia, descarregando em uma fazenda da região. Posteriormente, de Cáceres para Naviraí, levou uma carga de papelão, passando pelas cidades de Coronel Vivida e Campo Grande. Disse ainda, que em Naviraí a PRF teria suspeitado de seu caminhão, que na ocasião foi descarregado e teria recebido multas por falta de adequações no veículo para o transporte, e que foram realizadas algumas mudanças no caminhão para poder continuar rodando. Após isso, foi até Dourados (MS) para carregar o veículo com ração animal com destino a São Felix do Xingu (PA). O carregamento teria sido acompanhado por ele (Lhauson Franke Severino dos Santos), mas teria se ausentado na hora de enlonar a carga.

Veja Também:  Após empresa cumprir com obrigações, Governo autoriza funcionamento de 20 UTIs no Hospital Regional de Rondonópolis

O suspeito, que está em liberdade há pouco tempo, devido a um furto em Goiânia, foi encaminhado para a Central de Atendimento, algemado, por receio de fuga por se tratar de grande quantidade de droga. Também foram apreendidos R$ 771,00, um cartão com chip telefone da Entel da Bolívia, dois celulares, cartões bancários e documentos do suspeito, quatro documentos de veículos distintos, sendo cada um correspondente a uma placa veicular e dois cheques, um do banco Bradesco no valor de R$ 22.700,00 e outro do Sicoob de R$ 15.000,00 rasgado ao meio.

publicidade

Mato Grosso

Ação integrada entre PM e PF prende suspeito e apreende 800 mil carteiras de cigarros

Publicado


Em Barra do Garças, a Polícia Militar em apoio a uma ação integrada entre a Polícia Federal e a Polícia Militar dos Estados de Goiás e Mato Grosso do Sul, apreendeu 800 mil carteiras de cigarros contrabandeados no sábado (10). A grande apreensão gerou um prejuízo de cerca de R$ 5 milhões à organização criminosa.

A ação conjunta batizada de “Operação Hórus” iniciou a partir das investigações da Polícia Federal com o apoio das três instituições militares (PMMT, PMGO e PMMS). Após monitoramento, as equipes identificaram que os cigarros contrabandeados teriam sido adquiridos do Paraguai.  Os policiais conseguiram abordar os dois veículos nas proximidades do município de Ponte Alto, em Goiás.

Um motorista foi preso, o condutor do segundo veículo conseguiu fugir. Foram apreendidas 1.600 caixas de cigarros, contendo 800 mil carteiras do material ilícito contrabandeado. O suspeito detido e os cigarros foram apreendidos e encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal de Barra do Garças.

Fonte: GOV MT

Veja Também:  Enfermeira é presa em flagrante por roubar kits para teste de Covid da Santa Casa
Continue lendo

Mato Grosso

Enfermeira é presa em flagrante por roubar kits para teste de Covid da Santa Casa

Publicado


Uma enfermeira de 44 anos foi presa em flagrante pela Polícia Civil na madrugada deste domingo (11.04) pelo crime de peculato cometido contra uma unidade hospitalar pública, na Capital. Com a profissional foram encontrados diversos kits utilizados para testagem da covid e também materiais de acesso venoso e nasal de uso estritamente médico-hospitalar.

A equipe plantonista da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) recebeu uma denúncia e seguiu na noite de sábado até o Hospital Estadual Santa Casa para checar as informações sobre uma servidora da unidade que estaria furtando testes de covid.

Na presença de uma recepcionista e de outras pessoas que estavam no local, os investigadores revistaram a bolsa da profissional e encontraram dentro de uma sacola plástica preta, diversos instrumentos e medicamentos utilizados para o teste de covid, sendo: 25 cotonetes em um envelope plástico lacrado; um frasco de reagente; 25 frascos para pipetagem; dois equipos macro gotas; dois equipos dupla via; quatro cateteres nasais tipo óculos de oxigênio e vários cateteres intravenosos de marcas diversas.

Os investigadores foram informados de que nenhum servidor do hospital tem autorização para retirar medicamentos ou instrumentos hospitalares da unidade.

A profissional foi encaminhada para a DHPP e alegou desconhecimento sobre a maioria dos objetos encontrados em sua bolsa, somente reconhecendo os cateteres nasais, que disse ter o costume de “manter em sua bolsa” para atender emergência de estabilização. Porém, em depoimento, ela respondeu que eram seus e que os utilizava em plantões particulares.

Veja Também:  Após empresa cumprir com obrigações, Governo autoriza funcionamento de 20 UTIs no Hospital Regional de Rondonópolis

Um profissional de enfermagem ouvido na delegacia confirmou que todos os materiais encontrados com a enfermeira são de propriedade do hospital e que os códigos que constam são de controle interno da farmácia da unidade, como forma de saber como está sendo utilizado. Ele informou ainda que a profissional detida tinha a função da triagem dos pacientes, o que não abrangia a realização de testes covid, que é realizada por enfermeiros próprios da unidade hospitalar. Ele destacou que servidor do hospital não tem autorização para sair com medicamentos ou instrumentos de trabalho.

A diretora do hospital compareceu à DHPP e também atestou a propriedade do material encontrado como sendo da unidade e frisou que os equipamentos de acesso venoso e nasal são de aquisição e uso estritamente médico hospitalar.

Outras informações coletadas pelos investigadores foram obtidas em conversa de aplicativo de mensagem do celular da enfermeira, que foi acessado pelos policiais com o consentimento formal dela e de seu advogado. Em um trecho de conversa entre ela e um médico para acertar o valor de uma visita, a enfermeira pergunta se será necessário levar os materiais ou o paciente já tem, pois caso tenha que levar, o valor cobrado será maior. “..vai ter que cobrar R$ 300,00 pois o material é muito caro e não consegue achar”, diz trecho do diálogo, conforme consta no auto da prisão em flagrante.

Veja Também:  Enfermeira é presa em flagrante por roubar kits para teste de Covid da Santa Casa

Na mesma conversa, a enfermeira avisa ao médico que se ele precisar de qualquer material, “é só ele avisar que ela consegue também, pois quem não tem conhecimento hospitalar, pra comprar é complicado.”

Flagrante por peculato 

O delegado Caio Fernando Albuquerque, que atendeu o flagrante, explica que ainda que mesmo sendo contratada da Santa Casa, por exercer suas funções em unidade pública hospitalar, ela é equiparada a servidora pública, conforme previsto no Artigo 327 do Código Penal.

“Deparamos com a situação de uma servidora pública, por equiparação, que, mesmo vendo, diariamente, toda a terrível situação a que passamos, agindo na contramão, objetivando interesses próprios, e valendo-se das facilidades que seu emprego proporciona, apropriou-se de testes para constatação da covid, e mais, apropriou-se de equipamentos de uso exclusivo médico hospitalar, estes já deveras escassos por conta do incontrolável aumento da pandemia”, pontuou Caio Albuquerque.

Com os elementos coletados, o delegado autuou a enfermeira em flagrante pelo crime de peculato (artigo 312 do CP) e encaminhou representação ao Poder Judiciário pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva.

O auto de flagrante será remetido à 2ª Delegacia de Polícia de Cuiabá, que dará sequência à investigação.

A enfermeira foi encaminhada para audiência de custódia da Justiça.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Enfermeira é presa em flagrante pela por roubar kits para teste de Covid da Santa Casa

Publicado


Uma enfermeira de 44 anos foi presa em flagrante pela Polícia Civil na madrugada deste domingo (11.04) pelo crime de peculato cometido contra uma unidade hospitalar pública, na Capital. Com a profissional foram encontrados diversos kits utilizados para testagem da covid e também materiais de acesso venoso e nasal de uso estritamente médico-hospitalar.

A equipe plantonista da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) recebeu uma denúncia e seguiu na noite de sábado até o Hospital Estadual Santa Casa para checar as informações sobre uma servidora da unidade que estaria furtando testes de covid.

Na presença de uma recepcionista e de outras pessoas que estavam no local, os investigadores revistaram a bolsa da profissional e encontraram dentro de uma sacola plástica preta, diversos instrumentos e medicamentos utilizados para o teste de covid, sendo: 25 cotonetes em um envelope plástico lacrado; um frasco de reagente; 25 frascos para pipetagem; dois equipos macro gotas; dois equipos dupla via; quatro cateteres nasais tipo óculos de oxigênio e vários cateteres intravenosos de marcas diversas.

Os investigadores foram informados de que nenhum servidor do hospital tem autorização para retirar medicamentos ou instrumentos hospitalares da unidade.

A profissional foi encaminhada para a DHPP e alegou desconhecimento sobre a maioria dos objetos encontrados em sua bolsa, somente reconhecendo os cateteres nasais, que disse ter o costume de “manter em sua bolsa” para atender emergência de estabilização. Porém, em depoimento, ela respondeu que eram seus e que os utilizava em plantões particulares.

Veja Também:  Evitar aglomerações e manter as medidas de biossegurança são fundamentais para reduzir o contágio da Covid-19, afirma diretora da Santa Casa

Um profissional de enfermagem ouvido na delegacia confirmou que todos os materiais encontrados com a enfermeira são de propriedade do hospital e que os códigos que constam são de controle interno da farmácia da unidade, como forma de saber como está sendo utilizado. Ele informou ainda que a profissional detida tinha a função da triagem dos pacientes, o que não abrangia a realização de testes covid, que é realizada por enfermeiros próprios da unidade hospitalar. Ele destacou que servidor do hospital não tem autorização para sair com medicamentos ou instrumentos de trabalho.

A diretora do hospital compareceu à DHPP e também atestou a propriedade do material encontrado como sendo da unidade e frisou que os equipamentos de acesso venoso e nasal são de aquisição e uso estritamente médico hospitalar.

Outras informações coletadas pelos investigadores foram obtidas em conversa de aplicativo de mensagem do celular da enfermeira, que foi acessado pelos policiais com o consentimento formal dela e de seu advogado. Em um trecho de conversa entre ela e um médico para acertar o valor de uma visita, a enfermeira pergunta se será necessário levar os materiais ou o paciente já tem, pois caso tenha que levar, o valor cobrado será maior. “..vai ter que cobrar R$ 300,00 pois o material é muito caro e não consegue achar”, diz trecho do diálogo, conforme consta no auto da prisão em flagrante.

Veja Também:  Sábado (10): Mato Grosso registra 328.805 casos e 8.530 óbitos por Covid-19

Na mesma conversa, a enfermeira avisa ao médico que se ele precisar de qualquer material, “é só ele avisar que ela consegue também, pois quem não tem conhecimento hospitalar, pra comprar é complicado.”

Flagrante por peculato 

O delegado Caio Fernando Albuquerque, que atendeu o flagrante, explica que ainda que mesmo sendo contratada da Santa Casa, por exercer suas funções em unidade pública hospitalar, ela é equiparada a servidora pública, conforme previsto no Artigo 327 do Código Penal.

“Deparamos com a situação de uma servidora pública, por equiparação, que, mesmo vendo, diariamente, toda a terrível situação a que passamos, agindo na contramão, objetivando interesses próprios, e valendo-se das facilidades que seu emprego proporciona, apropriou-se de testes para constatação da covid, e mais, apropriou-se de equipamentos de uso exclusivo médico hospitalar, estes já deveras escassos por conta do incontrolável aumento da pandemia”, pontuou Caio Albuquerque.

Com os elementos coletados, o delegado autuou a enfermeira em flagrante pelo crime de peculato (artigo 312 do CP) e encaminhou representação ao Poder Judiciário pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva.

O auto de flagrante será remetido à 2ª Delegacia de Polícia de Cuiabá, que dará sequência à investigação.

A enfermeira foi encaminhada para audiência de custódia da Justiça.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana