conecte-se conosco


Tecnologia

Segurança para mulheres em um clique: conheça a tecnologia Malalai

Publicado

source
Malalai arrow-options
Unsplash/Clayton Fidelis

Malalai visa dar mais segurança a pessoas que andam sozinhas


No final de novembro, o prêmio GOL Novos Tempos teve como principal homenageada a arquiteta e urbanista Priscila Gama , por sua contribuição para a segurança na mobilidade urbana com o aplicativo Malalai ( Android e iOS ).

Essa não é a primeira vez que Priscila é premiada por seu app , e provavelmente não será a última. “A coisa tomou uma proporção que nem se eu quisesse eu conseguiria largar tudo hoje”, brinca a mineira, se lembrando de quando teve a primeira ideia sobre a Malalai, no final de 2015. 

Malalai , que significa “atingida pela dor” e homenageia Malalai de Maiwand e Malala Yousafzai, é um aplicativo de mobilidade urbana que permite que os usuários – sobretudo mulheres – compartilhem suas rotas e enviem sinais de emergência para contatos próximos, a fim de gerar mais segurança. “Minha ideia era só oferecer companhia virtual para as mulheres”, conta Priscila. 

Leia também: Black Mirror? Aplicativo de namoro é desenvolvido com base no DNA dos usuários

A ideia surgiu depois que Priscila presenciou uma mulher sendo seguida de madrugada em uma rua próxima à sua casa, em Belo Horizonte, MG.

Na mesmo época, o coletivo Think Olga lançou a hashtag #PrimeiroAssédio , na qual mulheres eram convidadas a compartilharem situações de assédio nas redes sociais. Lendo muito relatos relacionados à mobilidade, a arquiteta teve certeza de que era hora de criar algo que mudasse a situação. 

Com apenas uma ideia em mente, Priscila se inscreveu em um concurso de startups , sem sequer sonhar que chegaria onde está hoje. “Nesse evento, normalmente, a galera ou é de business, ou é de tecnologia, ou é de design, eu não era de nenhum dos três”, brinca. 

Veja Também:  CEO do Google quer que inteligência artificial seja regulamentada

Foi nesse concurso que ela conheceu seu atual sócio, Henrique Mendes, e a ideia foi, aos poucos, entre altos e baixos, saindo do papel.

“O Henrique levou um ano para aprender a fazer aplicativo para fazer o nosso”, lembra a arquiteta, rindo. “Então, tirar o negócio do papel incluiu aprender a desenvolver aplicativo”. 

Henrique e Priscila, sócios da Malalai arrow-options
Mario Ladeira/Divulgação

Henrique e Priscila, sócios da Malalai


Como funciona a Malalai

O objetivo da tecnologia Malalai é oferecer mais segurança para pessoas que querem ser livres para se deslocarem sozinhas . Através do aplicativo, os usuários podem adicionar até três pessoas de confiança, que são chamados de keepers .

Uma delas (que também precisa ter o app instalado) pode acompanhar as rotas que o usuário quiser compartilhar, enquanto as outras duas recebem apenas avisos de emergência. 

Leia também: Mariéme Jamme: vencedora, agora ela quer ensinar 1 milhão de meninas a programar

Toda vez que for iniciar um trajeto, o usuário pode pedir para que o keeper principal o acompanhe, e ele receberá o mapa com a rota em tempo real em seu celular.

Também dá para configurar um tempo após o fim da rota para enviar uma mensagem de emergência ao keeper principal. Caso se passe o tempo esperado para a conclusão do caminho e você ainda não tiver concluído, quem está acompanhando sua rota receberá um aviso de emergência. 

Além disso, o aplicativo possui um botão vermelho (que pode ser adicionado como atalho na tela principal do smartphone). Com apenas um clique nele, é possível avisar os três keepers que você se encontra em uma situação de emergência. 

Veja Também:  Mr. Shithole: Facebook traduz nome do presidente da China com palavrão

Leia também: Uber lança serviço de patinete elétrico no litoral paulista

Mapa da segurança

Outro aspecto bastante interessante do aplicativo é que ele funciona como um mapeamento coletivo . Todos os usuários do aplicativo podem visualizar e adicionar aos mapas das cidades avisos como “rua movimentada”, “assédio recorrente” e “má iluminação”. 

Malalai arrow-options
Captura de tela

Telas do aplicativo Malalai da esquerda para a direita: mapa colaborativo, configurações de emergência e configurações dos keepers


Priscila conta que um dos maiores objetivos da empresa hoje é conseguir melhorar esse mapeamento, incluindo informações que não dependam dos usuários e adicionando a possibilidade de pessoas incluírem dados diretamente na web , sem precisarem baixar o aplicativo.

Para encontrar boas soluções a esse desafio, eles planejam um hackathon no início de 2020. “O grande desafio é conseguir mostrar onde há movimento nas ruas e onde não há em tempo real”, conta. 

Leia também: Cidade italiana bane Google Maps depois de muita gente se perder

Mais do que um aplicativo

Outra novidade bastante interessante que Malalai traz é que a empresa não se trata apenas de um aplicativo .

Priscila, Henrique e sua equipe já desenvolvem jóias inteligentes , capazes de enviarem alertas discretos para celulares cadastrados. 

A principal delas é o anel, que está em produção e já tem cerca de 50 pessoas na fila de espera – é possível encomendá-lo pelo site da Malalai .

Conectado ao celular via Bluetooth , o anel consegue enviar mensagens de emergência para contatos cadastrados com apenas uma pressão sobre ele. 

Malalai arrow-options
Divulgação/Malalai

Quando pressionado, o anel envia uma mensagem de emergência aos contatos cadastrados


A expectativa é que a peça esteja disponível para venda no meio do ano que vem. Priscila conta que a equipe já pensa em outras opções também, como colares e chaveiros, que devem ter custos menores.

Fonte: IG Tecnologia
publicidade

Tecnologia

CEO do Google quer que inteligência artificial seja regulamentada

Publicado

source

Olhar Digital

Google arrow-options
Reprodução

Sundar Pichai pede regulamentação da inteligência artificial


Sundar Pichai , CEO da Alphabet e do Google , solicitou novas regulamentações no mundo da inteligência artificial , destacando os perigos da tecnologia, como reconhecimento facial e deepfakes , enfatizando que qualquer legislação deve equilibrar “danos potenciais com oportunidades sociais”.

“Não há dúvidas de que a inteligência artificial precisa ser regulamentada. É muito importante fazer isso”, escreveu Pichai em um editorial no The Financial Times . Mesmo assim, deixou uma pergunta no ar: “Como lidar com isso?”.

Leia também: O que é Deepfake? Saiba como funciona e porque tecnologia pode afetar a política

Embora Pichai diga que um novo regulamento é necessário, ele também defende uma abordagem cautelosa, que pode não ter muitos controles significativos sobre a inteligência artificial . Ele observou que “novas regras apropriadas” devem ser introduzidas para alguns produtos, como carros autônomos. Mas em outras áreas, como atendimento médico, as estruturas existentes podem ser expandidas para abranger produtos assistidos por IA.

Veja Também:  Amazon dá desconto em pacote Office com licença perpétua

Ele acrescentou ainda que a IA “pode aumentar o conhecimento, o sucesso, a saúde e a felicidade das pessoas”. Contudo, alertou que “a história está cheia de exemplos de como as virtudes da tecnologia não são garantidas”.

Leia também: Google é acusado de roubar tecnologia já patenteada

“Empresas como a nossa não podem simplesmente construir novas tecnologias promissoras e deixar as forças do mercado decidirem como serão usadas”, disse Pichai. “É igualmente importante para nós garantirmos que a tecnologia seja usada para o bem e esteja disponível para todos”.

Atualmente, os Estados Unidos e a União Europeia têm planos diferentes para uma regulamentação da IA. Enquanto os EUA defendem uma regulamentação leve que evite “alcance excessivo” para incentivar a inovação, a UE considera uma intervenção mais direta, como a proibição por cinco anos do reconhecimento facial .

Leia também: Não é só multa: entenda o que acontece com as empresas que não cumprirem a LGPD

O editorial de Pichai também levantou questões não resolvidas sobre a vanguarda da abordagem do Google para a regulamentação da inteligência artificial . Por exemplo, o CEO salienta que os princípios internos da companhia proíbem certos usos da tecnologia, “como apoiar a vigilância em massa ou violar os direitos humanos”. Devido a essas preocupações, o Google não vende tecnologia de reconhecimento facial.

Veja Também:  Mr. Shithole: Facebook traduz nome do presidente da China com palavrão

Por fim, o Google , como os reguladores do governo, deve equilibrar a promessa e a ameaça das tecnologias de inteligência artificial .

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Mr. Shithole: Facebook traduz nome do presidente da China com palavrão

Publicado

source

Olhar Digital

Facebook arrow-options
shutterstock

Facebook erra tradução e causa constrangimento


Um “erro técnico” do Facebook causou constrangimento durante uma visita do líder chinês, Xi Jinping , à Birmânia. Quando traduzidos para o inglês, posts escritos no idioma Birmanês descrevendo a visita mostravam o nome do governante como “Mr. Shithole” (algo como “Sr. c*zão”).

Posts na página da Conselheira de Estado Aung San Suu Kyi, líder da Birmânia , no Facebook continham várias referências a “ Mr. Shithole ” quando traduzidos para o inglês. Uma manchete no jornal local Irrawaddy dizia “Jantar homenageia o presidente c*zão”.

Leia também: Anúncios políticos: Facebook e Instagram vão oferecer mais controle a usuários

Em um comunicado, o Facebook afirma: “Corrigimos um erro técnico que causou traduções incorretas do Birmanês para o inglês no Facebook . Isto não deveria ter acontecido, e estamos tomando passos para que não aconteça novamente. Pedimos sinceras desculpas pela ofensa causada”.

A empresa afirma que o erro aconteceu porque o sistema não tinha o nome do líder chinês em sua base de dados do idioma birmanês e tentou aproximar uma tradução. Outras palavras em birmanês começando com “Xi” ou “Shi” também mostrariam o mesmo problema.

Veja Também:  Mr. Shithole: Facebook traduz nome do presidente da China com palavrão

Segundo a Reuters , o ministério de relações exteriores da China se recusou a comentar o incidente.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Por que ter uma Smart TV Box em casa em pleno 2020?

Publicado

source

É cada vez mais difícil um lar brasileiro não ser equipado com uma smart TV. Neste cenário, dispositivos como o chromecast, do Google, ou o Fire TV Stick, da Amazon , podem parecer obsoletos. Só parecem. Ter uma Smart TV Box ainda pode ser bastante útil em 2020 .

Abaixo listamos algumas razões para se ter uma Smart TV Box em casa: 

  • Em uma residência com mais de um aparelho televisor, é possível conectar o dispotivo no mais velho e atualizá-lo com aplicativos e conexão à internet
  • Muitas Smart TVs não vêm com alguns aplicativos de série ou não são licenciados para algumas marcas. A Smart TV Box permite baixar todo e qualquer aplicativo, bem como navegar por sites, na sua TV e até mesmo usar o seu celular como controle
  • A resolução da imagem é 4K, o que pode ser uma vantagem mesmo que você tenha uma Smart TV, mas sem esse tipo de resolução
  • É mais barato do que comprar uma TV nova e uma maneira objetiva e rápida de atualizar a que você dispõe
  • Utiliza versão customizada do Android
  • Também pode ser usada para jogos online
  • Memória de armazenamento pode chegar a até 32Gb
Veja Também:  Por que ter uma Smart TV Box em casa em pleno 2020?

Fácil de instalar

Smart TV Box arrow-options
shutterstock

Instalação e espelhamento do Chromecast com o aparelho celular

dispositivo é integrado aos televisores por meio de um cabo HDMI. Nas TVs que não possuem essa entrada, deve-se usar um cabo AV/RCA, aquele que tem as cores amarela, vermelho e branca. Em um televisor antigo é necessário fazer uma pequena configuração no aparelho. Isso pode ser feito, por meio do controle remoto que acompanha o produto ou de um mouse e teclado.

A Smart TV Box destaca-se também por ser portátil, com apenas 350G, o que permite seu fácil transporte para os diversos cômodos de uma casa ou ainda para leva-lo nas viagens, como sítios, fazendas e casas de praia já que ele precisa apenas de energia e uma conexão com a internet via WiFi ou cabo de rede para funcionar.

Leia também: Rações para balancear a dieta da sua calopsita

Frete gratuito

É possível garantir essa e outras compras com frete grátis assinando o pacote Amazon Prime por R$ 9,90 mensais. Além do frete gratuito e irrestrito para qualquer lugar do Brasil, é possível assistir filmes e séries no streaming Prime Video, ler livros e revistas no Kindle e ouvir músicas no Amazon Music. Clique aqui para assinar !

Veja Também:  Amazon dá desconto em pacote Office com licença perpétua

*O iG pode ganhar comissão sobre as vendas originadas a partir deste artigo

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana