conecte-se conosco


Nacional

Rio é a cidade do Brasil em que se perde mais tempo no transporte público

Publicado

source
Rio arrow-options
Reprodução

Cidade ficou na primeira posição do ranking

Todos os dias, o motorista de ônibus Julio Cesar Silva, de 37 anos, acorda cedo para mais um dia de trabalho. A caminho da garagem da empresa, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, os quase 60 minutos dentro de um ônibus lotado não são nada perto do que ainda está por vir, já que ele passará o restante do dia a bordo de um coletivo que circula entre o município caxiense e a capital. As informações são do jornal O Dia .

Leia também: Testemunha de defesa do filho, Flordelis depõe à Justiça no início de fevereiro

Essa via crucis no trânsito, sobretudo como passageiro, não é exclusividade de Silva. Um levantamento feito pela Moovit, empresa especializada em mobilidade urbana, aponta que o Rio de Janeiro é a cidade brasileira com maior tempo médio de deslocamento no transporte público. Pelo menos 11% dos deslocamentos feitos na capital duram mais de duas horas. Outros 36% levam, em média, até 2 horas.

Veja Também:  Ação distribui pulseira de identificação de crianças no Rio de Janeiro

Além dos ônibus , o levantamento levou em consideração os deslocamentos feitos por meio de VLT, metrô, trem, barca, teleférico e plano inclinado. A capital aparece em 3º lugar no ranking mundial, com média de 67 minutos. Só perde para Istambul, na Turquia (72 minutos); e para a Cidade do México (69 minutos). Outras duas cidades brasileiras aparecem entre as dez principais apontadas pelo estudo: Recife e São Paulo. Em ambas as capitais, o tempo de deslocamento médio é de 62 minutos.

“Às vezes tem superlotação, depende do horário. Aí, a gente já chega cansado no serviço. No caso dos rodoviários, após passar por esses problemas para chegarmos à garagem e iniciar o dia de trabalho, ainda temos que enfrentar congestionamento , vias em péssimas condições. É muito estresse”, desabafa Silva.

Tempo de espero é outro drama

Quatro vezes por semana, Paulo Pinho, de 58 anos, sai de Guapimirim, na Baixada Fluminense, rumo ao Centro do Rio. “Não podemos marcar um compromisso e contar com o serviço público. Tem dias que saio com quatro horas de antecedência e mesmo assim chego atrasado. Esse tempo eu poderia estar com minha família”, reclama.

Veja Também:  São Paulo institui piso e professores têm reajuste de 12,84%

Leia também: Enem libera notas nesta sexta-feira; veja como recuperar senha

O levantamento da Moovit também registrou que o tempo médio de espera por um transporte público, no Rio , é de cerca de 17 minutos. “Aqui em Barra de Guaratiba só existe uma linha de ônibus. Os horários são incertos e não coincidem com o BRT, onde a espera acaba sendo muito grande”, reclama a balconista Ana Gouveia.

Fonte: IG Nacional
publicidade

Nacional

Folião é esfaqueado no Bloco Domingo Ela Não Vai

Publicado

source

Nesta segunda-feira (24), um folião de 39 anos foi esfaqueado após uma tentativa de assalto durante o desfile do Bloco Domingo Ela Não Vai, que aconteceu na região Central de São Paulo. 

Leia também: Carnaval cancelado? Blocos desistem de desfilar em diversas capitais

Público do Bloco Domingo Ela Não Vai em 2020 arrow-options
Reprodução Instagram

Público do Bloco Domingo Ela Não Vai em 2020


Leia também: Pabllo Vittar surge “bem bandida” para o Carnaval em Salvador

Segundo informações da Polícia Militar, o ataque ao folião aconteceu por volta de 14h50, quando o bloco Domingo Ela Não Vai passava pela Avenisa São Luis, na Santa Cecília.

Leia também: Carnaval de camarotes tem shows exclusivos, ídolos sertanejos e muito romance

O folião  foi encaminhado para o Hospital Central da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, onde foi atendido e recebeu alta. De acordo com o depoimento do mesmo para a Polícia Militar , dois homens e uma mulher trans tentaram assaltá-lo. Ele reagiu e foi ferido no braço por uma faca artesanal. Até o momento ninguém foi preso.

Veja Também:  São Paulo institui piso e professores têm reajuste de 12,84%

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

​Plano de saúde coletivo não pode ser cancelado durante tratamento

Publicado

source

Agência Brasil

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que as operadoras de plano de saúde coletivo não podem romper o contrato de prestação dos serviços durante o tratamento médico. Pela decisão, a cobertura deve valer enquanto os beneficiários estiverem internados ou em tratamento e só pode terminar após a alta médica.

Leia também: Marcado pelo turismo, carnaval deve movimentar R$ 8 bilhões

Hospital Tibe Setúbal arrow-options
Reprodução/Facebook

Hospital Tibe Setúbal, na zona leste de São Paulo



Leia também: Dólar do cartão será do dia da compra a partir de março, define BC

O caso julgado pelo STJ envolveu uma operadora de plano de saúde que cancelou unilateralmente o plano coletivo de 203 funcionários de uma transportadora, que recorreu à Justiça para manter a continuidade da cobertura.

Apesar de garantir a cobertura para quem está em tratamento, a Terceira Turma do tribunal entendeu que as operadoras podem cancelar o contrato por conta própria, no entanto, além de manter o tratamento , devem cumprir a vigência de 12 meses e notificar os trabalhadores com antecedência mínima de 60 dias. O julgamento ocorreu em outubro do ano passado, mas o acórdão, que é a decisão final, foi divulgada nesta semana pelo STJ.

Veja Também:  Carro de passeio bate em viatura da PM e deixa dois feridos; assista

Leia também: IR 2020: não curte Carnaval? Feriadão pode ser usado para separar os documentos 

Durante o julgamento, prevaleceu o voto do relator, ministro Marco Aurélio Bellizze. Para o ministro, embora a Lei dos Planos de Saúde (Lei 9.656/1998) proíba a suspensão ou rescisão somente de planos individuais, o direito à saúde beneficiário se sobrepõem a cláusulas contratuais também nos contratos coletivos.

“Entretanto, não obstante seja possível a resilição unilateral e imotivada do contrato de plano de saúde coletivo, deve ser resguardado o direito daqueles beneficiários que estejam internados ou em pleno tratamento médico, observando-se, assim, os princípios da boa-fé, da segurança jurídica e da dignidade da pessoa humana”, definiu o acórdão.

Judicialização da saúde

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a judicialização na saúde cresceu aproximadamente 130% nas demandas de primeira instância da Justiça entre 2008 e 2017. Problemas com os convênios foram a maior causa (30,3%) dos pedidos de processos relacionados ao assunto no país.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Mar invade a praia e arrasta banhistas durante ressaca no Guarujá

Publicado

source
Ressaca no Guarujá arrow-options
Reprodução

Banhistas tentam salvar seus pertences durante ressaca no Guarujá (SP)

Uma pessoa filmou o momento em que banhistas foram arrastados pelo mar durante ressaca no Guarujá (SP), na tarde do último domingo (23). A água subiu com força, invadindo a área das pessoas que tomavam sol na na extensão da praia.

LEIA MAIS: Carro de família é alvo de tiros no RJ; adolescente foi atingido na cabeça

Ressaca no Guarujá arrow-options
Reprodução/Twitter

Ressaca no Guarujá

Outra usuária publicou a foto das pessoas no calçadão após o ocorrido em seu perfil no Twitter. De acordo com ela, não era possível permanecer na praia. Outros relatos apontam que o mar estava muito agitado e apenas uma fresta da areia não foi atingida. As pessoas se amontoaram na parte seca.

Fonte: IG Nacional
Veja Também:  Em sábado de Carnaval, carro pega fogo após acidente e interdita pista; assista
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana