conecte-se conosco


Saúde

Repórter descobre câncer na tireoide com ajuda de telespectadora

Publicado

Women's Health

A repórter australiana Antoinette Lattouf foi diagnosticada com  câncer na tireoide , mas ela não descobriu a doença de uma forma inusitada: quem fez o alerta sobre a doença foi uma telespectadora do programa do qual ela participa todas as manhãs no canal Network Ten.

repórter descobre câncer arrow-options
Reprodução/TV

Antoinette Lattouf, repórter de uma emissora australiana, recebeu aviso de uma telespectadora e, ao investigar, descobriu câncer de tireoide

Leia também: Diferença entre hipertireoidismo, hipotireoidismo e câncer de tireoide

Como repórter descobriu que estava com câncer de tireoide

Pois é, a telespectadora Wendy McCoy, de Werribee, subúrbio de Melbourne, estava assistindo ao programa quando notou algo de estranho no pescoço da jornalista. Ela alertou Antoinette por meio do Facebook: “Você tem checado a tireóide? Não estou tentando bancar a especialista ou trollando, fiquei apenas preocupada com o que vi na TV.”

Após exames, a repórter descobriu um tumor benigno , que se não fosse retirado poderia comprometer sua fala e respiração. “Fiquei chocada. Parecia que eu tinha pomo de Adão”, comentou. Atoinette descobriu ainda, que tinha uma doença autoimune .

Veja Também:  Covid-19 pode causar danos cerebrais em pacientes leves e graves

Leia também: Entenda o que é mito e o que é verdade a respeito da saúde da tireoide

“A Wendy eu digo, obrigado pelo carinho de entrar em contato comigo, uma completa estranha, e me fazer ir ao médico. Seu ato aleatório de bondade salvou a minha carreira”, disse Antoinette, de acordo com o portal “Daily Star”.

É sempre importante ficarmos de olho nos  sinais que nosso corpo dá e manter os exames em dia! O câncer de tireóide muitas vezes não mostra sintomas e só pode ser identificado por meio de exames.

publicidade

Saúde

O que se sabe até agora sobre cloroquina, defendida e usada por Bolsonaro

Publicado


source

BBC News Brasil

Presidente Jair Bolsonaro mostra comprimido de hidroxicloroquina
Reprodução/Facebook

Em vídeo, Bolsonaro afirmou que está fazendo tratamento com cloroquina


O interesse na hidroxicloroquina como medida preventiva e no tratamento de pacientes com coronavírus está em alta. Ao anunciar que contraiu o vírus , o presidente Jair Bolsonaro afirmou que tomou um derivado da droga , a cloroquina , junto com o antibiótico azitromicina para combater a infecção.


Já o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , que não testou positivo para o vírus, disse ter feito uso do medicamento como medida preventiva.

Mas, apesar de alguns estudos iniciais aumentarem as esperanças sobre a droga, um estudo subsequente em larga escala mostrou que ela não é eficaz como tratamento para a Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) interrompeu seus testes, alegando que o medicamento não reduz as taxas de mortalidade em pacientes com o vírus.

Para que serve a hidroxicloroquina?

A hidroxicloroquina tem sido usada há muito tempo para tratar a malária, bem como outras doenças, como lúpus e artrite.

Ela é usada para reduzir febre e inflamação, e havia esperança de que também poderia inibir o vírus que causa a Covid-19.

Alguns estudos iniciais mostraram que a cloroquina pode reduzir a duração dos sintomas experimentados por pacientes com coronavírus, enquanto outros indicaram que ela não teve nenhum efeito positivo.

Um dos maiores estudos do mundo em andamento — o Recovery, realizado pela Universidade de Oxford, no Reino Unido — envolveu 11 mil pacientes com coronavírus em hospitais do país e incluiu testar a eficácia da hidroxicloroquina contra a doença, além de outros tratamentos em potencial.

Veja Também:  Brasil tem 1.254 mortes em 24h causadas pela Covid-19

A conclusão foi que “não há efeito benéfico da hidroxicloroquina em pacientes hospitalizados com Covid-19” e o medicamento acabou retirado do experimento.

Existem mais de 200 outros estudos atualmente em andamento em todo o mundo.

Por que as drogas se tornaram tão controversas?

A promoção da droga por figuras políticas importantes, como Trump, fez com que a hidroxicloroquina e sua derivada, a cloroquina, se tornassem objeto de ampla especulação online sobre seus possíveis benefícios e efeitos nocivos.

Isso gerou uma alta demanda por esses medicamentos e sua escassez global.

Seu uso também dividiu a comunidade científica.

Experimentos em todo o mundo foram temporariamente descontinuados quando um estudo publicado na revista científica The Lancet afirmou que a droga aumentava fatalidades e problemas cardíacos em alguns pacientes.

Os resultados levaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras entidades a interromper os testes por razões de segurança.

No entanto, a Lancet posteriormente retirou o estudo do ar quando se constatou que ele apresentava sérias deficiências.

Como resultado, a OMS retomou seus experimentos.

Outros estudos analisaram o uso dos medicamentos como uma medida de prevenção contra a Covid-19.

A Unidade de Pesquisa em Medicina Tropical da Universidade de Oxford (Moru, na sigla em inglês) está conduzindo ensaios clínicos em massa. São 40 mil trabalhadores da linha de frente na Europa, África, Ásia e América do Sul, que receberam cloroquina, hidroxicloroquina ou placebo.

O professor Nick White, que lidera o estudo, disse: “A maioria dos especialistas concorda que há uma chance muito maior de benefício na prevenção do que no tratamento”.

Esse estudo acabou temporariamente suspenso após a divulgação das descobertas da pesquisa publicada na Lancet . Agora, pode recomeçar.

Ainda não houve resultados deste ou de outros estudos randomizados em andamento sobre os medicamentos como tratamento preventivo.

Veja Também:  O que se sabe até agora sobre cloroquina, defendida e usada por Bolsonaro

Quais são os efeitos colaterais da hidroxicloroquina?

Vários países autorizaram o uso hospitalar de hidroxicloroquina ou seu uso em estudos clínicos sob a supervisão de profissionais de saúde.

Em março, o Food and Drug Administration (FDA), a agência sanitária dos EUA, concedeu autorização “emergencial” para o uso desses medicamentos no tratamento da Covid-19 em número limitado de casos hospitalizados.

Porém, o órgão emitiu um alerta sobre o risco das drogas causarem  sérios problemas nos batimentos cardíacos de pacientes com novo coronavírus. Também proibiu o uso deles fora de um ambiente hospitalar ou de um ensaio clínico.

E, finalmente em junho, o FDA retirou a droga de sua lista de medicamentos para o tratamento da Covid-19, alegando que os ensaios clínicos não mostraram benefício.

Também houve relatos de envenenamento por pessoas tomando cloroquina sem supervisão médica.

A OMS respondeu aconselhando as pessoas a não se automedicarem e “alertou contra médicos e associações médicas que recomendam ou administram esses tratamentos não comprovados”.

A França havia autorizado os hospitais a prescrever os medicamentos para pacientes com covid-19, mas mais tarde reverteu a decisão depois que o órgão de regulação de saúde do país alertou sobre possíveis efeitos colaterais.

Por que esses medicamentos ganharam tanto destaque?

Houve vários estudos pequenos na China e na França que alegaram que a hidroxicloroquina e a cloroquina poderiam beneficiar pacientes com coronavírus.

Mas foi quando o presidente Trump mencionou a droga pela primeira vez em uma entrevista a jornalistas no fim de março que ela atraiu atenções ao redor do mundo.

E, em abril, ele disse: “O que você tem a perder? Tome”.

Após as declarações do presidente americano, houve um aumento acentuado nas prescrições para hidroxicloroquina e cloroquina nos EUA.

Trump revelou em maio que  tomava hidroxicloroquina como medida de prevenção contra a Covid-19, mas depois disse que parou de fazer uso do medicamento.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Rússia encontra antiviral que impede reprodução do coronavírus

Publicado


source
remédio despejado em uma mão
Pixabay/TheDigitalWay

Mesmo que empresa confirme êxito, o estudo do Coronavir não foi publicado em periódicos científicos


Nesta quarta-feira (8), a empresa farmacêutica russa R-Pharm afirmou que conseguiu autorização governamental para vender o Coronavir,  remédio antiviral que inibe a replicação do novo coronavírus no organismo humano.


Segundo a empresa, o vírus deixa de ser replicado tanto em quadros leves quanto graves. As testagens em humanos foram iniciadas no mês de maio. Dos 110 casos participantes, 55% responderam da maneira esperada em uma semana.

O diretor médico da empresa, Mikhail Samsonov, afirmou à reuters que a reprodução do novo coronavírus para por conta de “uma efetiva obstrução da replicação do vírus”. No entanto, a pesquisa da equipe russa não foi publicada por revistas científicas que comprovam que o medicamento é eficaz contra a Covid-19.

Veja Também:  Hospital de campanha do Ibirapuera dará preferência aos pacientes do interior

Além do Coronavir, o país testa atualmente o Avifavir. Ambos os antivirais tem base de favipiravir, que chegou a ser estudado na China e no Japão, mas não é comercializada principalmente pela possibilidade de causar má formação de embriões.

No Brasil, ambos os remédios testados em território russo não são comercializados.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19 pode causar danos cerebrais em pacientes leves e graves

Publicado


source
desenho ilustrativo de um cérebro
FreePik

Pesquisadores descobrem que casos leves também podem apresentar danos cerebrais


Pesquisas recentes da University College London (UCL) indicam que a Covid-19 , doença transmitida pelo novo coronavírus, pode trazer impactos severos para o cérebro . Essa sequela pode ser manifestada tanto em casos graves quanto leves.


Foram analisadas 43 pessoas que foram internadas em decorrência da Covid-19, seja confirmada ou suspeita. Desses, 12 apresentavam inflamação no cérebro, dez tiveram disfunção cerebral, oito derrames e oito apresentavam lesões nos nervos.

Além dessas sequelas, os pacientes ainda podem sofrer alucinações, delírios e acidente vascular cerebral (AVC), que podem ser fatais.

Segundo Michael Zandi, do Queen Square Institute of Neurology da UCL, o número de pacientes com problemas cerebrais decorrentes da Covid-19 está bem acima do esperado. No entanto, seu colega, Ross Paterson, afirma que, já que a doença é muito recente, não há como saber quais são os donos em um prazo maior de tempo.

Veja Também:  O que se sabe até agora sobre cloroquina, defendida e usada por Bolsonaro

“Os médicos devem estar cientes dos possíveis efeitos neurológicos, pois o diagnóstico precoce pode melhorar os resultados sobre a saúde do paciente”, afirmou Paterson.

No entanto, os pesquisadores ressaltam que sintomas cerebrais não devem ser apresentados em grande escala.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana