conecte-se conosco


Agro News

Vazio sanitário começa dia 15, em Mato Grosso

Publicado

Defesa Agrícola

Vazio sanitário começa dia 15, em Mato Grosso

Período proibitivo segue até setembro

14/06/2019

Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), alerta os produtores rurais para o início do Vazio Sanitário da Soja no Estado, que começa no próximo sábado (15.06) e segue até 15 de setembro. Neste período de 90 dias, fica totalmente proibida a presença de plantas vivas de soja nas propriedades. Desacato ao prazo proibitivo pode acarretar em multas de 30 Unidades Padrão Fiscal (UPF’s-MT) mais duas UPFs por hectare de planta não eliminada.

O período do vazio foi instituído pela Instrução Normativa Conjunta nº 002/2015, entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT).

Durante os 90 dias de proibição não pode haver plantas vivas de soja, nem mesmo as de germinação voluntária, chamadas de guaxas. Plantio também fica impedida durante o prazo.

Vice-presidente Oeste da Aprosoja, Diogo Rutilli, explica que o vazio sanitário é uma medida fitossanitária instituída em 2006 com objetivo de reduzir a sobrevivência de diversas doenças que acometem o cultivo do grão, sobremaneira do fungo causador da ferrugem-asiática.

Veja Também:  ARROZ/CEPEA: Vendas se enfraquecem; preços oscilam com demanda pontual

“O período é fundamental importância para quebra do ciclo de diversas doenças do ciclo da soja, especialmente a ferrugem, que é o que mais traz prejuízo para o produtor. Lembrando que a origem do vazio sanitário é em Mato Grosso, exigido pelos produtores como uma solução ao combate a ferrugem, capitaneado pela Aprosoja-MT e com participação da Embrapa”, explicou Rutilli.

Vale lembrar que as guaxas germinadas às margens das rodovias, na frente das propriedades rurais, também são de responsabilidade do produtor.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

publicidade

Agro News

Agrocientista traz resultados do estudo de híbridos de milho suscetíveis a nematoides

Publicado


.

Sustentabilidade

Agrocientista traz resultados do estudo de híbridos de milho suscetíveis a nematoides

Nesse lote foram coletadas 26 amostras de híbridos

02/07/2020

O resultado preliminar do estudo “Híbridos de Milho Suscetíveis a “Nematoides”, que faz parte dos projetos de pesquisa financiado pelo Programa Agrocientista da Associação dos produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), indica que para diminuir as perdas em soja nas áreas infestadas é recomendado que o produtor utilize na rotação ou sucessão com a soja, genótipos de milho resistentes ou, pelo menos, moderadamente resistentes ao Meloidogyne incógnita, Meloidogyne javanica e ao Pratylenchus brachyurus.

O coordenador da Comissão de Sustentabilidade da Aprosoja, Fernando Ferri, afirma que esse é mais um estudo importante financiado pelo Agrocientista que traz resultado para auxiliar o produtor rural. “Agora com os dados dos testes de multiplicação nematoides do milho em mãos, o produtor poderá avaliar qual híbrido poderá comprar para próxima safra que não vai deixar desiquilibrar seu sistema de plantio. Por isso investimos em pesquisas como esta que traz os principais materiais plantados no ano passado e esse trabalho vamos continuar fazendo. Preste muita atenção, produtor! E acompanhe se o material que está querendo comprar não é um multiplicador de nematoide”, alertou.

Veja Também:  ARROZ/CEPEA: Vendas se enfraquecem; preços oscilam com demanda pontual

A pesquisa sobre o manejo de nematoides, observados a caracterização da reação de híbridos e de cultivares de milho, comumente utilizados em rotação com a soja em Mato Grosso, é desenvolvida pela Embrapa Soja, por meio dos pesquisadores Rafael Soares e Waldir Dias.

Nesta etapa foram coletadas em diversos municípios do Estado, 26 híbridos diferentes. “Os resultados mostraram que existem boas opções de milhos resistentes e moderadamente resistentes, principalmente ao Meloidogyne incógnita, Meloidogyne javanica e também ao Pratylenchus brachyurus, embora que para esses dois últimos as opções sejam menores devido a dificuldade de controle deles”, ressaltou o pesquisador Rafael Soares.

O pesquisador também orienta que, caso o produtor tenha áreas identificadas com ocorrência desses nematoides, é importante priorizar o uso desses milhos apontados no estudo nessas áreas.  “Essa é uma informação muito útil ao agricultor porque o manejo de nematoides não é fácil e deve ser feito através de um conjunto de medidas, entre elas o uso de cultivares resistentes e a rotação de culturas adequadas. Então usar um milho que multiplique menos nematoide no solo pode favorecer a soja semeada na sequência”, explanou.

Veja Também:  BOI/CEPEA: Vantagem da carne sobre boi se reduz em junho

Os nematoides de galha e das lesões radiculares estão espalhados pelos campos do Brasil, causando problemas nas lavouras de soja e prejuízos ao produtor rural. A pesquisa continua e já coletou mais 37 materiais de milho que estão sendo testados pela Embrapa Soja e devem ter os resultados divulgados nos próximos meses. “A pesquisa ainda está em andamento, mas já podemos adiantar esses resultados do primeiro lote de teste aos nematoides de galha e das lesões radiculares no milho”, frisou a gerente de Sustentabilidade da Aprosoja, Marlene Lima.

Ainda conforme a gerente, o Agrocientista acontece há mais de 10 anos e proporciona investimentos em projetos científicos que visam melhorar a produção e a produtividade de soja e milho, em Mato Grosso. “Ao longo desse tempo essa iniciativa trouxe vários resultados, favorecendo a aplicação de novas tecnologias, inovação, ajudando o produtor rural na tomada de decisão, proporcionando uma agricultura sempre alicerçada em pesquisa e sustentabilidade”, destacou Marlene.

Para conferir a tabela completa com os resultados do primeiro lote da pesquisa, clique aqui.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Continue lendo

Agro News

BOI/CEPEA: Vantagem da carne sobre boi se reduz em junho

Publicado


.

Cepea, 2/7/2020 – Em junho, o preço médio da arroba da carne bovina negociada no atacado da Grande São Paulo seguiu superior ao do animal para abate (Indicador CEPEA/B3, mercado paulista), contexto que vem sendo verificado, em termos gerais, desde o encerramento de 2016. No entanto, essa vantagem diminui bastante no mês. Segundo pesquisadores do Cepea, isso evidencia que o ritmo de alta dos preços do boi está acima do observado para a carcaça, o que, por sua vez, pode estar atrelado ao recente enfraquecimento da demanda brasileira pela carne, diante do menor poder de compra da população, que deve estar em busca de proteínas mais competitivas. Segundo dados do Cepea, em junho, a diferença entre os preços da arroba do animal e da carcaça casada foi de apenas 1,18 Real/@, com vantagem ainda para a carne negociada no atacado. Essa é a menor diferença desde agosto de 2018, quando esteve brevemente negativa, em 0,4 Real/@, ou seja, com a arroba do animal negociada acima da carne no atacado. Como comparação, em junho do ano passado, a diferença era de 10,24 Reais/@, com vantagem para a carne no atacado. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Veja Também:  UVA/CEPEA: Oferta nacional pode seguir baixa em julho
Fonte: CEPEA

Continue lendo

Agro News

SUÍNOS/CEPEA: Cotações encerram junho em alta

Publicado


.

Cepea, 2/7/2020 – Do animal vivo aos cortes, as cotações dos produtos de origem suinícola tiveram altas consecutivas ao longo de junho, encerrando o mês no positivo. Segundo colaboradores do Cepea, as valorizações se deram principalmente pelo aumento na liquidez doméstica e externa, fator que aqueceu a cadeia produtiva e elevou a demanda das grandes indústrias por animais no mercado independente. No contexto doméstico, a reabertura parcial do comércio em importantes regiões consumidoras favoreceu a procura pela carne suína. No mercado externo, colaboradores do Cepea apontam que a demanda chinesa esteve bastante aquecida, o que pode estar atrelado aos contínuos casos de Peste Suína Africana (PSA) na região asiática e também a recentes casos de febre aftosa. Em maio, China e Hong Kong foram destino de 73,1% dos embarques de produtos suinícolas brasileiros. Apesar da recuperação frente aos meses anteriores, as cotações ainda estão abaixo das registradas no mesmo período de 2019, em termos nominais. A carcaça suína seguiu a mesma tendência do animal vivo, e para os cortes, as valorizações foram ainda mais intensas, fazendo com que as médias de junho superassem as do mesmo mês de 2019. Além da demanda aquecida, a oferta esteve mais limitada. Agentes do setor relatam que alguns frigoríficos têm funcionado com escalas menores, por conta de medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Veja Também:  ALFACE/CEPEA: Com reduções de área, preços reagem
Fonte: CEPEA

Continue lendo

Links Úteis

Rondonópolis

Policial

Política MT

Entretenimento

Mais Lidas da Semana